terça-feira, 14 de dezembro de 2010 | Autor:

Convido meus amigos para assistir a solenidade na qual nós todos, na pessoa do decano, seremos agraciados com mais um importante reconhecimento formal. A entrada é franca, mas os homens devem comparecer de terno escuro e gravata, as mulheres de traje equivalente.

A data será terça-feira, dia 14 de dezembro de 2010. O local é o Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, no Viaduto Jacareí, 100, oitavo andar. Há estacionamento na rua ao lado.

O horário será às 19 horas, mas como sabemos que esse horário é muito difícil para os instrutores, estes poderão chegar mais tarde. É comum também que ocorram atrasos para o início de solenidades dessa natureza, às vezes de até uma hora. Recomendamos que se for inevitável o atraso do meu convidado, ele entre discretamente para não perturbar a cerimônia.

Haverá outorga de condecorações da Ordem do Mérito da Cruz do Anhembi, criada pelo Decreto 52.890/1°.03.72, do Governo do Estado de São Paulo a personalidades de destaque, seguida de coquetel de confraternização.

Todos os colegas e alunos que assistiram a solenidades de outorga anteriores ficaram vivamente impressionados e gostaram muito de ter comparecido. Conto, portanto, com a sua presença.

Estarão presentes autoridades civis, da Polícia Militar e das Forças Armadas.

Traga sua câmera para fotografar e filmar.

Divulgue no seu blog, facebook e demais redes sociais.

sexta-feira, 26 de março de 2010 | Autor:

Ao compilarmos os dados, os diplomas e as reportagens (apenas uma pequena parte) do nosso amigo e professor DeRose para publicar na forma de livro, precisamos esclarecer algo fundamental. DeRose nunca deu importância a títulos e diplomas para si mesmo.

Como pesquisador e escritor recluso, não via porque um pedaço de papel devesse merecer a credibilidade de refletir o valor do indivíduo. Com isso, deixou de buscar vários certificados a que tinha direito e outros, que conseguiram lhe chegar às mãos, terminaram no fundo de gavetas, estragados pelas décadas ou extraviados.

Assim foi de 1960 a 2001. Mas o mecanismo do destino é mesmo interessante. Como ele não corria atrás de títulos nem de exaltação pessoal, essas coisas correram atrás dele e, finalmente, alcançaram-no. Com mais de quarenta anos de profissão, a partir do novo século que despontava, DeRose começou a concordar em receber este e aquele reconhecimento. A partir de mais de quatro décadas ensinando e formando instrutores, contando já então com uma legião de bons profissionais admiradores do seu ensinamento, DeRose decidiu que tais comendas, medalhas, láureas e títulos eram mérito daqueles instrutores do seu Método que estavam no front, trabalhando com o público e realizando boas obras. Entendendo que tais profissionais, bem como a própria filosofia que eles professavam, mereciam o justo reconhecimento do público, das autoridades, do Governo e da Imprensa, passou a comparecer às solenidades de outorga. Mas sempre fez questão de registrar: “As honrarias com que sou agraciado de tempos em tempos pelo Exército Brasileiro, pela Assembléia Legislativa, pelo Governo do Estado, pela Câmara Municipal, pela Polícia Militar, pela Defesa Civil, pela Associação Paulista de Imprensa, pelo Rotary, pela Câmara Brasileira de Cultura, pela Ordem dos Parlamentares do Brasil e por outras entidades culturais e humanitárias tratam-se de manifestações do respeito que a sociedade presta 1a nossa filosofia e ao trabalho de todos os profissionais desta área. Assim, sendo, quero dividir com você o mérito deste reconhecimento.”

Várias das comendas e condecorações que recebeu em número impressionante estão reproduzidas fotograficamente nas páginas 17, 18 e 19. Mesmo assim, só concordou com a divulgação deste material mediante a expressa declaração abaixo:

“A divulgação destas homenagens e condecorações não tem justificativa na vaidade pessoal. É muito bom que ocorram essas solenidades de outorga, pois a opinião pública, nossos instrutores, nossos alunos e seus familiares percebem que há instituições fortes e com muita credibilidade que nos apoiam e reconhecem o valor do trabalho que realizamos pela juventude, pela nação e pela humanidade.”

Dessa forma, aqui está um pequeno acervo de histórico, fotografias, documentos e entrevistas que conseguimos resgatar e publicamos como presente de aniversário do nosso Mestre em Estilo de Vida, construtor da Nossa Cultura e lutador exemplar.

Comissão Editorial

Comendador De Rose

Resumo do Histórico

DeRose é Doutor Honoris Causa, Comendador e Notório Saber por várias entidades culturais e humanitárias, Conselheiro Emérito da Ordem dos Parlamentares do Brasil, Conselheiro da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História, e Conselheiro da Academia Latino-Americana de Arte. Em 2010, comemora 50 anos na profissão de educador e 24 anos de viagens à Índia, freqüentando durante essas estadas no país inúmeras escolas e outras entidades culturais, nas quais buscou aprimorar seu conhecimento da Filosofia Hindu.

Reconhecimento pelas instituições culturais e humanitárias, pelo Exército Brasileiro, pela Assembléia Legislativa, pelo Governo do Estado, pela Câmara Municipal, pela Polícia Militar, pela Defesa Civil, pela Associação Paulista de Imprensa, pelo Rotary, pela Câmara Brasileira de Cultura, pela Ordem dos Parlamentares do Brasil etc.

Comemorando 40 anos de carreira no ano 2000, recebeu em 2001 e 2002 o reconhecimento do título de Mestre (não-acadêmico) e Notório Saber pela FATEA – Faculdades Integradas Teresa d’Ávila (SP), pela Universidade Lusófona, de Lisboa (Portugal), pela Universidade do Porto (Portugal), pela Universidade de Cruz Alta (RS), pela Universidade Estácio de Sá (MG), pelas Faculdades Integradas Coração de Jesus (SP), pela Câmara Municipal de Curitiba (PR).

Em 2001, recebeu da Sociedade Brasileira de Educação e Integração a Comenda da Ordem do Mérito de Educação e Integração.

Em 2003, recebeu outro título de Comendador, agora pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.

Em 2004, recebeu o grau de Cavaleiro, pela Ordem dos Nobres Cavaleiros de São Paulo, reconhecida pelo Comando do Regimento de Cavalaria Nove de Julho, da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

DeRose recebendo a Medalha da Paz, da ONU Brasil, em 2006.

Em 2006, recebeu a Medalha Tiradentes pela Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e a Medalha da Paz, pela ONU Brasil. No mesmo ano, recebeu o reconhecimento do título de Doutor Honoris Causa pela Câmara Brasileira de Cultura, pela Universidade Livre da Potencialidade Humana e por várias outras instituições culturais e o Diploma do Mérito Histórico e Cultural no grau de Grande Oficial. Foi nomeado Conselheiro da Ordem dos Parlamentares do Brasil.

DeRose recebendo a Medalha Marechal Falconière, em 2007.

Em 2007, recebeu o título de Sócio Honorário do Rotary e a medalha Paul Harris da Fundação Rotária do Rotary International. No mesmo ano foi agraciado com a Medalha Internacional dos Veteranos das Nações Unidas e dos Estados Americanos. Nesse mesmo ano recebeu a Cruz Acadêmica da Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo “por ações meritórias e enaltecedoras ao desenvolvimento da Nação”. Em 30 de janeiro de 2007, recebeu Moção de Votos de Júbilo e Congratulações da Câmara Municipal de São Paulo (RDS 3059/2006). Em 27 de março de 2007, recebeu Voto de Louvor e Congratulações da Assembléia Legislativa do Estado do Paraná “por seus relevantes serviços prestados”. Em dezembro de 2007 recebeu a Medalha Marechal Falconière.

Comendador DeRose recebendo a Medalha Internacional dos Veteranos das Nações Unidas e dos Estados Americanos, em 2007, das mãos do Coronel Lemos.

Comendador DeRose no Museu da Marinha do Brasil, recebendo a Láurea D. João VI em comemoração pelos 200 anos da Abertura dos Portos, em 2008.

Em 2008, recebeu a Láurea D. João VI em comemoração pelos 200 anos da Abertura dos Portos. No dia do seu aniversário, 18 de fevereiro, recebeu da Câmara Municipal o título de Cidadão Paulistano. Em março, foi agraciado pelo Governador do Estado de São Paulo com o Diploma Omnium Horarum Homo, da Defesa Civil. Neste ano, recebeu também a Cruz da Paz dos Veteranos da Segunda Guerra Mundial, a Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira, a Medalha MMDC pelo Comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo, a Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência do Exército Brasileiro e a Medalha da Justiça Militar da União.

Em novembro de 2008, foi nomeado Grão-Mestre da Ordem do Mérito das Índias Orientais, de Portugal.

Em virtude das suas atuações nas causas sociais e humanitárias, no dia 2 de dezembro, recebeu uma medalha da Associação Paulista de Imprensa. No dia 4 de dezembro, foi agraciado com a medalha Sentinelas da Paz, pelos Boinas Azuis da ONU de Joinville, Santa Catarina. No dia 5 de dezembro, recebeu, na Câmara Municipal de São Paulo a Cruz do Reconhecimento Social e Cultural. No dia 9 de dezembro, recebeu no Palácio do Governo a medalha da Casa Militar, pela Defesa Civil, em virtude da participação nas várias Campanhas do Agasalho do Estado de São Paulo e na mobilização para auxiliar os desabrigados da tragédia de Santa Catarina. No dia 22 de dezembro, recebeu mais um diploma de reconhecimento da Defesa Civil no Palácio do Governo.

Em janeiro de 2009, recebeu o diploma de Amigo da Base de Administração e Apoio do Ibirapuera, do Exército Brasileiro.

Na Câmara Municipal de São Paulo, DeRose recebeu o título de Cidadão Paulistano no dia do seu aniversário, 18 de fevereiro de 2008. Na foto, da esquerda para a direita, o Comendador DeRose; o Presidente do Rotary São Paulo Morumbi, Dr. Gianpaolo Fabiano; o Deputado Dr. Dennys Serrano; o Vereador José Rolim; o Presidente da Associação Brasileira dos Expedicionários das Forças Internacionais de Paz da ONU, Dr. Walter Mello de Vargas; e o Coronel Alvaro Magalhães Porto, Oficial do Estado Maior do Comando Militar do Sudeste.

O Mestre recebendo a medalha comemorativa pelos 25 anos de DeRose em Portugal. Da esquerda para a Direita, o escultor Zulmiro de Carvalho, os professores Luís Lopes, DeRose, António Pereira e o Vereador da Câmara Municipal de Gondomar, Fernando Paulo.

Comendador DeRose na solenidade de recebimento da Medalha MMDC, da PM de São Paulo, em 2008.

Atualmente, DeRose comemora 25 livros escritos, publicados em vários países e mais de um milhão de exemplares vendidos. Por sua postura avessa ao mercantilismo, conseguiu o que nenhum autor obtivera antes do seu editor: a autorização para permitir free download de vários dos seus livros pela internet em português, espanhol, alemão e italiano, bem como MP3, sem ônus, dos CDs de prática e disponibilizou dezenas de webclasses gratuitamente no site www.MetodoDeRose.org, site esse que não vende nada.

Recebendo a Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência, do Exército, em 2008.

Todas essas coisas foram precedentes históricos. Isso fez de DeRose o mais citado e, sem dúvida, o mais importante escritor do Brasil na área de autoconhecimento, pela energia incansável com que tem divulgado a filosofia Hindu nos últimos quase 50 anos em livros, jornais, revistas, rádio, televisão, conferências, cursos, viagens e formação de novos instrutores. Formou mais de 6000 bons instrutores e ajudou a fundar milhares de espaços de cultura, associações profissionais, Federações, Confederações e Sindicatos. Hoje tem sua obra expandida por: Argentina, Chile, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Escócia, Itália, Indonésia, Estados Unidos (incluindo o Havaí) etc.

Comendador DeRose, após receber a Medalha da Justiça Militar da União, em 2008.

DeRose é apoiado por um expressivo número de instituições culturais, acadêmicas, humanitárias, militares e governamentais que reconhecem o valor da sua obra e o tornaram o Mestre de filosofia hindu  mais condecorado no mundo com medalhas, títulos e comendas. Contudo, ele sempre declara:

“As honrarias com que sou agraciado de tempos em tempos pelo Exército Brasileiro, pela Assembléia Legislativa, pelo Governo do Estado, pela Câmara Municipal, pela Polícia Militar, pela Defesa Civil, pela Associação Paulista de Imprensa, pelo Rotary, pela Câmara Brasileira de Cultura, pela Ordem dos Parlamentares do Brasil e por outras entidades culturais e humanitárias tratam-se de manifestações do respeito que a sociedade presta ao trabalho de todos os profissionais desta área. Assim, sendo, quero dividir com você o mérito deste reconhecimento.”

[Histórico redigido pela Comissão Editorial]

Comendador DeRose com o Prior Knight Grand Cross of Justice Dr. Benedicto Cortez, da The Military and Hospitaller Order of Saint Lazarus of Jerusalem, ambos com a Medalha da Justiça Militar da União

Comendador DeRose, portando o Colar José Bonifácio e outras comendas, com Fernanda Neis, no evento de congraçamento e premiação aos melhores profissionais do ano de 2008, realizado no Kolpinghause.

Comendador DeRose presidindo a Mesa de Honra no evento de congraçamento e premiação aos melhores profissionais do ano de 2008, realizado no Kolpinghause.

Comendador DeRose recebendo o Diploma de Conselheiro da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História

Comendador DeRose discursando no Palácio do Governo, após receber a Medalha da Casa Militar, do Gabinete do Governador do Estado de São Paulo.

O Governador José Serra, do Estado de São Paulo, cumprimentando o Comendador DeRose após agraciá-lo com o Diploma Omnium Horarum Homo pelo “seu comprometimento com a causa humanitária” .

Comendador DeRose (ao alto, à esquerda) na Tribuna de Honra da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

O traje formal hindu

De vez em quando, alguém pergunta que roupa é aquela que o Comendador utiliza em solenidades. Aquele terno é o traje formal hindu. Sua denominação internacional é Nehru suit, em referência ao primeiro Primeiro-Ministro da Índia (1947) que o tornou conhecido por comparecer a reuniões com chefes de estado e a solenidades com a sua indumentária tradicional. Na verdade, vestimentas tradicionais são aceitas em muitos lugares do mundo para substituir o smoking (tuxedo), como, por exemplo, o Rio Grande do Sul. Lá, em recepções que exijam black-tie, se o gaúcho comparecer pilchado, isto é, de calça bombacha, botas e demais acompanhamentos, essa vestimenta é aceita como de gala. Outro nome para o Nehru suit, em hindi, é bandgalá.

A divulgação destas homenagens e condecorações
não tem justificativa na vaidade pessoal.

É muito bom que ocorram essas solenidades de outorga, pois a opinião pública, nossos instrutores, nossos alunos e seus familiares percebem que há instituições fortes e com muita credibilidade que nos apoiam e reconhecem o valor do trabalho que realizamos pela juventude, pela nação e pela humanidade.

Algumas comendas, honrarias e condecorações
com que o Comendador D
eRose foi agraciado
por instituições culturais, humanitárias, militares e governamentais


“Aceito essas homenagens porque elas não são para engrandecer o ego de uma pessoa, mas servem como reconhecimento a esta Cultura pela sociedade e pelas instituições. É a nossa filosofia que está sendo condecorada.” DeRose

1. Medalha Tiradentes, da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

2. Medalha Internacional dos Veteranos das Nações Unidas e dos Estados Americanos.

3. Medalha da Paz, pela ONU Brasil.

4. Medalha Marechal Falconière, do Exército Brasileiro.

5. Comenda da Sociedade Brasileira de Educação e Integração.

6. Comenda do Mérito Profissional, da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.

7. Cruz Acadêmica, da Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo.

8. Medalha Paul Harris, da Fundação Rotária Internacional.

9. Cruz do Mérito Filosófico e Cultural, da Sociedade Brasileira de Filosofia, Literatura e Ensino.

10. Cruz de Cavaleiro, da Ordem dos Nobres Cavaleiros de São Paulo.

11. Medalha do Mérito Histórico e Cultural, da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.

12. Cruz do Reconhecimento Social e Cultural, da Câmara Brasileira de Cultura.

13. Colar José Bonifácio, da Sociedade Brasileira de Heráldica e Medalhística.

14. Comenda da Câmara Brasileira de Cultura.

15. Medalha de Reconhecimento, da Câmara Brasileira de Cultura.

16. Medalha do 2º. Centenário do Nascimento de José Bonifácio de Andrade.

17. Medalha Ulysses Guimarães, da Ordem dos Parlamentares do Brasil.

18. Medalha da Unicef da União Européia.

19. Medalha Comemorativa dos 25 Anos do Mestre DeRose em Portugal.

20. Esplendor do Mérito Histórico e Cultural.


21. Medalha comemorativa dos 200 anos da Justiça Militar da União.

22. Láurea D. João VI em comemoração pelos 200 anos da Abertura dos Portos.

23. Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência, do Exército.

24. Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência, do Exército.

25. Cruz da Paz dos Veteranos da Segunda Guerra Mundial.

26. Medalha do Rotaract

27. Medalha Olavo Bilac.

28. Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira.

29. Medalha MMDC, comemorativa da Revolução Constitucionalista de 1932.

30. Medalha Ulysses Guimarães, da Ordem dos Parlamentares do Brasil (segunda).

31. Faltam algumas medalhas que ainda não foram fotografadas, como, por exemplo, a
Medalha da Casa Militar, do Gabinete do Governador do Estado de São Paulo.

Esta foi uma homenagem nossa ao aniversário do nosso professor e amigo DeRose.


António Pereira
http://www.espaco-lifestyle.org | antoniopereira@espaco-lifestyle.org | 213.63.55.84

Olá Daniel,

Queria acrescentar que, em 2010, o Mestre também comemorará 30 anos de ensino em Portugal.
Um grande abraço,
António Pereira

quarta-feira, 7 de outubro de 2009 | Autor:

Todos quantos trabalham com Yôga receberam mais um importante reconhecimento no dia sete, quando representando essa filosofia ancestral, recebi a outorga do Colar Marechal Deodoro da Fonseca. Trata-se de uma condecoração oficial, governamental, comemorativa aos 120 anos de Proclamação da República e Instituição da Bandeira Nacional.

Como todos os instrutores desta filosofia, eu não gosto de solenidades. Preferia ficar em casa, escrevendo, ou com meus amigos, conversando descontraidamente. Mas sou obrigado a admitir que essas homenagens constituem demonstrações históricas de reconhecimento a um professor ou escritor de Yôga com uma regularidade tal como nunca antes ocorreram no nosso país (e creio que em país algum na História Universal!). Daí a necessidade de valorizarmos cada medalha, láurea, comenda, condecoração ou homenagem de que sejamos alvo.

Por isso, recomendamos que nossos colegas procurem comparecer e testemunhar o carinho e o respeito que as instituições e as autoridades demonstram pelo nosso trabalho. O Yôga precisa desse tipo de reconhecimento. Os instrutores de Yôga precisam dele ainda mais para ofertar como documento aos seus alunos, à sua família, à opinião pública e à Imprensa da sua cidade.

RafaRamos

Foi tão bonito Mestrão.
É muito bom ver o respeito e o carinho que eles têm por você, tudo isso é mais do que merecido =).

Beijão,
Rafa Ramos

Priscila Ramos – Alphaville, SP

Foi a condecoração mais importante da noite! Parabéns!
Veja se dá para visualizar a foto…

0001.jpg

Beijos mil
Pri

Leia mais »

domingo, 4 de outubro de 2009 | Autor:

 

Ontem à noite, você recebeu o Colar D. João VI, do Poder Judiciário, Justiça Militar. Você e todos os praticantes, instrutores e simpatizantes de todas as linhas de Yôga foram agraciados com esse reconhecimento, quando as Autoridades Judiciárias, Desembargadores, Ministros, Generais do Exército Brasileiro, Brigadeiros da Aeronáutica e Comandantes da Polícia Militar presenciaram a outorga da mais elevada Comenda da noite ser conferida a um representante desta cultura. No ato, fomos todos nós reconhecidos, homenageados e condecorados em uma cerimônia do mais elevado cunho protocolar. Recebemos abraços e congratulações de Meritíssimos Juízes, Procuradores, Comendadores e de Autoridades Civis e Militares das mais elevadas patentes, a maior parte das quais já nos conhecia de outras solenidades de outorga.

Apesar da relevância deste evento, que muito nos honrou a todos nós que batalhamos pelo reconhecimento do nosso trabalho, há outras cerimônias de elevada estatura que se realizarão nos próximos dias e que serão relatadas assim que ocorrerem.

Parabéns a você e a todos os que labutam por esta filosofia de vida.

Leia mais »

quinta-feira, 10 de setembro de 2009 | Autor:

Nós todos recebemos hoje, dia 10 de novembro, um importante reconhecimento a toda a nossa classe profissional e especialmente aos instrutores do nosso Método. Tive a honra e o privilégio de receber a Medalha Marechal Trompowsky, conferida a membros do magistério.

Foi uma cerimônia emocionante, com todas as formalidades militares que sempre mexem com algo no nosso âmago. O Hino Nacional, a continência à Bandeira, a banda marcial, o desfile da tropa, a disciplina exemplar, os discursos inflamados e inflamantes, a comenda posta ao peito e o cumprimento pelo Comandante, a tudo isso se soma o reencontro de bons amigos Coronéis, Generais, Deputados, Desembargadores, Comendadores, Priores, Grão-Mestres e Presidentes de entidades importantes. Homens e mulheres a quem temos a satisfação de reencontrar solenidade após solenidade ao longo dos anos, pois a maior parte deles, vez por outra, também está a receber alguma condecoração. Poder privar com esses cavalheiros e com essa damas iça-nos a dimensões de nobreza e dignidade que constituem o combustível que nos alimenta para o prosseguimento de obras relevantes pela juventude e pela Humanidade. E cada medalha parece ter sido gravada a ferro e fogo no peito de quem a recebe, não com dor, mas pela perenidade. Não com sofrimento, mas pela importância com que a recebem nossos alunos e colaboradores.

Obrigado àqueles que foram os autores da homenagem. Obrigado àqueles que pararam tudo o que estavam fazendo e me acompanharam para assistir a solenidade, fotografá-la e divulgá-la em seus meios eletrônicos para que todos saibam o quanto vale o nosso trabalho, o quanto vale o trabalho destes milhares de jovens que ensinam a Nossa Cultura. 

Renovo o lembrete de que:

“Como todos os instrutores desta filosofia, eu não gosto de solenidades. Preferia ficar em casa, escrevendo, ou com meus amigos, conversando descontraidamente. Mas sou obrigado a admitir que essas homenagens constituem demonstrações históricas de reconhecimento a um professor ou escritor de Yôga com uma regularidade tal como nunca antes ocorreram no nosso país (e creio que em país algum na História Universal!). Daí a necessidade de valorizarmos cada medalha, láurea, comenda, condecoração ou homenagem de que sejamos alvo.”

“Por isso, recomendamos que nossos colegas procurem comparecer e testemunhar o carinho e o respeito que as instituições e as autoridades demonstram pelo nosso trabalho. O Yôga precisa desse tipo de reconhecimento. Os instrutores de Yôga precisam dele ainda mais para ofertar como documento aos seus alunos, à sua família, à opinião pública e à Imprensa da sua cidade.”

 Comentários de quem assistiu à outorga do último dia 7 de novembro:

  RafaRamos   

Foi tão bonito Mestrão.
É muito bom ver o respeito e o carinho que eles têm por você, tudo isso é mais do que merecido =).

Beijão,
Rafa Ramos

 

  Priscila Ramos – Alphaville, SP

Obrigada por nos querer tão perto, sempre.
Toda vez que eu o acompanho em algum evento me sinto absolutamente privilegiada por poder usufruir dessa convivência e por poder presenciar as condecorações e reconhecimentos que você recebe, cada vez mais.
Beijos, carinho…!
Pri

Leia mais »

quarta-feira, 6 de maio de 2009 | Autor:

Orgulhe-se do seu distintivo

Portar ao peito o distintivo da nossa instituição com a cor do seu grau ou cargo é motivo de orgulho e constitui um mérito conquistado que temos a satisfação de exibir sempre, dentro e fora das nossas escolas ou dos nossos eventos.

Somente a nossa entidade conta com essa insígnia que sinaliza qual é a modalidade de Yôga e em que nível de adiantamento encontra-se o praticante ou o instrutor.

Seu pin é o diferencial que, em qualquer ambiente da sua vida social, cultural, acadêmica, profissional, familiar, política, esportiva ou empresarial define que você é DeRose, que você professa um life style, uma proposta de vida mais refinada, culta e sofisticada. Seu pin é um indicativo à sociedade de que você é uma pessoa polida, séria, honesta e descomplicada, de bons hábitos, que não fuma, não toma bebidas alcoólicas, não come carnes e não usa drogas.

Orgulhe-se do seu distintivo! Porte-o com qualquer roupa, até as mais formais. Porte-o orgulhosamente em solenidades, passeios, praia, viagens, cursos técnicos, faculdade, escritório etc. Use-o com terno, com vestido de noite, com traje esportivo, com training, com camiseta, com maiô, com qualquer roupa, em todos os lugares.

Ana Gabriela de Souza
O pin é tão lindo que nem merece mais esse nome tão simples, “PIN”. Acho que poderia se chamar insígnia, pois é quase uma condecoração de nossa instituição aos que passam de grau! beijos…

DeRose
Gostei da sugestão, Gabi. Vou começar a me referir ao pin como insígnia. Obrigado pela boa idéia. bjokas.

 

Insígnia: “sinal distintivo que é atributo de poder, de dignidade, de posto, de comando, de função, de classe, de corporação, de confraria etc.; símbolo, emblema, divisa”. Na pesquisa etimológica, insígnia remete a insígne, “que é notável por suas obras ou feitos; destacado, famoso, ilustre”.

 

 willmoritz

Mestre,

Verifiquei as traduções de “insígnia” para os nossos outros idiomas, e ainda hão de ser muitos mais em nosso futuro plurilíngue.

Español: Insignia
Français: Insigne
English: Badge
Deutsch: Abzeichen
Italiano: Distintivo (Existe “Insegna”, mas se usa para placas de estabelecimentos)

Sânscrito: liGga* 

*Capeller’s Sanskrit-English Dictionary: n. mark, sign, emblem, badge, characteristic, attribute; proof, means of proof, evidence (j.); organ of generation, esp. the male organ of Shiva (r.); idol i.g.; gender (g.), the subtile frame or body (ph.).

Grego moderno (Ελληνικά):

Σήμα (sima) / διακριτικό σήμα (diacritikó sima)

Quanta força, poder e energia em todas estas formas, não?!!

 

Pois é. Mas Will, volte lá no dicionário de sânscrito, pois há uma letra que não está correta. DeRose.

Leia mais »

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009 | Autor:

Não só o nosso hino foi feito em Portugal (pelo Zé Paulo), como também a nossa bandeira. Também foi lá que tivemos a nossa primeira e única medalha comemorativa. E também foi em Portugal que se elaborou a estola acadêmica, chiquérrima, para usar sobre o traje de noite em solenidades de gala. Parabéns, portanto, à nossa Terra-Mãe e ao Luís Lopes que, tirando o hino, foi quem realizou todas as outras iniciativas citadas.

Vamos pedir ao querido Luís Lopes que coloque aqui no post a nossa bandeira, a fim de que todos a conheçamos. O Miguel de Castro, da Uni-Yôga, fez a melhor aplicação de cores no nosso brasão. Luís aplicou essa versão do brasão da Uni-Yôga em cores, do Miguel, no ponto de honra da bandeira. Ficou lindíssimo. Nós merecemos ver o resultado do trabalho desses dois artistas.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose