segunda-feira, 10 de outubro de 2011 | Autor:
Enviado por Alê Filippini – Unidade Alphaville / SP

Da inteligência canina – UMBERTO ECO

CRÔNICA

Quando o cão elabora um plano complexo

RESUMO Um fait-divers recentemente publicado na imprensa italiana, sobre um cão que dá prova de sagacidade numa situação de grave perigo para sua dona, suscita reflexões sobre a inteligência dos cachorros, assinalada por autores da Antiguidade clássica, como Plutarco, Plínio e outros.

UMBERTO ECO
tradução MAURÍCIO SANTANA DIAS

UMA SENHORA que estava catando cogumelos com uma amiga é picada por uma vespa, tem um choque anafilático, para de respirar, a amiga telefona para a emergência, mas o socorro demora a chegar porque as duas mulheres estão em um bosque muito cerrado e é difícil localizá-las.
Então Queen, o cachorro (mas imagino que fosse uma cadela) da amiga, em vez de ficar ali, como o instinto recomendaria, ganindo e lambendo a mão da moribunda, parte feito um raio, atravessa o bosque, encontra a equipe de resgate e a conduz até o lugar certo.
Como Danilo Mainardi comenta no “Corriere della Sera” de 21 de agosto, não estamos diante de um simples comportamento instintivo: estamos diante de um comportamento “inteligente”, em que o cão não responde ao comando do instinto (não se afastar do ferido), mas elabora “um plano complexo, que abrange até a coparticipação de outros indivíduos”.

RACIOCÍNIO O caso -e os comentários de Mainardi- evocam uma literatura antiquíssima e vasta sobre as capacidades de raciocínio dos cães. Um dos textos que mais influenciaram essa tradição é a “História Natural” (77 d.C.) de Plínio, que trata da fala dos peixes e dos pássaros e discorre amplamente sobre a inteligência canina, cita um cachorro que reconhecera entre a multidão o assassino de seu dono e, com seus latidos e mordidas, o forçou a confessar o crime, ou ainda o cachorro de um condenado à morte que uivava dolorosamente e, quando um espectador lhe jogou uma comida, ele a levou até a boca do morto; quando o cadáver foi atirado no Tibre, ele também se jogou e nadou, tentando sustentá-lo.
Mas a discussão filosoficamente mais interessante já tinha ocorrido pelo menos três séculos antes, em um debate entre estoicos, acadêmicos e epicuristas. No âmbito da discussão estoica desponta um argumento atribuído a Crisipo, que será retomado e popularizado quase cinco séculos depois por Sexto Empírico.
Sexto considerava que os cães fossem capazes de raciocínio lógico, e a prova disso era que um cão, após chegar a um trívio e reconhecer pelo faro que a presa não tinha seguido por duas das estradas, imediatamente envereda pela terceira sem nem farejar. Com efeito, o cão teria formulado de algum modo o seguinte raciocínio: “A presa seguiu por esta estrada, ou por essa, ou por aquela; ora, a estrada não é esta nem essa; então só pode ser aquela” (o que seria um exemplo de raciocínio conhecido como “quinto indemonstrável”).
Além disso, Sexto lembrava que os cães possuem um “logos” porque sabem arrancar espinhos do corpo e limpar as feridas, porque mantêm imóvel a pata doente e identificam as plantas que podem aliviar a dor.
Quanto a uma linguagem animal, é verdade que não compreendemos os sons emitidos por eles, mas tampouco entendemos os sons emitidos por bárbaros, os quais no entanto falam; e os cães certamente emitem sons diversos em situações diferentes.
PLUTARCO Poderíamos continuar citando o “De Sollertia Animalium” (sobre a astúcia dos animais), de Plutarco, no qual se diz que, de fato, a racionalidade animal é imperfeita se comparada à humana, mas que essas diferenças também ocorrem entre seres humanos; e em outro diálogo, “Bruta Animalia Ratione Uti” (os animais usam a razão), a quem contestasse que seria demasiado atribuir a razão a seres que não têm uma noção inata da divindade, Plutarco responderia recordando que entre os seres humanos também existem os ateus.
Em “A Natureza dos Animais”, de Eliano, além dos argumentos já vistos, são citados exemplos de cães que se apaixonam por seres humanos. No “De Abstinentia” (da abstinência), de Porfírio, os argumentos em favor da inteligência animal servem para sustentar uma tese “vegetariana”. Todos esses temas serão retomados de várias maneiras na era moderna, até nossos dias.
Mas paremos por aqui: ainda que não se consiga definir bem a inteligência canina, deveríamos ser mais sensíveis a esse mistério. E, se for muito difícil virar vegetariano, pelo menos que donos menos inteligentes que eles não abandonem seus cães nas estradas.

[ Reply ]

Muito bom, Filippini. Muito bom, mesmo!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011 | Autor:

Olá Mestre!

Gostaria de compartilhar um vídeio do qual eu gostei muito.
Espero que você também goste.

Um grande beijo!

Andressa Dalledone Waltrick
Graduada — Unidade Alto da XV

httpv://youtu.be/m-pgHlB8QdQ

 

 

 

quarta-feira, 7 de setembro de 2011 | Autor:

Olá querido Mestre,

Uma triste realidade que necessita ajuda para deixar de existir!!

Relatado pelo amigo Paulo Coração http://www.facebook.com/profile.php?id=1307898961

Pessoal,
Dias atrás, falei sobre o caso de Taguatinga Norte em que um cão foi assassinado no domingo retrasado por um policial militar do DF em serviço.
Consegui falar com o Willian, dono do cão que me falou o seguinte:

Ele estava andando com seu cão, um rottweiler de 5 meses de idade a 50 metros de sua casa na praça de sua quadra e o cão estava preso à guia.
Parou uma viatura da PM e o policial disse que era proibido andar com o cão alí.

“Até onde sei é proibido andar com cães de porte grande sem focinheira”
É isso mesmo gente?

Continuando: O dono do cão argumentou ao PM que o cão ainda era filhote e que estava bem seguro.
O PM engrossou e disse que dava um tiro no cão e outro nele se não o tirasse dalí.
O dono do cão, Willian, perguntou se aquilo era uma ameaça. Foi quando o PM desceu da viatura e efetuou o disparo atingindo a cabeça do cão.
O cão estava entre as pernas do Willian e preso à guia quando foi atingido pelo disparo.

Então, Willian, trantornado, chamou o PM de covarde. Então os PMs o prenderam por desacato à “autoridade”…
Willian mesmo chorando não teve sua prisão aliviada. Foi levado ao DP algemado e no cubico como se fazem com criminosos.

Chegando ao DP, o delegado, depois que “fez” e deturpou a ocorrencia, chamou o sargento da Pm, “responsável” pela viatura do caso, e na frente do Willian, sem nenhum princípio, disse ao sargento que poderia ficar tranquilo que sua barra seria limpa…
Além de ter perdido seu cão dessa forma, Willian foi preso, teve que ouvir isso e sair do DP sem reclamar…

Estamos na capital da republica ou em regiões do país onde fazendeiros, pistoleiros e policiais são autoridade máxima no estado???

Tenho em mãos fotos do cão morto, o cartucho do disparo, mas não foi encontrado o projétil que se perdeu no corpo do cão, e também tem a acorrencia “feita” pelos poiliciais. Além de testemunhas que presenciaram o acontecido.

Acho que a imprensa deve ser acionada nesse caso. Quem tiver os contatos da imprensa local, por favor de uma ajuda.

O contato do dono do cão é willian.diego@gmail.com. O fone dele estava anotado aqui, mas consigo novamente.

Agradeço aos amig@s, inclusive amigos policiais, que estão nos auxiliando nessa!

Quem tiver alguns minutos, pode preencher o formulário do MPDFT pra denunciar: http://www.mpdft.gov.br/ouvidoriaInternet/visao/formularioEletronico.php?tr=12 abuso de autoridade e crime de maus tratos a animais (Lei 9605/98 art. 32 salvo engano), mandem o link da notícia tb, do facebook.. Acho que um volume grande de denúncias, com o link da reportagem, pode motivar o a promotoria do meio ambiente a tomar alguma atitude. A PMDF já vi que não vai fazer nada, pois tirou o dela da reta e acobertou o PM. Quer vc goste de animais ou não, é injustificável isso, tem que denunciar pra esse maluco deixar de andar armado por ai fazendo esse tipo de coisa e ainda sendo pago pela gente..

Paulo Coração e Amigos.

Pensei em compartilhar com a egrégora para que possamos ajudar a denunciar tamanha brutalidade e abuso cometida pela PM DF.

Felipe Martins

Yôgin Sede Decana

quinta-feira, 30 de junho de 2011 | Autor:

Não sinta inveja dos profissionais mais bem sucedidos, você que é instrutor de ióga. Não sinta tanto ódio de outro instrutor só porque ele ensina uma modalidade de Yôga diferente da sua ou porque manifesta uma opinião diferente. Se você não gosta da nossa modalidade, ninguém o obriga a praticá-la. Se não gosta dos nossos livros, ninguém o obriga a lê-los. Faça o seu trabalho e deixe-nos fazer o nosso. Se você acredita na modalidade que ensina, nós também acreditamos na nossa. Alguma vez nos ouviu falar mal de você? Alguma vez saímos do nosso canto para ir insultá-lo ou tentar impedi-lo de trabalhar? Então, porque tanto ódio e tanta agressão? Um instrutor de ióga não deveria manifestar esses sentimentos tão baixos. O que os seus alunos pensariam de você, da sua legitimidade para ensinar esta filosofia ou da autenticidade da sua ióga se soubessem o que você apronta contra nós?

E quanto aos praticantes: se qualquer pessoa normal se inscreve em uma escola de idiomas, ou de dança, ou de informática, ou de qualquer coisa e não gosta dela, qualquer pessoa normal pede o dinheiro de volta, sai dessa escola e adeus. Nunca mais volta lá. Uma pessoa que não gostasse de uma escola de idiomas, ou de dança, ou de informática, ou de qualquer coisa e que passasse a dedicar a sua vida a atacá-la sistematicamente , insultá-la, agredi-la, difamá-la, anos a fio e até por décadas, se alguém agisse assim não seria uma pessoa normal, nem equilibrada, nem do bem. Mas se tal pessoa fizesse isso declarando-se praticante de uma filosofia que propõe evolução interior e espiritualidade, então causaria espanto e indignação em quem o testemunhasse!

E, com toda a certeza, quem escutasse ou testemunhasse suas baixarias se voltaria contra o agressor e defenderia o agredido. Porque o ser humano é assim: no fundo, tem bom coração.

Alguns declaram que nos atacam pelo que escrevemos em nossos livros, mas isso não justificaria tanto ódio e agressões. Além do mais, é uma desculpa esfarrapada para buscar pretexto, pois tudo isso começou muito antes que publicássemos nosso primeiro livro, na década de 1960!

Complemente o presente artigo com a leitura destes dois posts:
O apoio da Imprensa“; e “Intolerância“.
Depois, cada um deles remete a uma série de links
.

______________________

Um profissional seja do ramo que o for, se ataca a um outro para mim só há dois motivos: despeito por saber que o outro é melhor do que ele mesmo, ou insegurança em relação ao seu próprio trabalho, precisando diminuir o outro para poder sentir-se um pouco mais apto.
Bjs
Regina Wiese Zarling (Bombinhas – SC)

______________________

É uma pena que exista tanta animosidade entre Shivaístas e Vishnuístas, mesmo na Índia. Um indiano muito culto certa vez me disse que hoje eles “concordaram em discordar” mas que no passado o clima já foi mais hostil.

Rafael Anschau

 

______________________

Simplesmente não sabem o que estão falando e apenas ficam repassando boatos. Perdem a oportunidade de conhecer um trabalho sério e de fazer parte de uma egrégora maravilhosa. Fico feliz por ter tido a oportunidade de conhecer e fazer minha escolha.

Roberta (Unidade Moema do Método DeRose, São Paulo)

______________________

Mais uma vez sintonia!!

Na semana passada veio fazer uma aula comigo uma médica psiquiatra que há muitos anos atrás fez ióga AYPAR, Associação de Yóga do Paraná.

Ela me disse que teve de vencer o preconceito para praticar uma das minhas aulas pois desde aquele tempo, nutria uma grande desconfiança em relação ao Nosso Método. Disse que sempre ouvia falar mal de nós naquele lugar, mas por outro lado via nossos praticantes felizes, fazendo posições extremamente fortes em mostras públicas e que aquilo não se encaixava na sua cabeça.

Depois da aula, fui conversar com ela e esta me revelou que estava surpresa, que tudo o que sempre ouvira a nosso respeito não fazia sentido, que viu que nosso trabalho é sério e que agora, até mesmo ela vai recomendá-lo.

Fiquei feliz por poder defender você e toda a Nossa Cultura com o que de mais precioso você ensina: manter a ética, a civilidade, a seriedade no trato com esta tão nobre filosofia que escolhi como estilo de vida e profissão.

Mais uma vez obrigada por me ensinar tanto! Tenha a certeza que continuarei sendo uma fiel defensora da nossa estirpe.

Milhões de beijinhos,

Instra. Cris Volter
Luis Eduardo Magalhães – BA

______________________

Além de ser incompreensível um trabalhador desta modalidade sentir ódio por quem quer que seja, considero uma tremenda burrice se opor a profissionais da mesma área, pois além de perder alunos, está denegrindo sua própria ética perante a opinião pública.

Rafael Schoenfelder
Curitiba Pr

______________________

Oi Mestre Queridão!
Olhe este vídeo sensacional:

httpv://www.youtube.com/watch?v=pY4FCKlQISA

BeijosCaki

Camila Cabete – Caki Books – Rio de Janeiro

______________________

Estimado Mestre de Rose,

Começo por lhe dizer que antes de chegar ao seu metodo passei por outras 3 correntes e que em nenhuma delas me revi. Quis deixar o meu post neste tema em especifico, porque eu vivenciei pessoalmente esta experiencia.
Em tempos frequentei uma outra escola e ao fim de pouco tempo comecei a ouvir falar mal do Método DeRose, pior ainda verifiquei que os alunos que vinham de escolas do Metodo DeRose eram discriminados. Ao principio não percebi muito bem o que é que se passava, mas um dia um aluno disse-o abertamente: “o Mestre DeRose é o arqui-inimigo do Mestre fulano de tal.” Eu fiquei a pensar se seria brincadeira (já que arqui-inimigos para mim é conversa de banda desenhada) infelizmente não era. Ora a partir daí comecei a ficar desconfiada daqueles profissionais porque, se por um lado são adeptos da harmonia, não violencia, etc por outro têm um arqui-inimigo num outro profissional do ramo. Aquilo não podia ser, era uma incongruência enorme. Comecei a buscar informação sobre o seu Método e concluí, quem era afinal o verdadeiro profissional de Yôga. Assim sendo e em jeito de conclusão agradeço a essas pessoas por me terem permitido conhecer o Método DeRose assim como o seu Mestre, filosofia com o qual me identifico plenamente.

Um grande abraço
Ines Sousa

______________________

O bom disso tudo é que, assim como eu, outras pessoas foram curiosas para conhecer o tão falado Método DeRose e se apaixonaram!

Beijos.
Leilane

______________________

É por isso que eu agradeço com sinceridade aos que têm a gentileza de divulgar o meu nome, de graça, ao veicular maledicências. Sem eles, eu não seria tão conhecido, não venderia tantos livros e não teria pessoas incríveis como você. DeRose.

domingo, 5 de junho de 2011 | Autor:

Caro Maestro, envio-lhe o novo artigo que escrevi para uma conceituada revista de Roma, desta vez sobre o trabalho de gestão emocional feito pelo Método De Rose e com a foto do Instr. Mauro Bexiga. Em breve receberá a revista na Jaú.
Um mahá abraço!

Clique na imagem para ampliá-la.

sábado, 5 de março de 2011 | Autor:

Olá queridos,

Foi com muita alegria que conseguimos reunir dois eventos maravilhosos e, através deles, mostrar a força da nossa Egrégora.
No dia 20 de fevereiro, no City Bank Hall,durante as comemorações do Aniversário do nosso querido De Rose, deu-se a outorga da primeira edição da Medalha Cruz da Amizade do Projeto Bela Ação, onde tivemos o prazer de receber ilustres convidados e outorgar pessoas muito importantes, não somente para nós, mas para toda sociedade brasileira.
A imprensa presente divulgou o evento e imagens falam mais do que palavras.

 

Medalha Cruz da Amizade

Projeto Bela Ação recebe a medalha.

terça-feira, 1 de março de 2011 – Fernanda Leão
A primeira dama do Estado de São Paulo, Maria Lúcia Alckmin, foi uma das agraciadas com a medalha Cruz da Amizade pelo seu trabalho no Projeto Bela Ação 2010. 

A medalha é expedida pela Ordem do Mérito da Índias Orientais, vinda de Portugal [da qual o Comendador DeRose é o Grão-Mestre], e -pela primeira vez – foi entregue no Brasil para as madrinhas e padrinhos do “Projeto Bela Ação” pela trabalho desenvolvido em 2010.

O Projeto é mantido pelo Dr. Wagner Montenegro e ajudou diversas entidades carentes ao longo do último ano. Além da Sra. Alckmin, o jornalista Chico Pinheiro, os atores Carlos Casagrande (representado pelo ator Juan Alba) e Paloma Bernardi (representada pelo irmão, Diogo Bernardi), e Celeste Chad também receberam a medalha.

[A outorga foi feita pelo Comendador DeRose e pelo Dr. Montenegro, durante a comemoração do aniversário do primeiro], na qual estavam presentes cerca de 700 pessoas.

 

Prof. De Rose, Dona Lu Alckmin e Dr. Wagner Montenegro

 

Wagner, Alessandra, Patricia, DeRose, Alécio, Celeste, Juan e Diogo

 

Veja mais no site: http://amauryjr.uol.com.br/Noticia/19144/Medalha-Cruz-da-Amizade.aspx

 

Beijos e aguardo no email acima, as fotos e dados para que a coluna flua divulgando eventos de todo Brasil e do mundo!

Alezinha

__________________

Obrigado Alezinha. Eu tomei a liberdade de inserir entre colchetes as referências que estavam faltando. Por exemplo, em parte alguma fora mencionado que o Grão-Mestre da Ordem do Mérito das Índias Orientais era o DeRose, e que este era o expedidor da medalha Cruz da Amizade. Talvez para a Imprensa não fosse conveniente mencionar tantos detalhes, mas para o nosso blog, como estamos em família, acho que nossos leitores gostariam de saber dessas minúcias.  Beijiinhos.

 

quarta-feira, 2 de março de 2011 | Autor:

O retrocesso ao obscurantismo!

O Yôga não visa resolver as mazelas do trivial diário
e sim a grande equação cósmica da evolução.
DeRose

Era natural supor que no século XXI preconceitos e desinformações cederiam lugar à cultura e ao esclarecimento. Durante décadas, esperamos ansiosamente que chegasse o Terceiro Milênio, uma Era em que todos estariam mais lúcidos e com mais acesso à informação! Mesmo porque com o advento da internet até as pessoas mais simples, ou sem recursos, ou que morassem em lugares mais distantes dos grandes centros, todas poderiam ser brindadas com mais ilustração.

Mas qual Neo-Renascença, qual Neo-Iluminismo, qual nada. Curiosamente, com relação ao Yôga ocorreu o contrário. Vivemos um momento de retrocesso e obscurantismo da opinião pública, bem como da mídia, no que concerne à nossa profissão. Por isso, escrevi uma série de artigos e enviei-os à grande Imprensa, que guardou-o no “cesto arquivo”.

Com a experiência de meio século de magistério, tenho a nítida sensação de que, para o profissional da mídia, o Yôga foi encravado num viés de coisa que não é para ser levada a sério. Se o especialista em Yôga aceitar discorrer sobre amenidades, tais como os benefícios “da ióga” para combater celulite, emagrecer, reduzir rugas e solucionar as pequenas mazelas do trivial diário, toda a Imprensa fica interessada. E com ela, a opinião pública.

Mas se, como representantes de uma filosofia que somos, cogitarmos dissertar sobre temas sérios, bem, aí ninguém quer escutar. Se insistirmos em ser ouvidos, surpreendemo-nos sendo conduzidos ao “silêncio obsequioso”, aquela punição eclesiástica que condenava ao ostracismo o teólogo que dissesse o que não era permitido.

Mais uma razão para não nos ampararmos sob o manto do paradigma “Yoga”. Por isso, devemos dar preferência a nos referirmos ao que fazemos com a designação de A Nossa Cultura. Voltaremos ao tema noutra oportunidade.