terça-feira, 11 de dezembro de 2012 | Autor:

Motoristas de táxi, às vezes, aproveitam-se do fato de que não estão estabelecidos em um endereço fixo e, portanto é difícil localizá-los ou reencontrá-los caso algo corra mal na sua prestação de serviços.

Imagine que você esqueceu o seu celular ou uma bolsa dentro do táxi. Como localizá-lo para reaver seus pertences?

Vanessa de Holanda, quando era mais jovem, tomou um táxi no Rio de Janeiro para levar suas roupinhas para a lavanderia. Quando saiu do carro para retirar as roupas do porta-malas, o motorista arrancou e roubou tudo. Imagine a carinha de decepção da Vanessa. Mas serviu de escola. Alguns cursos custam caro, mas valem a pena, pois nos ensinam lições que aproveitamos pelo resto da vida.

Em Buenos Aires é preciso tomar cuidado com o troco que o motorista lhe dá. É comum ser com cédulas falsas. Vale a pena pagar com a quantia exata ou deixar logo o troco para o condutor.

Na Índia é impossível fazer uma corrida de táxi sem que ocorra uma discussão no final sobre o preço a ser pago. Ainda que o valor tenha sido combinado antes, chegando ao destino o motorista invariavelmente quer cobrar muito mais.

Em Paris, certa vez, quando o trânsito ficou mais congestionado, o motorista me disse com a maior desfaçatez que ele não iria enfrentar a lentidão e mandou que eu descesse no meio do trajeto!

Em New York, vários conhecidos me relataram histórias de arrepiar os cabelos sobre grosserias cometidas pelos motoristas. Um deles foi posto para fora do táxi porque espirrou!

Em São Paulo, encontrei alguns dos mais honestos e simpáticos taxistas, mas nem por isso podemos ignorar o fato de que alguém com sotaque de outra cidade eventualmente seja levado pelo caminho mais longo.

E, em vários países, não podemos descartar a possibilidade de assalto ou estupro cometido pelo motorista, o que é raro, mas não convém arriscar.

Como evitar todos esses inconvenientes? Simples: procure só tomar táxis nos respectivos pontos, onde os motoristas são conhecidos dos demais e é fácil apresentar uma queixa-crime. Ou então, solicitar um carro de alguma das muitas empresas de fornecimento desses serviço por telefone. Esses motoristas, mesmo que queiram aprontar, ficam inibidos em suas intenções.

Se, de todo, for necessário tomar um táxi na rua, use o seu celular para informar ostensivamente algum amigo sobre a placa do carro e o nome do motorista (que geralmente consta de um registro em letras grandes para que o passageiro saiba quem está conduzindo o veículo).

Por outro lado, sempre que alguma amiga entra em um táxi, eu anoto o número da placa. Só por precaução.

________________________
Uma dica: no aeroporto do Galeão,  ligar para Libertaxi Coop. 2594-5533 / 2583-9650 que custa a metade do Coopertramo e tem ponto muito pertinho. Demora 10 minutos.
Mestre um abraço forte, ótimo final de semana.
José Caffarena – Unidade Leblon