segunda-feira, 15 de junho de 2009 | Autor:

Tempos atrás tive uma ideia. Nossa Cultura conta com mais de cinquenta mil alunos matriculados nas escolas ou associações credenciadas; e mais de um milhão de alunos informais à distância, que estudam pela internet, pelos meus livros, vídeos e CDs sem pagar nada, pois podem baixar esse material didático gratuitamente do nosso website. Isso representa um exército que se for bem orientado pode prestar inestimáveis serviços à comunidade.

Considerando apenas os alunos formalmente matriculados, se cada um doasse um real por mês poderíamos construir várias casas populares todos os meses para as populações carentes. Poderíamos construir um hospital ou uma escola todos os anos! Mas logo percebi que, embora lindo, esse ideal poderia me vulnerabilizar perante os opositores por envolver dinheiro. Então optei por outra forma de ajudar os desvalidos. Passei a encorajar nossos voluntários a que se engajassem em todas as campanhas nacionais, estaduais e municipais, tais como a Campanha do Agasalho, Natal sem Fome e a ajuda voluntária a entidades de assistência do seu bairro e da sua cidade. Assim, não mexemos com dinheiro, mas conseguimos uma participação relevante nas ações sociais que já existem. Cultivando o instinto de ajudar, nossos alunos começam a tomar iniciativa própria de efetuar donativos, bem como visitar orfanatos, asilos e outras instituições para auxiliar no que for possível. Vários se tornaram membros do Rotary e de outras entidades humanitárias.

Em Portugal, nossas escolas destinam uma parte da mensalidade de cada aluno para a Unicef da União Européia, o que nos valeu uma medalha dessa entidade.

Parabéns a todos os instrutores, alunos, leitores, simpatizantes e colaboradores que de forma direta ou indireta tomam parte e estimulam os demais a se juntar a nós nessas iniciativas. E agradecemos ao Rotary, bem como à Defesa Civil, por nos darem a oportunidade de ajudar. Gostamos muito do lema desta última: “Defesa Civil somos todos nós.” É verdade. E é bonito!

 

Regina Wiese Zarling

Ontem enquanto jantávamos na Piola, comentávamos exatamente sobre esse assunto. Na Uni-Yôga Batel, já iniciamos a campanha do agasalho e já começamos a pensar em outras campanhas que possam ser feitas.

Eu particularmente também acho que além das doações materiais deveríamos visitar orfanatos e entreter as crianças, tocando violão para elas; ir aos azilos e conversar com as pessoas que vivem lá, muitos completamente abandonados por seus famíliares. E tantas outras ações que pudemos fazer para trazer alguns momentos de alegria para as pessoas. Um exemplo que acho muito bonito é o Dr da Alegria.
Bjs
Regina-Curitiba