terça-feira, 18 de maio de 2010 | Autor:

Meu voto neste excelente blog já foi confirmado.Também estou concorrendo no TOP BLOG 2010, porém, na categoria COMUNICAÇÕES, com o blog http://www.esperantoforadatoca.blogspot.com
Um especial ” kore salutas!” a todos os esperantistas que fazem parte do grupo de seguidores do Mestre DeRose!

Fernando Marinho

________________

Este é o título do post que acabo de colocar no blog http://www.esperantoforadatoca.blogspot.com : “Um blog fora de série: Blog do DeRose”.

Fernando Marinho

________________

Ô, meu querido! Muito obrigado! Você foi muito cavalheiro ao colocar nossa entrevista no seu blog. Eu gostaria muito que todos os nossos amigos e colegas visitassem o seu blog, pois tenho uma paixão não satisfeita com o esperanto. Quando era adolescente estudei com o livro Junul-Kurso e me entusiasmei com a proposta de um idioma universal, muito mais lógico e fácil. Em meia hora eu já estava falando alguma coisa, construindo algumas frases. Esperanto é um ideal lindíssimo. Bonan nokton.

DeRose

________________

Opa!
Que surpresa! Que bom ver essa troca de palavras gentis entre meu amado tio Fernando Marinho e Mestre De Rose. Duas figuras brilhantes e muito queridas por mim.
Abraços plenos de ki.
Jose Bueno
http://zerobueno.blogspot.com
http://aikidoharmonia.com.br

________________

Sabe, Bueno, eu tenho um sonho. Não sei se algum dia conseguirei realizá-lo. Sonho em, sempre que um candidato solicitar inscrição na minha escola, mandá-lo antes praticar Aikidô. Dessa forma, quando entrar para o nosso Método, já chegará com noção de disciplina, hierarquia e de uma boa relação Mestre/discípulo.

Várias vezes digo aos alunos que de agora em diante nosso cumprimento vai ser assim-assim (igual ao do Aikidô, mas eu não abro o jogo no início). E pergunto como eles se sentiriam sinceramente. Como se sentiriam seus amigos e parentes se os vissem me cumprimentando assim? Alguns dizem que se sentiriam constrangidos. Outros, percebendo que não era de verdade, declaram que achariam muito místico. Outros chegaram a afirmar que se adotássemos esse cumprimento eles sairiam da escola. Então lhes digo que era uma pegadinha. Que não vamos adotar esse cumprimento, mas que ele é a saudação do Aikidô. E pergunto: “Por que no Aikidô você faria esse cumprimento, acharia natural e o consideraria uma grande demonstração de disciplina, mas no Yôga você se recusaria e o consideraria ‘místico’ ? Então, estamos diante de um preconceito, um paradigma com dois pesos e duas medidas.” Quando termino a exposição, percebo que alguns compreenderam. Mas outros não. Precisaria mandá-los para o Aikidô!

Quem sabe, um dia, eu consigo realizar meu sonho?

DeRose