sábado, 6 de junho de 2009 | Autor:

Hoje à noite, depois do curso, tive a honra de ser agraciado com o grau de Grão-Colar Visconde de Mauá, da Sociedade Cultural Condecorativa do Brasil. Se conseguir uma foto, mais tarde postarei aqui. Por enquanto, a notícia é só para compartilhar.

Leia mais »

quinta-feira, 28 de maio de 2009 | Autor:

A conotação dos testes mensais para praticantes é a de não-obrigatoriedade. O aluno fará os testes se assim o desejar. Caso os faça e seja aprovado, passará para um grau mais elevado (de sádhaka para yôgin; de yôgin para chêla). Se optar por não fazer os testes mensais o praticante não passará de grau. Obviamente, para galgar os níveis de aluno (sádhaka, yôgin e chêla) não é necessário participar de curso específico para formação profissional. Portanto, procure ler, estudar e participar voluntariamente dos testes.

Para melhorar o seu nível, a primeira providência é participar do teste mensal com dez perguntas, baseadas nos livros Ser Forte, Tratado de Yôga, Yôga a sério e Programa do Curso Básico. São as perguntas do mês. O teste mensal é para conscientizá-lo de que existe um universo fascinante por conhecer sobre a Nossa Cultura. Este procedimento tem também a utilidade de proporcionar um feed-back ao instrutor e lhe fornecer meios para que faça algo em benefício do aluno.

  Leia mais »

quarta-feira, 6 de maio de 2009 | Autor:

Orgulhe-se do seu distintivo

Portar ao peito o distintivo da nossa instituição com a cor do seu grau ou cargo é motivo de orgulho e constitui um mérito conquistado que temos a satisfação de exibir sempre, dentro e fora das nossas escolas ou dos nossos eventos.

Somente a nossa entidade conta com essa insígnia que sinaliza qual é a modalidade de Yôga e em que nível de adiantamento encontra-se o praticante ou o instrutor.

Seu pin é o diferencial que, em qualquer ambiente da sua vida social, cultural, acadêmica, profissional, familiar, política, esportiva ou empresarial define que você é DeRose, que você professa um life style, uma proposta de vida mais refinada, culta e sofisticada. Seu pin é um indicativo à sociedade de que você é uma pessoa polida, séria, honesta e descomplicada, de bons hábitos, que não fuma, não toma bebidas alcoólicas, não come carnes e não usa drogas.

Orgulhe-se do seu distintivo! Porte-o com qualquer roupa, até as mais formais. Porte-o orgulhosamente em solenidades, passeios, praia, viagens, cursos técnicos, faculdade, escritório etc. Use-o com terno, com vestido de noite, com traje esportivo, com training, com camiseta, com maiô, com qualquer roupa, em todos os lugares.

Ana Gabriela de Souza
O pin é tão lindo que nem merece mais esse nome tão simples, “PIN”. Acho que poderia se chamar insígnia, pois é quase uma condecoração de nossa instituição aos que passam de grau! beijos…

DeRose
Gostei da sugestão, Gabi. Vou começar a me referir ao pin como insígnia. Obrigado pela boa idéia. bjokas.

 

Insígnia: “sinal distintivo que é atributo de poder, de dignidade, de posto, de comando, de função, de classe, de corporação, de confraria etc.; símbolo, emblema, divisa”. Na pesquisa etimológica, insígnia remete a insígne, “que é notável por suas obras ou feitos; destacado, famoso, ilustre”.

 

 willmoritz

Mestre,

Verifiquei as traduções de “insígnia” para os nossos outros idiomas, e ainda hão de ser muitos mais em nosso futuro plurilíngue.

Español: Insignia
Français: Insigne
English: Badge
Deutsch: Abzeichen
Italiano: Distintivo (Existe “Insegna”, mas se usa para placas de estabelecimentos)

Sânscrito: liGga* 

*Capeller’s Sanskrit-English Dictionary: n. mark, sign, emblem, badge, characteristic, attribute; proof, means of proof, evidence (j.); organ of generation, esp. the male organ of Shiva (r.); idol i.g.; gender (g.), the subtile frame or body (ph.).

Grego moderno (Ελληνικά):

Σήμα (sima) / διακριτικό σήμα (diacritikó sima)

Quanta força, poder e energia em todas estas formas, não?!!

 

Pois é. Mas Will, volte lá no dicionário de sânscrito, pois há uma letra que não está correta. DeRose.

Leia mais »

domingo, 15 de fevereiro de 2009 | Autor:

 

Pri Ramos
http://www.priramos.com | pri_ramos@hotmail.com | 189.68.209.99

Eu não havia me dado conta da importância dos ritos de passagem…

Quando me formei na PUC-SP (fiz faculdade de História), houve uma cerimônia informal. Cinco cursos juntos. Sem beca. Com um juramento genérico, que se adequasse à cinco profissões diferentes daqueles formandos. Em uma salinha comum. Que decepção!

Após dois anos como instrutora de SwáSthya, não pensei que a cerimônia de colação de grau fosse me impactar. Porém, ao descer as escadas e adentrar o salão da Assembléia Legislativa, sob o som de “Conquest of Paradise”, de Vangelis, meu coração inesperadamente disparou!

Eu estava cercada de amigos. Não colegas: amigos! Após o discurso do Prof. Charles Maciel, nosso querido Chachá, me enchi de bháva e determinação a dedicar-me a esta nobre profissão com cada dia mais afinco.

Durante o juramento do yôgin… meus olhos se encheram de lágrimas e, se não executasse um pránáyáma lento e profundo, não teria contido o choro! O peso das palavras é impressionante; que juramento lindo.

Só posso agradecer ao meu querido Mestre DeRose e ao meu querido monitor Joaquim Roxo por me proporcionarem o prazer de ter a melhor profissão do mundo.

Pois é, Pri. Eu não entendo porque algumas federações insistem em não realizar as solenidades de formatura nos seus respectivos estados. DeRose.

Thais Lopes
http://www.yogaemsantos.com | thais.lopes@uni-yoga.org | 189.34.226.1

Mestrão, sei que a correria do dia-a-dia não é fácil, mas você precisa descansar mais! Pois queremos sua saúde em perfeitas condições por muitos e muitos anos!
Sabemos que todo o seu trabalho é feito com um imenso amor e prazer. Mas pode dormir um pouquinho mais tá? (rsrsrs)

A formatura ontem foi realmente belíssima e fiquei muito feliz ao ver meus familiares completamente emocionados com o evento. Não vou esquecer as palavras de minha mãe:

“Filha, se eu tinha alguma dúvida da profissão que você escolheu, agora não tenho mais. Tenho certeza da seriedade deste trabalho, e tenho muito orgulho de você seguir uma carreira tão bonita.”

Ela adorou todas as pessoas que conheceu ontem, e comentou que ficou impressionada com a alegria, a união, o carinho imenso que estava no ar, e os sorrisos sinceros de felicidade daqueles jovens que ali estavam.

Parabéns para as professoras Nina de Holanda e Márcia Cordoni que organizaram esta belíssima colação de grau. No próximo ano, estarei lá novamente.

Um abração. E até a sua aula, logo mais…

Rafa Ramos
http://www.yogajardimanaliafranco.com.br | rafael.ramos@uni-yoga.org.br | 201.83.85.211

Foi realmente emocionante! Meus pais ficaram muito orgulhosos!

É muito bom poder fazer parte de tudo isso.

Beijos

Carla Mader
carla.mader@uni-yoga.org | 201.43.134.206

A formatura foi muuuuuuuuuito linda! Fiquei emocionadíssima pela minha monitorada Cìnthia Ferrari que estava esparramando felicidade pelos poros por estar ali naquele instante, um marco em sua vida! Parabéns Marcia Cordoni e aos tantos invisíveis que fizeram esta maravilhosa festa! Obrigada Mestre, que me proporciona a cada dia, mais motivos para amar, viver, vencer e trabalhar!

Leia mais »

quarta-feira, 26 de novembro de 2008 | Autor:

Comemorando 40 anos de carreira no ano 2000, recebeu em 2001 e 2002 o reconhecimento do título de Mestre em Yôga (não-acadêmico) e Notório Saber em Yôga pela FATEA – Faculdades Integradas Teresa d’Ávila (SP), pela Universidade Lusófona, de Lisboa (Portugal), pela Universidade do Porto (Portugal), pela Universidade de Cruz Alta (RS), pela Universidade Estácio de Sá (MG), pelas Faculdades Integradas Coração de Jesus (SP), pela Câmara Municipal de Curitiba (PR).

Em 2001 recebeu da Sociedade Brasileira de Educação e Integração a Comenda da Ordem do Mérito de Educação e Integração.

Em 2003 recebeu outro título de Comendador, agora pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.

Em 2004 recebeu o grau de Cavaleiro, pela Ordem dos Nobres Cavaleiros de São Paulo, reconhecida pelo Comando do Regimento de Cavalaria Nove de Julho, da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

DeRose recebendo a Medalha da Paz, da ONU Brasil, em 2006.