terça-feira, 1 de setembro de 2009 | Autor:

Os instrutores Alexandre Montagna e Daniela da Silva, e os alunos Sarita Borges e Hélio Roman sofreram um acidente quando vinham de Chapecó para Joinville. Bateram de frente em outro veículo. Incrivelmente, todos sobreviveram com ferimentos leves. Isso é impressionante, porque uma batida de frente na estrada era para não sobrar ninguém para contar a história. Mas a egrégora nos protege.

No Festival de Florianópolis de 2008, uma turma que vinha de São Bernardo, SP, capotou na estrada. Ninguém se machucou. Seguiram viagem e participaram do festival como se nada tivesse ocorrido.

Ontem, ao contar esse caso, fui informado de outro acidente em que o veículo do nosso pessoal capotou e depois foi abalroado por outro carro. Ninguém morreu. Ninguém se feriu gravemente.

Considerando que somos tantos milhares, que temos tantos eventos em tantas cidades e que viajamos o tempo todo, é impressionante que tenhamos tido tão poucos acidentes ao longo das décadas e que, em 50 anos, ninguém tenha morrido em acidentes de estrada!