terça-feira, 9 de junho de 2009 | Autor:

Ainda a respeito do ritual de barbear-se, há um trecho do antigo post O paradigma do emprego que vale a pena isolar e repetir aqui:

“É como os cadarços dos sapatos. Há mais de meio século, quando eu ainda era criança, lançaram os primeiros calçados sem cordão. Eram os sapatos de fivela. Tempos depois introduziram o elástico. Depois, o velcro. Depois, o zíper. E até hoje a maior parte dos sapatos continua usando os absurdamente unpractisch cadarços que dão trabalho para calçar, para descalçar e desamarram-se o tempo todo, fazendo crianças e adultos tropeçar e cair. Por que continuam usando uma coisa dessas, trabalhosa, sem praticidade e perigosa, ao invés de substituí-la por alguma das muitas alternativas mais modernas? A explicação é que o humanóide demora a incorporar as mudanças.”

 

Aliás, esse é um dos motivos pelos quais adotei os calçados tradicionais dinamarqueses, que se parecem com os tamancos suecos que estiveram em moda no mundo todo há trinta anos, só que os dinamarqueses são fechados atrás. Eles são muito práticos especialmente para quem precisa descalçar-se e calçar-se com rapidez várias vezes por dia, como é o caso da nossa profissão. São resistentes à água e a maus-tratos. E são lindos. Mas acho que você vai ter que ir a Kopenhagen para adquiri-los!

 

Luc
luc.ribeiro@uni-yoga.org | 189.41.65.196

Aproveitando o embalo, descobri no youtube este outro indicado pelo Mestre:
httpv://www.youtube.com/watch?v=XGvFJe0TsCo

 

[Atenção: este vídeo completo tem cerca de meia hora e este link apenas três minutos. Recomendo procurar o vídeo completo – A questão dos paradigmas, da Siamar. É sensacional e recomendo veementemente que você o assista completo, várias vezes. DeRose.]

Luc
luc.ribeiro@uni-yoga.org | 189.41.67.66

Esta lista de reprodução mostra o documentário todo:
http://www.youtube.com/watch?v=XGvFJe0TsCo&feature=PlayList&p=33C73CB2889291F9&index=0&playnext=1

[Contudo, o vídeo A questão dos paradigmas que eu uso para orientar os instrutores é outra versão. E dublado em português.]