segunda-feira, 25 de julho de 2011 | Autor:

Mestre querido, obrigado pelos preciosos ensinamentos.
Segue texto que escrevi sob influência do seu livro Anjos Peludos.
Fala, entre outras coisas, sobre o poder do sorriso

Você já se sentiu poderoso?

Gosto muito de ensinar e nada me ensina mais do que educar. Aprimoro-me a cada dia com o intuito de lapidar gente.
É claro que pensando e repensando a melhor forma de educar estou constantemente me aprimorando, me reconstruindo.
Nem sempre é possível ensinar como gostaria. Às vezes do banquete que tenho a oferecer o aluno consegue degustar apenas a entrada. Tudo bem. Aprendi, nos meus 5 anos como instrutor, que paciência, muita paciência é pré-requisito para quem quer se tornar um grande educador.
Dedico-me a reeducar comportamento, reeducar respiração, implanto programa de qualidade de vida em empresas, lifestyle coaching para empresários, treino desportistas de alta performance. Todo o conjunto de técnicas e conceitos que me dedico a transmitir, e muito mais, vem de uma Cultura que se denomina Método DeRose.
Alguns alunos querem mais, tem fome de aprimoramento, se dedicam ao refinamento nas relações humanas e com o meio ambiente, aliam a prática diligente de técnicas respiratórias, corporais, de descontração, de concentração, de meditação ao aprimoramento comportamental. Esses são os que melhor entendem nossa proposta, esses facilitam o meu prazer de ensinar e são os que mais evoluem. É um deleite ensiná-los.
Há poucos dias tive uma experiência prática que me encheu de confiança quanto ao poder do que ensino, imagino que os mais identificados já tenham passado por experiência semelhante.
Gosto muito do contato com a natureza (isso também me deixa muito feliz) sou surfista desde os 13 anos de idade e este ano completo 36, amo muito esse esporte. Estou certo que como em qualquer meio desconhecido, as suas ilusões cairiam por terra, ou por água salgada, se convivesse com o padrão comportamental da tribo do surf. Os mais conscientes cultivam as boas relações humanas mas, em sua maioria tratam-se de pessoas mal educadas, são violentos, territorialistas. Ai dos desconhecidos! Qualquer semelhança com alguns ambientes de trabalho seria mera coincidência?
Em um dia com muitos desses bárbaros na água decidi testar as teorias que ensino em minhas aulas. O clima não era amistoso, gritos de intimidação surgiam aqui e ali. Resolvi assumir uma postura confiante, a linguagem corporal inevitavelmente definiria se o meu papel seria de presa ou não. Ergui a cabeça, estufei o peito e usei o mais infalível dos truques que tinha na manga do meu wetsuit, desenhei um constante e discreto sorriso no rosto. Os olhares inquisitores daqueles que me cercavam se transformaram como passe de mágica, surfei sem ser incomodado, e por incrível que pareça transformei alguns olhares intimidadores em um bate papo informal e descontraído.
Ali me senti poderoso, comprovei o poder do Método que ensino, e constatei que a forma mais eficiente de ensinar é através do exemplo. Senti-me na onda perfeita.

Instrutor Helton Santana