domingo, 16 de setembro de 2012 | Autor:
 

Enviado por Pedro Gabriel:

 

Mestre,

Recebi este texto através do correio eletrônico. Me lembrou uma frase que vi riscada no muro de um dos prédios mais nobres da cidade de Santos. Na época, ainda não tinhamos nenhuma escola da Rede DeRose.

“Não adianta praticar ióga e não cumprimentar o porteiro!”

O texto que segue abaixo, trata-se de uma tese de mestrado em psicologia, apresentada na USP.

‘O HOMEM TORNA-SE TUDO OU NADA, CONFORME A EDUCAÇÃO QUE RECEBE’

Título: ‘Fingi ser gari por 1 mês e vivi como um ser invisível’

Psicólogo varreu as ruas da USP para concluir sua tese de mestrado da
‘invisibilidade pública’. Ele comprovou que, em geral, as pessoas
enxergam apenas a função social do outro. Quem não está bem posicionado
sob esse critério, vira mera sombra social.

Plínio Delphino, Diário de São Paulo.

O psicólogo social Fernando Braga da Costa vestiu uniforme e trabalhou um mês como gari, varrendo ruas da Universidade de São Paulo. Ali,constatou que, ao olhar da maioria, os trabalhadores braçais são ‘seres invisíveis, sem nome’.

Em sua tese de mestrado, pela USP, conseguiu comprovar a existência da ‘invisibilidade pública’, ou seja, uma percepção humana totalmente prejudicada e condicionada à divisão social do trabalho, onde enxerga-se somente a função e não a pessoa. Braga trabalhava apenas meio período como gari, não recebia o salário de R$ 400 como os colegas de vassoura, mas garante que teve a maior lição de sua vida:

‘Descobri que um simples bom dia, que nunca recebi como gari, pode significar um sopro de vida, um sinal da própria existência’, explica o pesquisador.

O psicólogo sentiu na pele o que é ser tratado como um objeto e não como um ser humano.
‘Professores que me abraçavam nos corredores da USP passavam por mim, não me reconheciam por causa do uniforme. Às vezes, esbarravam no meu ombro e, sem ao menos pedir desculpas, seguiam me ignorando, como se tivessem encostado em um poste, ou em um orelhão’, diz.

No primeiro dia de trabalho paramos pro café. Eles colocaram uma garrafa térmica sobre uma plataforma de concreto. Só que não tinha caneca. Havia um clima estranho no ar, eu era um sujeito vindo de outra classe, varrendo rua com eles. Os garis mal conversavam comigo, algunsse aproximavam para ensinar o serviço.

Um deles foi até o latão de lixo pegou duas latinhas de refrigerante cortou as latinhas pela metade e serviu o café ali, na latinha suja e grudenta. E como a gente estava num grupo grande, esperei que eles se servissem primeiro.

Eu nunca apreciei o sabor do café. Mas, intuitivamente, senti que deveria tomá-lo, e claro, não livre de sensações ruins. Afinal, o cara tirou as latinhas de refrigerante de dentro de uma lixeira, que tem sujeira, tem formiga, tem barata, tem de tudo. No momento em que empunhei a caneca improvisada, parece que todo mundo parou para assistir à cena, como se perguntasse:

‘E aí, o jovem rico vai se sujeitar a beber nessa caneca?’ E eu bebi.

Imediatamente a ansiedade parece que evaporou. Eles passaram a conversar comigo, a contar piada, brincar.

O que você sentiu na pele, trabalhando como gari?

Uma vez, um dos garis me convidou pra almoçar no bandejão central.

Aí eu entrei no Instituto de Psicologia para pegar dinheiro, passei pelo andar térreo, subi escada, passei pelo segundo andar, passei na biblioteca, desci a escada, passei em frente ao centro acadêmico, passei em frente a lanchonete, tinha muita gente conhecida. Eu fiz todo esse trajeto e ninguém em absoluto me viu.

Eu tive uma sensação muito ruim. O meu corpo tremia como se eu não o dominasse, uma angustia, e a tampa da cabeça era como se ardesse, como se eu tivesse sido sugado. Fui almoçar, não senti o gosto da comida e voltei para o trabalho atordoado.

E depois de um mês trabalhando como gari? Isso mudou?

Fui me habituando a isso, assim como eles vão se habituando também a situações pouco saudáveis. Então, quando eu via um professor se aproximando – professor meu – até parava de varrer, porque ele ia passar por mim, podia trocar uma idéia, mas o pessoal passava como se tivesse passando por um poste, uma árvore, um orelhão.

E quando você volta para casa, para seu mundo real?

Eu choro. É muito triste, porque, a partir do instante em que você está inserido nessa condição psicossocial, não se esquece jamais.

Acredito que essa experiência me deixou curado da minha doença burguesa. Esses homens hoje são meus amigos. Conheço a família deles, freqüento a casa deles nas periferias. Mudei. Nunca deixo de cumprimentar um trabalhador.

Faço questão de o trabalhador saber que eu sei que ele existe. Eles são tratados pior do que um animal doméstico, que sempre é chamado pelo nome. São tratados como se fossem uma ‘COISA’.

“Ser IGNORADO é uma das piores sensações que existem na vida!”

sábado, 18 de dezembro de 2010 | Autor:

A todos os meus amigos que tornam a minha vida mais digna de ser vivida e o meu trabalho mais fascinante, a ponto de eu dedicar muitas horas por dia a este blog, fora os livros que escrevo, os informativos que envio aos instrutores, a revisão dos livros dos autores que o solicitam, as viagens, os cursos…

Há dias, conversando com um empresário que havia acabado de conhecer em uma solenidade, escutei dele que “meus fins-de-semana são sagrados”. Naquele momento tomei consciência de que  há mais de trinta anos venho trabalhando praticamente todos os fins-de-semana. Mas o que consegui sintetizar foi “os meus também: eu os consagro às pessoas que eu amo”. E essas pessoas são meus alunos, meus colegas, meus leitores e VOCÊ acima de tudo, pois me dedica alguns minutos do seu dia para ler algumas coisas boas (e outras nem tanto) que eu escrevo aqui.

A você quero dedicar o próximo ano e o resto da minha vida. De retorno, quero a sua amizade. Mas se não puder ser, não tem problema. Vou continuar fazendo a minha parte e confio em que a maioria também vai fazer a sua.

Trabalharei para que todos tenhamos um novo ano de alegria, felicidade, prosperidade e muito amigos sinceros.

Novo Ano, novo Método! Sejamos todos bem-sucedidos com o Método DeRose.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010 | Autor:

Convido meus amigos para assistir a solenidade na qual nós todos, na pessoa do decano, seremos agraciados com mais um importante reconhecimento formal. A entrada é franca, mas os homens devem comparecer de terno escuro e gravata, as mulheres de traje equivalente.

A data será terça-feira, dia 14 de dezembro de 2010. O local é o Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, no Viaduto Jacareí, 100, oitavo andar. Há estacionamento na rua ao lado.

O horário será às 19 horas, mas como sabemos que esse horário é muito difícil para os instrutores, estes poderão chegar mais tarde. É comum também que ocorram atrasos para o início de solenidades dessa natureza, às vezes de até uma hora. Recomendamos que se for inevitável o atraso do meu convidado, ele entre discretamente para não perturbar a cerimônia.

Haverá outorga de condecorações da Ordem do Mérito da Cruz do Anhembi, criada pelo Decreto 52.890/1°.03.72, do Governo do Estado de São Paulo a personalidades de destaque, seguida de coquetel de confraternização.

Todos os colegas e alunos que assistiram a solenidades de outorga anteriores ficaram vivamente impressionados e gostaram muito de ter comparecido. Conto, portanto, com a sua presença.

Estarão presentes autoridades civis, da Polícia Militar e das Forças Armadas.

Traga sua câmera para fotografar e filmar.

Divulgue no seu blog, facebook e demais redes sociais.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009 | Autor:

Que ironia! Falo diariamente com milhares de pessoas do Brasil inteiro e de vários países pelo blog. Sou lido por milhões de pessoas. Um número incontável de alunos assiste as minhas aulas de terças-feiras nas salas de aula de centenas de escolas mundo afora. E, no entanto, para conseguir escrever os livros, os informativos, as cartas, o blog, preciso levar uma vida reclusa, sozinho dentro de um pequeno escritório, sentado catorze horas por dia diante dos computadores!

Por isso valorizo tanto quando os amigos me ofertam as coreografias em família, ou promovem pequenos jantares, ou as reuniões íntimas. O que mais valorizo e menos usufruo é a intimidade com meus amigos.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose