domingo, 14 de outubro de 2012 | Autor:

Vocabulário para marujos brasileiros de primeira viagem:

sortie = sorte

maison = mesão

bureau = burro

burreau de poste = burro amarrado no poste

gateau = gato grande

petit gateau = um pequeno grande gato (como o “pequeno grande homem” e o “little big horn”)

montre = monstro

lunette = luneta

Hôtel de Ville = Hotel da Vila

tablette = tablete, pastilha

à demain = a duas mãos

crier = criar

papillon = papelão

quarte = quarto

morceau = morcego

mairie = maria

sedan = seda grande

ombre = ombro

s’assoir = se assoar, assoar o nariz

roquette = raquete (de tênis, de ping-pong etc.)

calotte = calote, dar o calote

satin = Satan, o Demo.

de rien = para rir

macarron = macarrão

macarronade = macarronada

merengue = um tipo de dança

en suite = no quarto com banheiro

propre = próprio

veste = veste, roupa

attendre = atender

cou =  uma parte da anatomia humana

gengibre dans ton cou = gengibre no seu pescoço

esperer = esperar, aguardar

depuis = depois

tirez = tirar

monter = montar

femme de ménage = mulher que faz ménage à trois

chochotte = chochota

livre = livre, liberto

chat = chato

rien = rio

bijou = bijouteria

embrasser = abraçar

baiser = beijar

fenêtre = frenética

 

quarta-feira, 18 de abril de 2012 | Autor:

 

Herois do mar, nobre povo,

Nação valente, imortal,

Levantai hoje de novo

O esplendor de Portugal!

Assim é. Estou cá e estou lá. Enquanto escrevo estes posts sou powerizado pelo magnífico som do CD de áudio Os Lusíadas, do shakta ZéPaulo, autor do nosso Hino. Sonzaço, de uma grandiosidade digna de Camões. Sinceramente e sem exagero algum, se não soubesse que é de gente nossa, só ouvindo, eu apostaria que era trilha sonora de uma superprodução de Hollywood. Tenho pena que um gênio como o ZéPaulo ainda não tenha sido descoberto. Tenho pena de nossa editora ainda não dispor de mais recursos para podermos editar tudo o que merece e precisa ser editado. Tenho pena de não vivermos no centro do Império Romano onde todas estas obras contariam com a visibilidade e com o reconhecimento que merecem.

Procurem, companheiros da Nossa Cultura, escutar e ter para si esta obra que me infunde força e poder, mas ao mesmo tempo lágrimas aos olhos, de uma emoção inexplicável que turva as palavras que escrevo. Refiro-me neste momento à faixa 4, intitulada Vasco da Gama. Sinto-me arrebatar pelos mares desconhecidos, com a bravura indômita daqueles herois que fizeram de nós, brasileiros, o que hoje somos. E, apesar de constituírem a Pátria-Mãe do nosso Brasil, recebem-nos com a simplicidade e com o carinho que em nenhuma outra parte encontramos; com a paciência pelas nossas indelicadezas involuntárias que só um avô concederia aos seus netinhos mal-educados.

Minha alma agradecida se curva perante a estatura do artista ZéPaulo que me conduziu a esta viagem pelo tempo dos nossos ancestrais, mergulhando meu espírito em pompa, glória e dignificência. É difícil imaginarmos hoje o que era a superpotência mundial que singrava os oceanos e conquistava a Ásia, a África e a América. Escutando o acordes de Os Lusíadas de ZéPaulo, você vai entender a que me refiro e vai se emocionar também.

E obrigado Zélia, por respaldá-lo com o seu amor e apoio. Os artistas precisam muito de compreensão para que possam criar as obras que nos curvarão os joelhos pelos séculos vindouros.

Zelia Couto e Santos

Só para relembrar o blog dos Lusíadas é:

http://zepaulo.bloguedemusica.com/

SwáSthya!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011 | Autor:

Que coisa boa ter acompanhado a construção deste post :D. Dei umas boas risadas lendo-o agora ahahahahah.

Aproveito para convidar todos os colegas do mundo a visitar Paris em 2012, em sua companhia, olha que máximo :).
Te envio o link do vídeo do evento deste ano. Os que vieram se maravilharam com a cidade, o evento e sua presença!
Um abraço e obrigada por tudo
Soninha

quarta-feira, 5 de outubro de 2011 | Autor:

Você já conhece essa capital, Belo Horizonte?

Não conhece? Então, aí está uma excelente oportunidade de conhecer.

Já conhece? Então, não perca a oportunidade de rever os amigos mineiros e prestigiá-los com a sua presença.

 

Programação

Sábado, dia 8 de outubro, à tarde conversa com os alunos da Unidade Ouro, à qual estão convidados todos os inscritos no curso, sejam de Belo Horizonte, sejam visitantes de outras cidades.

Sábado, dia 8 de outubro, à noite, lançamento e autógrafos do livro Karma e dharma.

Domingo, dia 9 de outubro, às 14 horas, curso com o Sistematizador DeRose.

 

Curso de Ásana para Coreografia

 

Se você estiver precisando adquirir ou renovar sua autorização para fazer demonstrações públicas, aproveite essa chance. Ainda há vaga para se inscrever.

Mesmo para os que não vão ser avaliados, o curso é um show de arte e beleza. Muita dicas importantes sobre o Método e para a sua prática diária serão transmitidas.

Além disso, é uma curso que expede certificado e que conta pontos para os exames de avaliação e de revalidação na Federação do seu estado.

Mas o mais importante é nos revermos e podermos estar mais um pouco juntos. Lembre-se de que a proximidade com o Supervisor é fator gerador de identificação. Os instrutores mais bem sucedidos são os que têm observado a recomendação da proximidade física.

 

Inscrições com a Instrutora Laura Generoso: (31) 3227-4401. Tente em horários diferentes, pois nós mesmos tentamos falar no dia 3 de outubro das 14 às 15 horas e não conseguimos.

 

Viajar é preciso!          Viagem é cultura!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011 | Autor:

Bonjour de Paris :)
A viagem de volta do Rio foi boa?

Envio a programação e divulgação do DeRose Festival Paris 2011.
Um grande abraço e tenha um bom dia cheio de alegriaaaaaaa.
Beijos
Soninha


 

sexta-feira, 26 de agosto de 2011 | Autor:

Querido Mestre, bom dia!
Estou muito feliz e gostaria de compartilhar isso com você. Meu filho Thiago Gabriolli, formou-se instrutor do Método DeRose em dezembro último e juntou-se a Equipe do Método DeRose Unidade Plaza Sul e com apenas alguns meses de muito trabalho (mais de 12 horas diárias) e dedicação plena, já conquistou um sonho que foi o de viajar para o exterior. Esta é a sua primeira viagem a Europa. Visitará Paris, Roma e Londres durante 20 dias com o que conseguiu poupar nesses meses. Quero que isso seja incentivo aos novos instrutores, pois a nossa profissão é um sucesso, basta foco e determinação e é claro muitas horas de trabalho. Um beijo de uma Diretora realizada. Helô

Reply ]

________________

Que lindo, Helô! Meus cumprimentos a você e meus parabéns ao Thiago. Beijos aos dois.

 

________________

Olá Mestre,

Algumas conquistas com a profissão de Instrutor do Método: um ótimo padrão de vida, viajem para o exterior, participei de vários eventos, cursos e vivências, costitui uma considerável biblioteca de pesquisa, comprei uma escola, investi em um credenciamento e no ano passado, junto com a shakti Ana Maria, comprei um apartamento. Além de ter conhecido a belissíma pessoa que é a Ana. Obtive o respeito da minha família toda e amigos, não só profissionalmente, mas principalmente pelo exemplo de atitude e comportamento que venho aprendendo ao longo destes anos.

Como estou de mudança para São Paulo, precisei vender a escola e o ap.

A escola foi vendida com uma boa valorização e o apartamento está em uma boa negociação também. Além disso, ainda tenho o credenciamento como investimento profissional.

É importante que o Instrutor saiba investir, com consciência, em bens e treinamentos de qualidade. Deve selecionar também pessoas muito sérias e bem humoradas para constituirem suas equipes.

Só tenho a agradecer.

Muito obrigado.

Bjs,

Hudson Mazeto

________________

Você é um grande exemplo de determinação e de sucesso, Hudson. Beijos de todos nós.

quinta-feira, 28 de abril de 2011 | Autor:

Em 1975 viajei à Índia pela primeira vez. Depois, anualmente durante vinte e quatro anos. Ao retornar da primeira viagem, comecei a oferecer o chai aos alunos. Todos gostaram, mas a ideia não pegou. Eu só tinha uma escola e no Rio de Janeiro, na época, argumentava-se que o chai era quente e não deveria servir para o Rio, que tinha elevadas temperaturas. Eu contra-argumentava que se fosse assim, ninguém deveria tomar cafezinho quente e isso era (e ainda é) uma mania nacional.

Passaram-se os anos, repetiram-se as viagens à Índia e eu insistia no chai. A nossa rede cresceu e expandiu-se por quase todo o país, bem como por Portugal, Argentina e, mais tarde, pela França, Inglaterra, Itália, Espanha, Estados Unidos etc.

Mas, curiosamente, embora todos declarassem que gostavam do chai, a ideia não pegava. O paradigma ocidental contemporâneo era de que uma escola de hinduísmo no Ocidente tinha que ter chazinho naturéba. Você sabe: aquelas infusões muito boas para a saúde, mas com gosto ruim. Acontece que não trabalhamos com terapia, nem com gente doente. Mas o pior era o fato de que esse costume constituía um falso estereótipo e nós somos contra estereótipos, especialmente os falsos.

Um dia perdi a paciência e disse que a escola que insistisse em servir “chazinhos” naturébas não estava alinhada conosco. Que o chá da Índia era o chai e que eu não queria ver outro que não fosse o chai nas nossas escolas. Aí, funcionou! Todas as nossas escolas começaram a servir o chai e assim o fizemos durante alguns anos.

Pouco a pouco, vimos aparecer o chai nesta e naquela casa de chá, bem como em alguns restaurantes mais finos. Mais algum tempo se passou e o chai se fez presente em algumas entidades culturais. Ele já estava bem popular quando a rede Globo lançou uma novela inspirada na Índia. Nossos milhares de alunos que eram aficcionados do chai exultaram ao ver na TV a nossa bebida institucional. Daí para a frente, passamos a encontrar chai em toda parte, alguns deles intragáveis. Em muitos restaurantes, inseriam no cardápio uma explanação que era a cópia literal dos nossos textos explicativos sobre o chai.

Por tudo o que foi descrito, julgamos que fomos nós que introduzimos o chai no Brasil, Argentina e Portugal.

Como preparar o chai

(texto extraído do nosso livro “Alimentação biológica”)

Na Índia, o chai é feito com leite e, eventualmente, com condimentos. Muitas vezes, vi os hindus preparando o chai na rua. É muito simples.

Eles colocam em uma panela sobre o fogo a quantidade desejada de água, para um copo, dois copos etc. Juntam a quantidade de leite que é quase igual à de água. Colocam a erva do chá preto e o açúcar. Quando sobe a fervura, está pronto! Retiram do fogo e servem.

No entanto, o chá preto não deve ferver porque se torna tóxico. Claro que uma leve fervura não faz mal, porém se puder evitar é melhor. Então, sugiro que você coloque a água para ferver antes, desligue o fogo e – só então – coloque a erva do chá preto, o leite e o açúcar. Açúcar branco, é claro! Na Índia nunca vi o tal de açúcar mascavo. Mas se quiser, tome sem adoçar, pois o adoçante artificial é execrável.

Masala tea, ou masala chai, é o que leva especiarias. Existe um composto que se pode encontrar em alguns importadores de condimentos, denominado tea masala. Masala (pronuncie “massála”) é masculino e significa blend. Basta colocar um pouco do pó, a gosto.

Ginger tea, ou ginger chai, é feito com gengibre, o qual deve ser cortado em fatia finas ou ralado e posto na água que vai ferver. Nesse caso, deixamos ebulir alguns instantes para retirar o sabor e os princípios ativos do gengibre, antes de prosseguir na confecção do chai.

Para variar e também para dar uma refrescada no hálito, pode-se acrescentar cardamomo. Ou em pó, ou em sementes. Neste caso, retiramos as sementes da palha e esmagamo-las com uma faca ou pilão.

É de bom tom coar antes de servir, a fim de evitar fragmentos do gengibre ou do cardamomo.

Use um tipo de chá preto forte. As marcas inglesas costumam ser as melhores e são produzidas na Índia. Os melhores chás ingleses são do tipo Assam e Darjeeling, pois deixam o chai encorpado, com boa cor, aroma e sabor. Os chás pretos sul-americanos não devem ser utilizados porque são muito fracos e têm um sabor bem diferente, em nada aparentado com o do verdadeiro chá preto indiano. No Brasil, os chás indianos ou ingleses são muito caros, mas na Inglaterra e nos Estados Unidos são extremamente baratos. Vale a pena fazer uma viagem para se abastecer.

E um bom chai para você!

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose