quinta-feira, 5 de março de 2009 | Autor:

Dia 4 de março transcorre o aniversário natalício da nossa inesquecível e insubstituível Renata Sena, Fundadora da Federação Francesa de SwáSthya Yôga. Fiquei muito feliz porque os próprios instrutores do Brasil e da Argentina (sem mencionar Portugal, é claro!) lembraram-se dessa data e houve uma movimentação por e-mails, telefones, skypes, blogs e outros meios de comunicação, em sua homenagem.

Renata Sena deixou uma obra importante e constitui exemplo a todos nós daquilo que uma pessoa consegue realizar quando tem foco e está engajada. Ela se esforçava muito.

No último dia em que estivemos juntos, em Paris, caminhamos de mãos dadas, fizemos compras, conversamos bastante, demos boas risadas e degustamos ótimas comidinhas. Três dias depois, Renata teve um acidente vascular cerebral dentro do avião que a traria ao Brasil e nunca mais acordou.

Veja como é importante manter boas relações com as pessoas. Já imaginou se nosso último contato tivesse sido tenso, se insatisfações tivessem marcado nossa conversa? Sem dúvida, hoje haveria um sentimento de culpa.

Não sabemos quando nos vamos. Nossa passagem pelo mundo tem a duração de um relâmpago. É preciso sermos felizes e fazermos os outros ainda mais felizes. É isso que prega a Nossa Cultura. É para isso que estamos aqui.

Zélia Couto e Santos

Mestre, ontem a Renata faria 50 anos. Foi um dia em que pensei nela ainda mais do que o costume.
Não há dúvida de que deixou marca no SwáSthya e no mundo. Se eu hoje estou aqui, o devo a ela que me deu a conhecer esta egrégora. Foi ela que um dia, há muito tempo, me apresentou ao Mestre e tenho a honra de poder dizer que fui a sua primeira monitorada.
A Renata era uma poetisa e deixou poemas lindíssimos. Vou deixar aqui um, em sua homenagem, pois sei que era o seu poema preferido. Quanto a mim, Renata nunca te esquecerei! SwáSthya!

“Mestre!
Ao sentir-me, sem rumo
nesta terra de Pessoa.
Aonde os meus próximos
me encorajam,
Aonde os meus pares
me confundem.
Procuro heterónimos…
um a norte que saiba dizer não
um a sul que grite “cuidado”
a oriente a magia do som
a ocidente o deslumbre da luz,
Até que um rosto surge
no horizonte da memória,
De olhar doce e sereno
Com voz segura e forte
A mais bela “Rosa dos ventos”
São os seus ensinamentos
A bússula mais eficaz
Está nas páginas dos seus livros.
DeRose, obrigado.

Com dedicação e lealdade
A eterna discípula

Renata Sena”