segunda-feira, 7 de junho de 2010 | Autor:

Luciano Lameira

Lendo Conexões Ocultas, do físico Fritjof Capra, fiz associações com o nosso Método e gostaria de compartilhá-las. Capra diz:

“Quando átomos de carbono, oxigênio e hidrogênio se ligam de uma determinada maneira para formar o açúcar, o composto resultante tem um sabor doce. A doçura não está no C, nem no O, nem no H; reside, isto sim, no padrão que surge de uma determinada interação dos três. Em outras palavras, é uma “propriedade emergente”, ou que surge espontaneamente. Além disso, a rigor, essa doçura não é uma propriedade das ligações químicas. É uma experiência sensorial que surge quando as moléculas de açúcar interagem com a química das nossas papilas gustativas, interação essa que, por sua vez, faz com que um conjunto de neurônios sejam estimulados de uma maneira específica. A experiência da doçura nasce dessa atividade neural.”

Assim como a característica do açúcar é a doçura e esta surge de uma série de fenômenos emergentes que ocorrem em diversos níveis de complexidade, também o Método DeRose tem seus resultados e estes não seriam os mesmos se suas partes fossem aplicadas isoladamente. O “C” da Nossa Cultura são os conceitos e o “O” surge dos oito angas. A soma de conceitos e técnicas não teria o efeito esperado se não houvesse ainda o “H” que representa o Homem. Não um ser humano qualquer, mas aquele que é capaz de transformar os estímulos através de um conjunto de atividades neurais que gerem toda a experiência sensorial e evolutiva encontrada na nossa filosofia. Portanto, como na Parábola do Croissant, o resultado depende dos ingredientes e, literalmente, da química.

beijos

Lameira