sexta-feira, 13 de março de 2009 | Autor:

Fernanda levou seis anos – SEIS ANOS! – tentando me convencer a ter um cachorro. Eu não queria, pois tinha uma imagem de que cachorro dá trabalho, incomoda, late, rói, destrói as coisas, faz sujeira, obriga os donos a estar todo o tempo irirtados, a dar broncas… cães que fogem, cães que atravessam a rua no meio dos veículos e são atropelados, cães que têm de estar todo o tempo amarrados por uma guia, arrastados como escravos, só podendo comer ou fazer suas necessidades quando o dono permita… eu não queria nada disso para mim. Por uma questão de estilo de vida, de qualidade de vida e de filosofia eu não queria estar agora arranjando sarna para me coçar. Quando, finalmente, Fée me convenceu, entramos num acordo: nosso filhote seria fêmea para não sair marcando território com urina; seria escolhida uma femeazinha bem calma e não-dominante a fim de não nos dar trabalho para educá-la; seria castrada para não me aparecer ligeiramente grávida por algum sem-vergonha de família duvidosa, ao passear no parque; e teria uma treinadora desde antes de ser escolhida no canil.

Assim foi. Quando chegou à nossa casa com 45 dias de vida, já veio acompanhada da Ana Gabí, yôginí treinadora de cães ultra competente e carinhosa. Duas a três vezes por semana Jaya, Fernanda e DeRose eram seus disciplinados alunos. Os pais orgulhosos da Jaya mantinham-na rigorosamente na linha. Cobriam-na de carinho, mas para compensar exigiam muita disciplina – sempre com afeto, sem punições, sem gritos, sem pancadas. Sempre à base de reforço positivo e uma boa dose de petiscos.

O resultado foi uma cadelinha feliz, sociável, muito afetuosa, que fica solta dentro da residência e da escola e que nunca destruiu nada meu. Em casa, meus objetos ficam em prateleiras bem perto do solo e ela nunca tocou em nada. Há um vaso de porcelana que está há mais de ano sobre uma mesa de centro baixinha na sala de estar. Jaya brinca, corre e pula em torno da mesa e jamais derrubou o vaso. Seres humanos já o derrubaram uma vez ou duas, felizmente, sem quebrá-lo. Jaya, nunca! Quanto a fazer barulho, só costuma latir para nos proteger e mesmo assim, apenas de vez em quando.

Fiquei aliviado e feliz. Afinal, consegui a tranquilidade apesar de ter uma “criança” em casa. Agora, fica a sugestão veemente para que todos os demais sigam meu exemplo e contratem um treinador. Se não puder pagar por mês, contrate por aula. Mas é importante ter filhos educados, ahn, quero dizer, cães educados.

Leia mais »