terça-feira, 28 de dezembro de 2010 | Autor:

Há algum tempo conversava com um amigo sobre a relação do consumo de carnes e o meio ambiente. Ele por sua vez, comentou comigo sobre um artigo que estava escrevendo para conclusão do curso de Pós Graduação em Ecodesign, pela Universidade Positivo de Curitiba. Achei interessante e resolvi compartilhar um trecho que inevitavelmente aos mais sensíveis e conscientes, dói o coração.

Impacto Ambiental do Consumo Animal
Por: Alexandre Tomasoni
kisarum8@gmail.com

(…) O Impacto na vida animal

Todos os anos bilhões de animais são confinados, torturados e mortos para que alguém possa sentar-se à mesa e saborear um pedaço de carne. Este massacre poderia ser perfeitamente evitado apenas com uma mudança no hábito alimentar para uma dieta mais saudável a base de vegetais.
Segundo o Ministério Norte-Americano da Agricultura (2009), só os Estados Unidos abatem mais de oito bilhões de animais por ano, para alimentação. Sendo assim, mais de 22 milhões são sacrificados nos abatedouros americanos por dia, isto é: mais de 950 mil por hora; 16 mil por minuto. Apesar dos progressos dos últimos anos, os animais continuam a ser mantidos em condições de criação precária, mutilados de diversas maneiras, sem anestésicos, transportados por longas distâncias em compartimentos exíguos e insalubres, para serem finalmente executados aos gritos, das formas mais cruéis possíveis.
Os animais criados para consumo, são privados de todos os seus instintos naturais, confinados por toda a vida, desde o nascimento até a morte. A grande maioria desses animais, jamais veem a luz do sol ou pisam em terra, nem tampouco podem mover-se livremente e interagir com seus parceiros e crias.
Segundo Sônia Felipe, (2008), professora de ética e filosofia política da Universidade Federal de Santa Catarina, aves criadas para o abate não tem possibilidade de selecionar os alimentos que desejam consumir, vendo, cheirando. Elas são criadas em gaiolas coletivas, por isso não ciscam. O stress gerado resulta num dos principais problemas que é o canibalismo. Para evitar isso se faz a desbicagem, que nada mais é do que a degeneração do comportamento da galinha (…).
De outro lado, a reprodução artificial faz com que as vacas leiteiras produzam leite ininterruptamente, enquanto seus filhotes são alimentados em tigelas para não engordar e não desenvolver músculos. este bezerro desmamado, ainda é trancado e amarrado num pequeno espaço para que não se mova, permanece no escuro durante seus quatro meses de vida, até ser abatido sem sequer ter visto a luz do sol, tudo isso para produzir a famosa carne nobre de vitelo.
Por sua vez, o sistema de produção da carne suína não é diferente, os porcos tem sus rabos arrancados, seus dentes removidos e assim como os bois, são castrados sem anestesia. Vivem em situações deploráveis até serem abatidos sem piedade, com muita dor e sofrimento. Em países como a China, cães e gatos são considerados animais de consumo, e da mesma forma que tratamos nossos bois, suínos e frangos, os chineses os criam e abatem com inimaginável crueldade.
Os animais são seres sensíveis e inteligentes, capazes de sentir dor, medo e afeto. O consumo da carne tornou-se a causa de maior impacto na vida desses animais, porém existem diversas outras formas de ultrapassar a barreira ética e expor esses seres aos mais diversos tipos de tortura, dor e sofrimento.
A indústria de peles é uma das mais cruéis do mundo, sendo a China fonte mundial da maioria dos produtos de pele, conforme Relatório do Ministério Norte-Americano da Agricultura (2005). Como não poderia ser diferente da produção da carne a produção de artigos de pele utiliza-se de métodos chocantes de colocação de armadilhas, transporte, confinamento e matança. Depois de uma vida passada em condições deploráveis, os animais são eletrocutados, asfixiados, envenenados ou estrangulados, nem todos morrem imediatamente, alguns chegam a ser esfolados ainda vivos. Mais de 40 milhões de animais são mortos a cada ano da forma mais hedionda e covarde possível para o uso de suas peles.
(…) O impacto ao animal ainda se estende aos circos que torturam e mantém em condições precárias seus animais, as touradas, rodeios, aos parques aquáticos de golfinhos e baleias, as barbatanas de tubarão que fornecem substância afrodisíaca, enfim, são inúmeras as atrocidades cometidas pelo homem perante os animais e que conduzem o planeta a uma situação dramática de perda de diversidade, extinção animal e aquecimento global. (…)

É uma pena termos que compartilhar toda esta realidade, mas tapar o sol com a peneira não dá mais!

Um beijo carinhoso!

Lu

Unidade Centro Cívico – Curitiba – PR
http://www.derosecentrocivico.org

segunda-feira, 9 de agosto de 2010 | Autor:

Vários colegas me enviaram este vídeo. É sinal de que muita gente gostou dele. Então resolvi publicá-lo a partir do comentário do Pedro Henrique.

Pedro

Oi Mestre,

Um aluno encontrou esse video e achei que seria interessante dividir com todos aqui no seu blog, devido à seriedade e firmeza ao mostrar que milhares de seres humanos, diariamente se envenenam voluntariamente.

Beijos de saudade do PH


Leia mais »

segunda-feira, 9 de agosto de 2010 | Autor:

omluislopes@gmail.com

Querido Mestre!

Suas palavras e seu percurso de vida, são expressões do que há de mais profundo na existência do ser humano. Minha gratidão é sem fim… A minha amizade e o privilégio de juntos caminharmos lutando por um mundo melhor… São eternos.

Beijo na alma com sentir,
Luís Lopes

PS – Envio-lhe o link do filme português Contraluz, que aborda a importância da vida. Bem no inicio do traile o actor português António Feio, que tem uma doença terminal, passa a bela mensagem de que apreciemos a vida, não deixemos nada por dizer e nada por fazer…

http://filmecontraluz.com/CONTRALUZ/trailer1.html
Leia mais »

sexta-feira, 2 de julho de 2010 | Autor:

Ana Fior

Bom dia Mestre :)

Um parlamentar do PT (Edson Portilho), criou e conseguiu aprovar uma lei que permite que animais sejam torturados e sacrificados em rituais religiosos.

Deixo aqui o link do Projeto da Lei de proteção animal, do Dep. Ricardo Trípoli para recolher o máximo de assinaturas em defesa dos animais:http://www.leideprotecaoanimal.com.br/

Bjos,
Instra. Ana Fior – Alto da XV
Leia mais »

terça-feira, 15 de junho de 2010 | Autor:

Sou praticante do Centro Cívico.
Vamos ver se eu entendi…
Afirmo, ao indagado, que pratico o Método DeRose no lugar de Swásthya Yôga. Que faço coreografia do Método DeRose e não coreografia de Swásthya Yôga. Não digo a palavra mágica (Yôga) quando mencionar o Método DeRose.
Estou com uma dúvida: No dia 18 de fevereiro que é o dia do Yôga, tenho que evitar associar o termo Yôga com o Método no dia ou vai ser mudado para dia do Método DeRose? Ou então o que digo, uma vez que eu sempre faço a prática no parque aqui em Curitiba neste dia e sempre tem a imprensa entrevistando os praticantes?
Abraço. Alceu

Muito boa questão, Alceu. Muita gente deve estar com a mesma dúvida. Lá vai o esclarecimento:

Quando se tratar de Yôga (por exemplo, quando se comemora o Dia do Yôga) não se menciona Método DeRose. Continuaremos publicando livros de Yôga. Neles, a palavra Yôga, obviamente, aparece. Nesse caso, evitamos usar Método DeRose no texto dos livros. Esse tropeço ainda acontece, mas vamos limpando aos pouquinhos. Numa aula de Yôga dizemos essa palavra várias vezes porque aí estamos tratando da parte técnica do Método e o Yôga está embutido aí, na parte técnica. Assumimos com os nossos alunos que essa palavra pode ser usada sem restrições dentro das nossas escolas, pois quando um de nós verbaliza “Yôga” o outro entende e sabe a quê estamos nos referindo; mas da porta da escola para fora, não usaremos a palavra mágica com os nossos amigos, conhecidos, desconhecidos, colegas de trabalho ou familiares, porque eles entendem outra coisa completamente diferente por essa mesma palavra – e talvez seja isso que ainda está faltando: que os nossos instrutores deem esta explicação, desta forma, aos seus alunos.
Obrigado por nos ajudar. Um forte abraço para você.

DeRose.

quarta-feira, 26 de maio de 2010 | Autor:

Fernando Diniz

Oi De,
Dando continuidade aos vídeos…
Meatrix II:

Meatrix II½:

Beijos,
Fernando Diniz

__________________

É sempre bom indicar sua unidade, cidade e país para que os demais colegas de blog possam localizar quem comenta e quem posta. Valeu.

Leia mais »

terça-feira, 25 de maio de 2010 | Autor:

Abraço do coração!

Vi hoje um documentário que nos toca a todos por todos os poros do nosso existir (http://selvaurbana.blogs.sapo.pt).

“Praticamos o oposto do que acreditamos e pensamos defender.

Viramos as costas pensando ser algo distante, responsabilidade de outrém, mesmo sendo este o mundo que vamos deixar a nossos filhos.

Como é possível ensinar-lhes valores se diariamente cada um de nós os atropela, mesmo os mais básicos?

Vamos acordar? Se não for por nós, façamo-lo pelos nossos filhos!”

António Mateus

[Quem quiser se aprofundar mais neste tema, consulte o post Meat the truth, neste blog.]