segunda-feira, 2 de abril de 2012 | Autor:

O que é a kundaliní

Kundaliní é uma energia física, de natureza neurológica e manifestação sexual. O termo é feminino, deve ser sempre acentuado e pronunciado com o í final longo. Os leigos aplicam o termo no masculino e pronunciam “o kundalíni”, mas está errado. Repetimos: o termo é feminino, deve ser pronunciado com a tônica na primeira sílaba e a longa na última.

Pronuncie em voz alta para fixar a correção: kundaliní[1]. Significa serpentina, aquela que tem a forma de uma serpente. De fato, sua aparência é a de uma energia ígnea, enroscada três vezes e meia dentro do múládhára chakra, o centro de força situado próximo à base da coluna e aos órgãos genitais. Enquanto está adormecida, é como se fosse uma chama congelada. É tão poderosa que o Hinduísmo a considera uma deusa, a Mãe Divina, a Shaktí Universal. Todo o sistema do Yôga, de qualquer ramo, apoia-se no conceito da kundaliní.

De fato, tudo depende dela conforme o seu grau de atividade – a tendência do homem à verticalidade, a saúde do corpo, os poderes paranormais, a iluminação interior que o arrebata da sua condição de mamífero humano e o catapulta em uma só vida à meta da evolução sem esperar pelo fatalismo de outras eventuais existências. Leia mais »

sábado, 31 de março de 2012 | Autor:

 A codificação das regras gerais de execução

Uma das mais notáveis contribuições históricas da nossa sistematização foi o advento das regras gerais, as quais não são encontradas em nenhum outro tipo de Yôga… a menos que venham a ser incorporadas a partir de agora, por influência do SwáSthya Yôga. Já temos testemunhado exemplos dessa tendência em aulas e textos de vários tipos de Yôga em diferentes países, após o contacto com o SwáSthya.

É fácil constatar que as regras e demais características do nosso mé­todo não eram conhecidas nem utilizadas anteriormente: basta consul­tar os livros das várias modalidades de Yôga publicados antes da codi­ficação do SwáSthya. Em nenhum deles, vai ser encontrada referência alguma às regras gerais de execução.

Leia mais »

segunda-feira, 4 de abril de 2011 | Autor:

Author: Gustavo Cardoso

When you are in the practice room facing your DeRose Method instructor you probably do not realize the amount of time and effort they have invested to arrive where they are now.

They all started exactly like you, sitting in the practice room, enjoying what they were doing. In my case, when I was a student I could not think of anything but the next class with my instructor Prof. Leticia Ziebell, today living in Portugal.

When I decided to become an instructor the training was less formal than it is today. More akin to that of the Indian monasteries, where all the knowledge comes from the Master and it is up to the disciple to accept it or not. In the Indian vision of the discipleship, if the disciple does not agree with what is being taught he is entitled to leave, but never to question, ask why, or refuse to do what the Master has prescribed.

Today, in order for a candidate to start their training they must pass an examination in front of a jury of three members. If they are approved at this stage, they will carry on to take a test on general knowledge.

Having passed this, the first stage of the training involves extensive reading covering subjects such as philosophy, asana, pránáyáma, history and the genealogy of the million year old philosophy that constitutes the Method. In this stage the instructor must write essays about various subjects as well as produce a final thesis on a topic of their choice that is, of course, related to our philosophy and coherent with its roots. This is just the theoretical side!

At the same time the instructor must be working on the physical and practical aspects of the training. They must create their own three to five minute choreography, respecting a series of technical facets such as didactic angles and the execution of the exercises among many others. The instructor must memorise the name of over 2000 ásanas, 108 mudrás, 54 breathing exercises, among other techniques, as well as knowing how to execute them all in perfection. Their knowledge of the ásanas for example, is tested through an ásanas draw. The instructor must be able to execute to perfection any of the randomly chosen ásanas.

In order to become an instructor, the candidate must finally assemble a complete class within exactly twenty minutes filled with theory, eight parts, a choreographic sequence, and the many details it implies, failing to present within this time limit has severe penalty.

Both the theoretical and practical aspects however are worthless if the candidate does not show that they value and respect the tradition in which the Method is rooted and its vast family, the egregora of the method.

Such respect is evaluated through the candidates attitudes toward their instructors in various scenarios where they are required to surpass themselves. It is under difficult or even extreme situations that one’s true value is exposed. For this reason, sometimes the teacher must play a role generating stress. A very common phrase we know is, “only when we hit strongly a bell can we see the quality of its metal”.

Finally, the candidate is examined at one of the Federations of the DeRose Method, by a jury of three more experienced instructors who will evaluate everything the candidate has learned as well as their attitude.

Our goal is to train the instructor sitting in front of you to have deep philosophical, practical and theoretical knowledge as very few do, after completing an intensive one year training followed by four years under the tutorship of a more experienced DeRose Method instructor.

In a world that every day brings things forward in an increasingly quicker way, I would not hesitate to state that the instructors trained by this school are oceans away from this tradition. This is why when I sign the authorisation form for any instructors trained by me, I am sure that they will be approved by the examination jury. Their readiness becomes apparent and can be clearly felt during their classes, in a philosophical discussion or even in their behaviour, ethically beyond reproach, since any fault will result in a notice and any repeated fault in irrevocable expulsion.

For these reasons we are proud of what we do and we do not have reservations when station the following: When you are in the practice room or in the changing room, at the DeRose Method school, you are with the finest professionals you could have before you.

All the best. Join me next week
Text originally published at DeRose Method London

sábado, 11 de setembro de 2010 | Autor:

Certo dia, depois de um longo jejum, pus-me a praticar horas de japa com bíjá mantras, pránáyámas ritmados e longos kúmbhakas, reforçados com bandhas, kriyás, ásanas e pújás. Após três horas desse sádhana, pratiquei maithuna por mais três horas. Depois, outras duas horas de viparíta ashtánga sádhana, com padma sírshásana de uma hora. Então senti um daqueles ápices de arrebatamento energético, síndrome de excesso.

Ao final de tantas horas com práticas tão fortes, acumulativamente com o que já vinha desenvolvendo durante anos, ocorreu o inevitável. Senti que algo estava acontecendo no períneo, como se um motor tivesse começado a funcionar lá dentro. Uma vibração muito forte tomou conta da região coccígea, com um ruído surdo que se irradiava pelos nervos até o ouvido interno, onde produzia interessantes efeitos sonoros, cuja procedência eu podia facilmente atribuir a este ou àquele plexo.

Em seguida, um calor intenso começou a se movimentar em ondulações ascendentes. Conforme os mudrás, bandhas, mantras e pránáyámas, eu podia manobrar a temperatura e o ritmo das ondulações, fazendo ainda com que o fenômeno se detivesse mais tempo em um chakra ou passasse logo ao seguinte. A cada padma, o som interno cambiava, tornando-se mais complexo à medida que subia na linha da coluna vertebral.

De repente, perdi o controle do fenômeno, como se ele fosse um orgasmo que você consegue dominar até determinado ponto, mas depois explode. E foi mesmo uma explosão de luz, felicidade e sabedoria. Tudo à minha volta era luz. Não envolvido em luz: simplesmente era luz. Uma luz de indescritível brilho e beleza, intensíssima, mas que não ofuscava. A sensação de felicidade extrapolava quaisquer parâmetros. Era uma satisfação absoluta, infindável. Um jorro de amor incondicionado brotou do fundo do meu ser, como se fosse um vulcão. E a sabedoria que me invadiu durante tal experiência, era cósmica, ilimitada. Num décimo de segundo compreendi tudo, instantaneamente. Compreendi a razão de ser de todas as coisas, a origem e o fim.

Faço questão de frisar: foram vivências como essa que aniquilaram com o meu misticismo assimilado na juventude, perpetrado por leituras equivocadas. Aqueles que declaram ter-se tornado místicos por causa, justamente, de experiências semelhantes, na verdade tiveram apenas vislumbres tão superficiais que acabaram gerando mistérios ao invés de dissolvê-los. É como a parábola do homem que encontrou a verdade[1].

No meu caso, dali resultaram os conceitos que me permitiram intensificar a sistematização do método. Naquele momento, tudo ficou claro. Todo o sistema começou a se ajustar sozinho, bastando para isso que fosse observado do alto e visto todo de uma só vez, como através de uma lente grande-angular. Era como observar de cima um labirinto. Bastava subir para uma dimensão diferente daquela, na qual, nossas pobres mentes jazem agrilhoadas cá em baixo. Tudo era tão simples e tão lógico!

Vontade de sair daquela experiência, não tive nenhuma. Porém, depois de um enorme período, parecendo-me muitas horas de regozijo e aprendizado, senti que havia se esgotado o tempo e era preciso retornar ao estado de consciência de relação, no qual poderia conviver com os demais, trabalhar, alimentar meu corpo. Bastou cogitar em volver e imediatamente troquei de estado de consciência. Foi algo muito interessante, sentir-me perder a dimensão do infinito e cair, com a velocidade da luz, de todas as direções às quais havia me expandido! Passara a contrair minha consciência para um pequeno centro, infinitesimal, blindado por uma mente e por um corpo, numa localização determinada dentro daquele Universo que era todo meu e que era todo eu, apenas um instante atrás. Era o Púrusha cósmico, contraindo-se para tornar-se Púrusha individual.

Voltar à dimensão hominal não foi desagradável. A sensação de plenitude e felicidade extasiante permanecia. O curioso foi que tinham-se passado não as tantas horas que supunha, mas tempo algum! O relógio de parede à minha frente marcava a mesma hora. Portanto, para um observador externo, tudo ocorrera num lapso equivalente a um piscar de olhos e não teria chamado a atenção de ninguém.

A partir desse dia, foi como se eu tivesse descoberto o caminho da mina: não precisava mais dos mapas. Podia entrar e sair daquele estado sempre que quisesse, com facilidade.


[1] Um dia, um filósofo estava conversando com o Diabo quando passou um sábio com um saco cheio de verdades. Distraído, como os sábios em geral o são, não percebeu que caíra uma verdade. Um homem comum vinha passando e vendo aquela verdade ali caída, aproximou-se cautelosamente, examinou-a como quem teme ser mordido por ela e, após convencer-se de que não havia perigo, tomou-a em suas mãos, fitou-a longamente, extasiado e, então, saiu correndo e gritando: “Encontrei a verdade! Encontrei a verdade!” Diante disso, o filósofo virou-se para o Diabo e disse: “Agora você se deu mal. Aquele homem achou a verdade e todos vão saber que você não existe…” Mas, seguro de si, o Diabo retrucou: “Muito pelo contrário. Ele encontrou um pedaço da verdade. Com ela, vai fundar mais uma religião e eu vou ficar mais forte!”

quinta-feira, 10 de setembro de 2009 | Autor:

Quinta-feira às cinco da manhã acordamos e nos preparamos para sair às cinco e meia a fim de levar a petizada ao Aeroporto de Cumbica para embarcar a New York City. Eu havia dormido menos de duas horas. Voltando para casa, surpreendido por um engarrafamento monstro, só não dormi ao volante graças a muito pránáyáma. Chegando à Jaú, dormi uma hora e meia e saí para o meu próprio voo ao Rio. Cheguei ao Aeroporto de Congonhas às 14 horas para embarcar às 15 no voo 3946. Fiz o check-in normalmente, mas o número do meu voo não aparecia no painel. Fui à TAM me informar e disseram que meu voo fora cancelado e que, se houvesse lugar, me acomodariam no próximo voo. “O cavalheiro pode aguardar sentado na sala de embarque.” Só que o cavalheiro aqui tem muita experiência com aeroportos e com a incompetência humana. Ao invés de sentar-me, fiquei em pé junto à porta de embarque. Foi muito bom, pois alguns minutos depois, sem chamar os que estavam sentadinhos na sala de embarque, um dos funcionários TAM avisou sem microfone (portanto, só foi escutado pelos que estavam junto à porta de embarque), que haveria alguns poucos lugares – e quem estava ali, embarcou. Embarquei. Por sorte, eu estava bem cansado. Sentei-me e adormeci. Sorte, porque a aeronave não decolou. Ficou uma hora e meia parada com todo o mundo dentro. Então, ouve-se o aviso funesto: “Senhores passageiros, queiram desembarcar. O Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, está fechado e o Aeroporto do Galeão está congestionado.”

Desembarcamos e recebemos um cartão de reembarque. A partir daí foi um caos. Nenhuma informação precisa era transmitida. Na verdade, não havia meios de precisar quando a chuva iria parar e quando o Aeroporto iria reabrir. Mas o Homo stupidus (descendente do Homo malignus) é pouco lúcido e muito agressivo. Talvez eu fosse o único ali que não estava estressado, que não gritou, que não insultou os pobres funcionários da companhia transportadora. Afinal, eles são só funcionários. Cumprem ordens. Não cabe a eles autorizar ou desautorizar decolagens. Mas a turba multa é vândala e irracional: duzentos cariocas querendo voltar para casa e não podendo, sob o fantasma de não poder retornar nem na quinta e muito menos na sexta-feira, véspera de feriado e com previsão de mais chuva, logo se converteram em duzentos “cereal” killers. Se vissem algum Corn Flakes pela frente naquela hora, sem dúvida o triturariam até que não restasse nada. Um dos passageiros justificava sua fúria assassina em altos brados: “Tô aqui só com o café da manhã e só tenho dois reais no bolso.” Bem, eu tinha mais reais, mas café da manhã, nem isso eu tinha. Nem dava para nos afastar, sequer para ir ao toalete, pois podiam chamar para embarque a qualquer momento. Já imaginou sair do banheiro e não encontrar mais ninguém? “Cadê todo o mundo?” E escutar: “Já embarcaram enquanto o senhor estava lá dentro.” Então, ninguém ia.

De fato, em dado momento avisaram (sem microfone, como de praxe) que “devido ao reposicionamento da aeronave” o embarque seria pela porta número zero dois (sic). E toca a manada a desembestar para essa outra porta.

Transcorreram-se ao todo sete horas de espera, cinco das quais em pé. Finalmente, às 21 horas embarcamos para o Rio, onde chegamos às 22. Fernanda chegou a New York antes que eu chegasse ao Rio de Janeiro! 

Eu tinha agendada uma conversa com os alunos da Unidade Downtown para as 21 h. Paciência. Remarcamos para segunda-feira às 19 horas.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose