terça-feira, 14 de fevereiro de 2012 | Autor:

Compartilhe e discuta com os amigos este capítulo do nosso livro Anjos Peludos – Método de educação de cães.

Se apreciar, procure-o nas livrarias e  indique-o a quem gostar de cães.


 É chocante como as pessoas desconhecem o mecanismo da liderança animal! Quase todos os meus amigos me dizem a mesma frase (parece um disquinho):

– Quando fui escolher o cachorro, foi este que me escolheu. Ele veio correndo na minha direção e saltou nos meus braços!

Então, já começou mal. A relação já se iniciou com o cão tomando as decisões. Se ele teve aquela atitude, deve ser um cão alfa dominante. Sua relação com ele provavelmente vai ser de  um medir forças sem trégua.

Quando fomos escolher a Jaya, ela era tão acanhada e tímida que tive receio que fosse autista. No entanto, quando cresceu, no nosso dia-a-dia ela brinca, corre, pula, tem uma energia incrível. Só que quando não queremos mais brincar, ela para na hora. É alegre e dinâmica, mas carinhosa e obediente.

Há um pequeno truque ao escolher o seu amiguinho: coloque-o no seu colo, de barriga para cima. Se ele aceitar tranquilamente essa posição, provavelmente, é cordato e dócil. Caso não se submeta e fique agitado para se virar, é possível que seja um animal rebelde.

Fora o cuidado de não escolher o cão mais hiperativo, deve-se conhecer bem os espécimens que o canil fornece e checar os ancestrais para que não haja antecedentes de enfermidades genéticas.

Por outro lado, não há nada mais lindo que salvar da morte certa os “focinhos carentes” que estão esperando por adoção nos abrigos. Se ninguém os adotar, serão abatidos sem dó nem piedade. Procure nos sites de adoção e poderá conhecer o seu futuro pet pela foto e pelo perfil que geralmente é descrito.

Lembre-se de que nunca deve separar o filhote da mãe com menos de 45 dias. Eu acho um absurdo separá-lo da mãe com qualquer tempo. Mas, pensando racionalmente, cada casa ficaria com mais de dez cães quando alguma cadelinha desse cria, o que é impraticável. Dessa forma, com dor no coração, preciso aceitar o fato de que a praxe é separar os filhotes em algum momento.

O Dr. Mauro Lantzman nos dá as seguintes dicas sobre as posturas de dominância que permitem identificar filhotes dominantes:

  • Perseguir os outros filhotes na ninhada.
  • Ficar de pé sobre o companheiro de ninhada.
  • Andar em círculos ao redor do companheiro de ninhada.
  • Empurrar com ombro ou coxa.
  • Apoiar as patas da frente no dorso do companheiro.
  • Urinar sobre um outro cão ou pessoa.
  • Rosnar, beliscar, morder.
  • Montar.
  • Ficar acima da pessoa.
  • Pedir carinho colocando a pata sobre a pessoa ou qualquer outro comportamento que desencadeie a resposta do proprietário.
  • Bloquear acesso: passagem de quarto, corredores etc.
  • Guardar comida, brinquedos e não permitir que o dono pegue.
  • Impedir acesso a local de brincar ou ficar.

 

Se não encontrar o livro nas livrarias, poderá pedi-lo para:

Método Distribuidora – tel. (11) 3589-7227.
Office – tel (11) 3064-3949.
Unidade Jardins (11) 3081-9821.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011 | Autor:

Oi Mestre!

Vi o seguinte anúncio no mural de um amigo no facebook, e achei que talvez fosse interessante divulgar:

Um canil em SP faliu, e a dona entregou o imóvel ao proprietário. Os cachorros não tinham onde ficar, e foram alojados temporariamente. Se não acharem donos URGENTEMENTE, serão sacrificados. São 50 cachorros, sendo 47 Cocker Americano, 1 Chow chow, 1 pastor suíço e 1 Collie. DOAÇÃO. Telefone de contato: 11-4241-5502 11-4241-5502 , 9959-1609 com Cibele, ou 4704-6335 com Lígia.

Beijos!

Marisa Lima – Brasília.

sábado, 14 de março de 2009 | Autor:

Alguém me enviou este texto, um grande amigo meu, certamente. Sempre que eu o leio, meu coração fica apertado e meus olhos se enchem de lágrimas. Mas ele não assinou. Nem informou de quem era a autoria. Assim, não posso dar o crédito a quem enviou nem a quem escreveu estas linhas tão delicadas e sensíveis. De qualquer forma, meu agradecimento a ambos.

“Existem pessoas que não gostam de cães. Estas, com certeza, nunca tiveram em sua vida um amigo de quatro patas. Ou, se tiveram, nunca olharam dentro daqueles olhos para perceber quem estava ali.

Um cão é um anjo que vem ao mundo ensinar amor! Quem mais pode dar amor incondicional, amizade sem pedir nada em troca, afeição sem esperar retorno, proteção sem ganhar nada, fidelidade vinte e quatro horas por dia?

Ah! Não me venha com essa de que os pais ou filhos fazem isso, porque os pais e os filhos são humanos, irritam-se, afastam-se…

Um cão não se afasta, mesmo quando você o agride. Ele retorna cabisbaixo pedindo desculpas por algo que talvez não tenha feito, lambendo suas mãos a suplicar perdão.

Alguns anjos não possuem asas, possuem quatro patas, corpo peludo, nariz de bolinha, orelhas de atenção, olhar de aflição e carência.

Apesar dessa aparência, são tão anjos quanto os outros (os com asas) e se dedicam aos seres humanos tanto quanto qualquer anjo costuma dedicar-se.

O bom seria se todos os humanos pudessem ver a humanidade perfeita de um cão.”

sexta-feira, 13 de março de 2009 | Autor:

Fernanda levou seis anos – SEIS ANOS! – tentando me convencer a ter um cachorro. Eu não queria, pois tinha uma imagem de que cachorro dá trabalho, incomoda, late, rói, destrói as coisas, faz sujeira, obriga os donos a estar todo o tempo irirtados, a dar broncas… cães que fogem, cães que atravessam a rua no meio dos veículos e são atropelados, cães que têm de estar todo o tempo amarrados por uma guia, arrastados como escravos, só podendo comer ou fazer suas necessidades quando o dono permita… eu não queria nada disso para mim. Por uma questão de estilo de vida, de qualidade de vida e de filosofia eu não queria estar agora arranjando sarna para me coçar. Quando, finalmente, Fée me convenceu, entramos num acordo: nosso filhote seria fêmea para não sair marcando território com urina; seria escolhida uma femeazinha bem calma e não-dominante a fim de não nos dar trabalho para educá-la; seria castrada para não me aparecer ligeiramente grávida por algum sem-vergonha de família duvidosa, ao passear no parque; e teria uma treinadora desde antes de ser escolhida no canil.

Assim foi. Quando chegou à nossa casa com 45 dias de vida, já veio acompanhada da Ana Gabí, yôginí treinadora de cães ultra competente e carinhosa. Duas a três vezes por semana Jaya, Fernanda e DeRose eram seus disciplinados alunos. Os pais orgulhosos da Jaya mantinham-na rigorosamente na linha. Cobriam-na de carinho, mas para compensar exigiam muita disciplina – sempre com afeto, sem punições, sem gritos, sem pancadas. Sempre à base de reforço positivo e uma boa dose de petiscos.

O resultado foi uma cadelinha feliz, sociável, muito afetuosa, que fica solta dentro da residência e da escola e que nunca destruiu nada meu. Em casa, meus objetos ficam em prateleiras bem perto do solo e ela nunca tocou em nada. Há um vaso de porcelana que está há mais de ano sobre uma mesa de centro baixinha na sala de estar. Jaya brinca, corre e pula em torno da mesa e jamais derrubou o vaso. Seres humanos já o derrubaram uma vez ou duas, felizmente, sem quebrá-lo. Jaya, nunca! Quanto a fazer barulho, só costuma latir para nos proteger e mesmo assim, apenas de vez em quando.

Fiquei aliviado e feliz. Afinal, consegui a tranquilidade apesar de ter uma “criança” em casa. Agora, fica a sugestão veemente para que todos os demais sigam meu exemplo e contratem um treinador. Se não puder pagar por mês, contrate por aula. Mas é importante ter filhos educados, ahn, quero dizer, cães educados.

Leia mais »

terça-feira, 20 de janeiro de 2009 | Autor:

Ela é uma vira-latinha linda, tem dois meses e estava abandonada com fome e com frio dentro de uma caixa de papelão na rua, jogada num canto qualquer. Mariana Rodrigues adotou-a e está toda mamãe. A primeira coisa foi apresentá-la à Jaya, sua irmã de criação mais velha. Para que a Jaya não ficasse triste por sentir que a pequenina estava monoplizando as atenções, fiquei dando-lhe carinho. Depois fatiei uma banana, que é a fruta que Jaya mais ama, e fui brincar de adestrá-la. Ela faz qualquer gracinha por um pedaço de banana. Mariana pegou um pedacinho e colocou ao lado da boquinha da Sampa (esse é o seu nome). Mas, tão pequenina, não sabia o que era e deixou ali. Jaya veio, olhou aquele pedaço apetitoso de banana dando sopa, cheirou e se afastou! Não acreditávamos! Jaya não tocou na comida da nenén… Então peguei um naco da fruta e lhe ofereci. Ela imediatamente abanou o rabinho e aceitou. Que pessoa incrível é essa Jaya! A cada dia eu a admiro mais.

Para que você não tenha que procurar, vou colar aqui a resposta ao comentário do Alessandro Martins, no qual conto a história de adoção do Wilson:

Alessandro, você me emocionou profundamente com o seu texto. Sou um admirador do seu talento. Você é um grande escritor. Gostei muito também do comentário feito pelo Alexandre Kovacs, que reproduzo:

Recomendo um livro excelente sobre cães: “Da dificuldade de ser cão” de Roger Grenier, onde ele apresenta várias histórias sobre famosos autores como Camus, Sartre, Voltaire, Kafka e seus amigos cães.

Este trecho, por exemplo, citação de Maeterlink sobre o privilégio de ser cão é fantástico: “Ele é o único ser vivo que encontrou e reconhece um deus incontestável, tangível, irrecusável e definitivo. Ele sabe a quem dedicar o melhor de si, sabe a quem se dar acima de si mesmo. Ele não precisa buscar uma força perfeita, superior e infinita nas trevas, as mentiras sucessivas, as hipóteses e os sonhos”.

Sobre vira-latas, tenho uma história para lhe contar. Chegando ao Brasil de uma viagem ao exterior, encontramos no aeroporto internacional um serzinho pequeno que ia de passante em passante pedindo para ser adotado. Saltando como uma molinha, como se quisesse se aboletar no colo das pessoas, o rabinho abanando intensamente e um olhar suplicante, não havia como ignorá-lo. Quando veio pulando em mim, fiz-lhe carinho e senti receptividade. Dei-lhe comida. Olhei nos seus olhinhos negros e não consegui deixá-lo lá. Fernanda e Vivi apoiaram minha sugestão de levá-lo para casa e foram, por sua vez, respaldadas pelo Gabriel (que passou a ser o pai do Wilson) e pela Andréa (irmã da Fée). Deixamo-lo durante uma semana em uma clínica, em observação, tomando todas as vacinas. Não caberia mais um ente querido de quatro nem de duas patas em nosso apartamento.
Quando fomos buscá-lo no veterinário sua alegria por nos rever era inacreditável. Vivi se apaixonou por ele e adotou-o. Quando perguntam sua raça digo que é street terrier. Mas é bem possível que tenha mesmo algum ascendente com pedigree. Ele tem uma índole ótima, é ultra educado, logo tornou-se vegetariano com prazer e parece estar nos dizendo o tempo todo “Obrigado, obrigado por me darem um larzinho!”. Quando fomos viajar para passar o Ano Novo no Rio, Vivi teve que deixá-lo na casa da treinadora. Ao retornarmos para buscá-lo, soubemos que ele ficou no portão até as onze da noite esperando que sua dona voltasse. Peça à Vivi para colocar aqui uma foto dele e vai constatar como seu olhar é expressivo.

Mais histórias de cachorros? Leia os posts: Jaya, minha weimaraner vegetariana; Pessoinhas de quatro patas; O seu carro tem cheiro de cachorro? Dê-lhe ração vegetariana!; 100 maneiras de melhorar o mundo (1): adote um animal.

Milena Rosolen

Olá pessoal, segue mais um site para quem quiser adotar um cachorrinho: http://www.adotaretudodebom.com.br
Bjs Milena

Chrystine Omori

Konbanwa, pessoal!^-^
Esse aqui é para adotar, mas quem não puder, pode ajudar apadrinhando ou fazendo doações!
E nem precisa ser daqui de São Paulo ;)
http://www.viralataedez.com.br/

Leilane Lobo

Mestre,

Olha que linda ação!

Você assiste ao vídeo e a PEDIGREE doa um prato de ração para cães abandonados.

Já são + de 100 mil pratos doados.

Vale a pena assistir!

http://www.youtube.com/watch?v=2DR6XqBKkSM

Leia mais »