terça-feira, 11 de janeiro de 2011 | Autor:

O maior presente que os meus amigos me proporcionaram foi a agilidade. Preciso lhe confessar que sofro muito com a falta de agilidade de alguns companheiros. Se eu não tivesse agilidade na criação, elaboração e conclusão dos meus projetos, não estaria onde estou hoje. Quem demora para se mover é atropelado por quem vem atrás. O brasileiro tem o ditado “sai da frente que atrás vem gente”. E o vídeo A questão dos paradigmas afirma: “quem diz que é impossível deve sair da frente de quem faz.” O conceito é semelhante.

Nestes últimos dias eu senti que muitos dos que nos acompanham aqui no blog são mesmo leões da Nossa Cultura e que estão dispostos a rugir junto comigo no TIMING CERTO. Senti uma felicidade imensa quando todos se agilizaram sem que eu tivesse que empurrar.

Quando tive a graça de testemunhar a agilidade com que as pessoas sugeriram, começaram e concluíram a transcrição da entrevista, e ainda puseram em prática, por conta própria, várias formas de uso da gravação, fui contemplado com a maior das demonstrações de afeto e de apoio, com a maior das proclamações de que estou sendo compreendido e de que meu discurso não foi em vão.

Gostaria muito que isso se tornasse uma constante e uma característica nossa. Gostaria imensamente de poder incluir nas características do Método: uma agilidade destemida, um ritmo de realização alucinante, uma explosão de capacidade criativa e realizadora medida em apenas um átimo entre o surgimento de uma ideia e a conclusão do projeto final e acabado.

Certa vez, Milton Aizemberg, então, marido da Rosângela de Castro, acompanhando-me no meu dia rotineiro em São Paulo me disse: “DeRose, o seu ritmo me deixa zonzo.”

Eu gostaria que você conseguisse me acompanhar, afinal, já sou quase bisavô. Se você não consegue acompanhar um bisavô, meus pêsames, você não é deste século. Não será um vencedor.

E ao que me acompanha no Ritmo DeRose, meus cumprimentos mais efusivos. Sei que posso confiar em você. Vamos rugir juntos e mudar o mundo!