terça-feira, 14 de junho de 2011 | Autor:

Bom dia Mestre!

Com este texto me lembrei de um uma conversa que tive com um amigo. Estávamos em um bar, ele tomava cerveja e fumava um cigarro, eu tomava um suco e respirava oxigênio, tomando cuidado com a direção do vento. Meu amigo me disse de sua dificuldade em deixar o cigarro (que já o acompanhava por anos) e eu resolvi falar sobre a minha dificuldade em entender esta dificuldade. Contei que já havia experimentado, não apenas uma vez (fui insistente), o tal bastão nicotinoso, porém nunca me senti no impulso e muito menos na compulsividade em fumar; por isso, quando decidi, ou bercebi, que aquilo não funcionaria para mim, simplesmente nunca mais provei nem senti vontade. Conversa tranquila sem pregações.
Dois meses depois nos reencontramos e ele disse: “Bruno, sabes que depois daquela conversa parei de fumar!?” Eu pedi até desculpas, não era minha intenção convencê-lo a deixar algo de que gostava. Ele então me disse que eu não o convenci, eu o contaminei. Contaminei com meu posicionamento e atitude.
Então percebi que minha forma de ativismo não era mesmo a de fazer passeatas nem discursar chateações às pessoas. O exemplo é muito mais poderoso.

Obrigado pela oportunidade de fazer parte deste exército de disseminadores de idéias. Vamos contaminar o mundo com boas maneiras.

Um abraço apertado, e até breve!

Bruno Mazetto
Unidade Londrina