sábado, 18 de junho de 2016 | Autor:

Estes axiomas são o fruto de muita experiência de vida. Eles foram elaborados pensando em você e para ajudá-lo a tornar sua vida mais fácil. Aceite-os como um presente. Reúna sua galera para desfrutá-los num grupo de debates ou de meditação.

Axiomas:

1. Não acredite.
2. Dar segunda chance é dar uma segunda oportunidade para que a pessoa repita a mesma atitude.
3. Repassar sua incumbência a terceiros é uma forma quase infalível de a tarefa sair errada.
4. Buscar orientação sobre qualquer coisa com fontes que não sejam de primeira mão é a melhor maneira de conseguir informações com param-pará corrompido que conduzam você a erro.
5. Deixar recado não funciona.
6. Fazer surpresa quase sempre resulta em desastre.
7. Tudo o que você disser chegará ao conhecimento da pessoa envolvida no comentário.
8. Nada é aquilo que parece ser.
9. Tudo é relativo.
10. E-mail não funciona (a menos que você telefone perguntando se o destinatário conseguiu abrir e ler o arquivo).

youtu.be/jfEa9R2fqOA

terça-feira, 25 de outubro de 2011 | Autor:

Enviado por Thaís Lopes:

 

Por Abraham Shapiro

Há poucos dias, a mídia mundial noticiou a lamentável morte de Steve Jobs. Em um de seus discursos, Jobs disse: “Se eu nunca tivesse frequentado o curso de caligrafia, o Mac não teria múltiplos tipos de letras e espaços proporcionais”.

Num mundo onde as pessoas segmentam profissionais pela grife das escolas em que se formaram, o pensamento de Jobs é uma dissonância. Se eu tivesse dito isto, soaria como tolice. Mas foi Jobs quem falou. E o que se infere das palavras de suas palavras é que chegou a hora de aprendermos a avaliar pessoas por sua capacidade de realização, e não pelos cursos e diplomas que conseguiram colecionar.

Conheço imbecis diplomados nas melhores universidades do mundo. Gastaram fortunas movidos pela crença retrógrada de que a escola faz o aluno. Estão por aí, vendo a vida passar sem fazerem nada de efetivo por si ou pelo mundo. Eles se distinguem pelo quão excelente foi a formação que receberam.

Isto me lembra a biblioteca de livros fantásticos que um amigo rico tem em sua casa. Ele jamais leu nenhum. Mas herdou dinheiro de seu pai, e compra livros. Para quê servem? Penso que talvez sirvam como objetos de defesa contra assaltos, já que alguns são grandes e pesados.
A pergunta que não cala é: “Tudo bem. Já sei de seu diploma. Mas o que você fez com a grande educação que recebeu?”

Por outro lado, conheço profissionais que conseguiram um diploma de curso à distância, e hoje dominam perfeitamente o que estudaram, fazendo coisas importantes para si e para as organizações onde trabalham.

As escolas devem nos ajudar a criar conexões a fim de solucionar problemas. Mas depende de nós.

Jobs nunca recebeu diploma de faculdade alguma. Ele atribuiu os créditos do desenvolvimento do Macintosh a um cursinho de caligrafia. Lembra-me o axioma: “Chocolate não engorda. Quem engorda é você”.

Faculdade não é algo bom nem ruim. A questão é “o que fazer com o que se aprende lá?”

quinta-feira, 6 de outubro de 2011 | Autor:

Escrito por Ricardo Martins Costa
Salvador-BA

 

“Axioma número 1: Não acredite”

Compreender que tangenciamos a realidade através dos nossos sentidos e que a interpretamos de acordo com nossos condicionamentos, desejos, medos, lembranças e esperanças, nos faz refletir acerca daquilo que podemos considerar como verdade.

N’outras palavras, muito do que para nós se apresenta como certeza insofismável é apenas o reflexo das nossas inclinações, anseios, receios e aspirações.

Conhecer melhor a si mesmo passa então por reconhecer e reconstruir os mecanismos que regem nossos próprios sistemas de crenças.

Se até mesmo a dogmática científica confronta-se com seus paradigmas, revisando-os periodicamente, utilize cada aparente certeza, cada suposta convicção, mesmo aquelas decorrentes das suas próprias experiências, como ferramenta de auto-estudo e de auto-superação.

Onde estão nossos limites?

“Não sabendo que era impossível,
ele foi lá e fez”.

Diante das infinitas possibilidades que nos são apresentadas a cada instante, quem pode nos dizer que algo é intrinsecamente impossível?

É certo que a vida em sociedade, o desejo de conviver em harmonia com nossos pares e com o ambiente que permeamos nos faz estabelecer normas e assimilar limitações.

No entanto, quantos desses limites são verdadeiramente necessários? Quantos decorrem da observação de leis naturais de causa e efeito e quantos são simplesmente auto-impostos pelos antolhos que espremem nossa inteligência?

Permita-se mais: expanda seus horizontes, faça suas escolhas, ultrapasse seus próprios limites e os do senso comum! Na clareza instigante da linguagem publicitária: Impossible, is nothing*.

Artista de si-mesmo

Se é inegável que os nossos sentidos são capazes de captar apenas parte do que acontece “do lado de fora” e que a interpretação desses acontecimentos é influenciada por filtros pré-existentes que assimilamos, registramos e alimentamos a cada percepção, reconheçamos a importância da nossas predisposições e o poder que temos ao compor nossa existência.

Por isso, a cada inspiração, a cada instante vivido, reconheça o artista de si-mesmo. Amplie a consciência nas suas escolhas, assimile o que lhe proporciona bem-estar, componha sua obra, expresse sua essência!

_____________________________
* Frase utilizada em campanha publicitária de uma conhecida marca de artigos esportivos.

quarta-feira, 13 de julho de 2011 | Autor:

Netiqueta ou etiqueta digital é o hábito de se cultivar as boas maneiras também ao enviar um email, navegar em sites e redes sociais ou mesmo ao atender o celular. Todos os conceitos de espaço vital e civilidade que Nosso Método preconiza também se aplicam às novas mídias. Em resumo, pense que, se existe algo que você não faria na vida real, também não o faça no mundo eletrônico. Esse texto servirá para abordar alguns detalhes específicos dessa área. Eles podem ser observados a fim de diminuir possíveis atritos e aprimorar a sua imagem no universo virtual.

Independentemente da mídia, a atenção aos detalhes pode ser um fator de sucesso ou fracasso na sua comunicação. Escrever com português claro, produzir um texto limpo e bem diagramado são cuidados muito bem recebidos. O impacto negativo em sua imagem digital de um texto sujo, com erros, abreviações em excesso pode abalar a confiança no seu trabalho.

Não acredite em boatos, campanhas, crianças perdidas ou pesquisas reveladoras desenvolvidas no exterior. Mensagens com esse tipo de conteúdo geralmente são artimanhas para que os seus dados de contato caiam em maillings pouco confiáveis.

Evite a todo custo a palavra urgente. Quem diz que algo é urgente, na verdade está dizendo que não se programou com a antecedência necessária e que agora quer transferir essa pressa a você.

Lembre-se de que o texto digitado não possui a carga emocional de atitudes e fisionomias que caracterizam a comunicação pessoal. Uma solicitação pode ser interpretada como uma cobrança ou bronca se a mensagem não for clara. Eventualmente, se houver intimidade, os emoticons podem substituir a ausência de um sorriso, mas use-os com moderação. Ainda assim, nada substitui o contato pessoal. Se um email, SMS ou mensagem no Facebook não resolver, telefone!

Com a popularização da internet, os e-mails passaram a ter cada vez mais importância na vida das pessoas, seja para ser usado para fins pessoais ou profissionais. Ao escrever uma mensagem para alguém, tente ser o mais breve e direto possível e não deixe margem para a má interpretação de seu texto. Se ele for muito longo ou o assunto for importante, ligue!

Ao enviar um e-mail para múltiplos destinatários, lembre-se sempre de colocar todos os endereços no campo de cópia oculta (CCO ou BCC se for inglês). Isso protege os seus contatos e torna a mensagem mais pessoal. Ao responder mensagens que foram encaminhadas para muitos destinatários, verifique se é mesmo necessário responder a todos, ou se basta responder apenas àquele que criou a mensagem original.

Evite enviar anexos muito grandes. A maioria dos sistemas de mensagens eletrônicas e conexões de internet permitem com segurança anexos de até 5 megabites. Caso precise enviar arquivos maiores do que isso, aprendar a subir o arquivo para a nuvem e mande o link para download. Ou peça a autorização do destinatário antes de entupir a caixa postal dele.

Confirme sempre o recebimento dos e-mails importantes. Existe um axioma do nosso Método que diz categoricamente: e-mail não funciona. Jamais assuma que o destinatário leu sua mensagem. Muito pior do que isso é ficar nervoso com os demais pela sua falta nesse cuidado.

Se for viajar, lembre-se de programar uma resposta automática avisando que está saindo de férias. Notifique o período que estiver fora e diga que responderá assim que possível.

Finalmente, fique atento: atualmente e-mails podem ser utilizados como documentação de acordos e conversas, até mesmo judicialmente. Portanto, evite enviar textos se estiver muito emocionado. Você pode se arrepender disso no futuro.

Vernon Maraschin – Instrutor do Método DeRose – Diretor da Unidade Vila Madalena

________________

A Flávia Penido, em uma de minhas redes, acrescentou: “Faltou: nunca, nunca mande mensagens privadas no Facebook com milhares de pessoas como destinatário. isso é deselegante.” Alessandro Martins.

________________

Utilizar CAIXA ALTA no texto de mensagens é deselegante, pois indica que você está aos BERROS com a outra parte! Parece óbvio, mas é oportuno lembrar.

Instr. Itamar Campos
Unidade Dom Luis – Fortaleza/CE

sexta-feira, 1 de abril de 2011 | Autor:

Mestre, da série “Axioma número um” e “por que não devemos usar certas palavras”: veja o absurdo e a discrepância entre o que está no título da matéria e o relato do que de fato aconteceu. Os pais eram malucos, só alimentavam a criança com leite materno, davam banho na filha com terra e não acreditavam em remédios, não cuidaram de uma pneumonia que a criança desenvolveu – e o autor quer fazer crer que a criança morreu porque não comia carne.

http://noticias.uol.com.br/bbc/2011/03/31/vegans-franceses-sao-acusados-de-homicidio-apos-morte-de-filha-por-desnutricao.jhtm

Essas coisas são de fazer o sangue fervilhar. Beijos!

Bruno

_________________

Mais uma besteira da matéria foi declarar que os vegetarianos apenas não comem carne vermelha! Então, carne de frango ou carne de peixe não são carnes? E vegetariano come carnes? Se burrice matasse, não seria só a criança do casal francês que morreria, mas quem escreveu a matéria também.

Minha filha Chandra nunca comeu carnes e está saudável e bonita com quase trinta anos de idade. Como ela, tantas outras crianças que vi nascer e crescer, hoje com vinte, trinta e quarenta anos de idade, todas fortes, inteligentes, lindíssimas. Eu parei de comer carnes quando estava em idade de crescimento e cresci mais que o meu pai e irmão mais velho. São já mais de 50 anos de “não-carnivorismo” e hoje sou mais forte  e mais em forma que a maioria dos da minha idade (quase setenta anos). Já era hora de a ignorância o preconceito cederem lugar às evidências.

Mas relembro que não somos vegans, nem macrôs, nem naturébas. Hoje, quase me arrisco a declarar que nem mesmo podemos ser enquadrados como vegetarianos, na acepção popular. Somos “não-carnívoros”.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011 | Autor:

Publicado no jornal Folha de São Paulo, dia 5 de janeiro de 2011, na página C-10:

“A empresa Power Balance foi obrigada, na Austrália, a desmentir publicamente os supostos efeitos terapêuticos de suas pulseiras e a garantir o reembolso a consumidores que se sentirem lesados pela propaganda enganosa.” No Brasil a Vigilância Sanitária proibiu a propaganda dos efeitos terapêuticos das pulseiras. Na Espanha, a revendedora foi multada em 15 000 euros por propaganda enganosa. Na Itália, a distribuidora foi multada em 300 000 euros. Mas nesse meio tempo, muita gente se deixou enganar e enriqueceu a Power Balance comprando a pulseira com o seu rico dinheirinho. Ainda bem que foi só dinheiro! Já imaginou se fosse uma seita? Teria arrastado todos aqueles ingênuos para sua fileiras. Por isso, gosto dos céticos. Dificilmente eles seriam convencidos de alguma coisa.

Mais uma vez, o Axioma Número Um do Método DeRose provou ser um ótimo dispositivo de segurança.

segunda-feira, 26 de abril de 2010 | Autor:

Axiomas

Estes axiomas são o fruto de muita experiência de vida. Eles foram elaborados pensando em você e para ajudá-lo a tornar sua vida mais fácil. Aceite-os como um presente. Reúna sua galera para desfrutá-los num grupo de debates ou de meditação.

1. Não acredite.

2. Dar segunda chance é dar uma segunda oportunidade para que a pessoa repita a mesma atitude.

3. Repassar sua incumbência a terceiros é uma forma quase infalível de a tarefa sair errada.

4. Deixar recado não funciona.

5. Fazer surpresa quase sempre resulta em desastre.

6. Tudo o que você disser chegará ao conhecimento da pessoa envolvida no comentário.

7. Nada é aquilo que parece ser.

8. Tudo é relativo.

Axioma temporário: E-mail não funciona (a menos que você telefone perguntando se o destinatário conseguiu abrir e ler o arquivo).

Axioma Número Zero (do Joris Marengo): O Mestre sempre tem razão.

[Espero que o Joris tenha razão!]

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose