segunda-feira, 27 de junho de 2011 | Autor:

Quero acrescentar uma experiência que vivi recentemente com relação ao que descreve o post “Uma genuína e destemida felicidade”, na qual um amigo samsarin (outsider) registrou com tanta propriedade a sensação agradável que vivenciou durante cinco horas que passou com gente nossa, jogando conversa fora e dando risada. Por sincronicidade, minha experiência de “destemida felicidade” ocorreu na mesma cidade que foi palco daquela descrita pelo Paulo Polzonoff Jr.

Costumo dizer que fui o instrumento da deflagração de uma Cultura libertária, cujos frutos todos usufruem, menos eu. Por respeito, talvez excessivo, talvez fora de lugar, na minha presença todos se comportam de forma menos descontraída do que aquilo que eu prego, diferentemente da maneira como agem entre si, justamente por porem em prática o que ensino. Assim sendo, quase me sinto excluído da minha própria biosfera. Mas uma noite em Curitiba, depois do meu curso na Unidade Centro Cívico, os instrutores espontaneamente se reuniram na sala ao lado e começaram a conversar, brincar, propor jogos. Convidaram-me a participar. Naquele momento senti que a minha presença não intimidava o grupo e, até pelo contrário, parecia deixá-los contentes pela minha participação. Estavam soltinhos como eu sempre sonhei e poucas vezes testemunhei. No ar, a pureza de uma legião de anjos a reinventar folguedos shaktistas e a reforçar os vínculos de amizade. Imerso em estado de graça, perguntava-me a mim mesmo:

Será que isto ocorre noutras escolas, noutras cidades, noutros países? Será que as pessoas compreenderam a mensagem de “destemida felicidade” com que espero contagiá-las? Isso eu não sei, mas certamente ganhei alguns anos de vida naqueles momentos inocentes, sem álcool, sem fumo, sem drogas, nos quais uma confraria de profissionais amigos e amorosos compartilhou entre si e comigo sua alegria sincera, seu cândido afeto.

Saí dali com a alma lavada e o coração leve. Dormi sorrindo e acordei mais jovem, com mais disposição para produzir, escrever, viajar e ensinar. Havia esperança! Se hoje escrevo coisas boas neste blog, devemos muito àquela noite depois do meu curso na Unidade Centro Cívico, em Curitiba.