sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012 | Autor:

Enviado por Maurício:

 

Olá, Mestre.

Olha que notícia boa encontrei, O Conselho Regional de Nutricionistas – 3ª Região:

– “Todos os tipos de dietas vegetarianas, incluindo a dieta vegetariana estrita, utilizada porveganose e que exclui todos os produtos e ingredientes de origem animal, são viáveis sob o ponto de vista nutricional”. Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª região (CRN-3), que orienta e fiscaliza a profissão dos nutricionistas nos estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo.

– “Os profissionais nutricionistas não poderão mais desencorajar um paciente que chegue ao seu consultório com a opção de uma dieta vegetariana sob o pretexto de essa ser inviável do ponto de vista nutricional”, Dr George Guimarães, nutricionista especializado em dietas vegetarianas.

Neste blog: http://www.nutriveg.com.br/dieta-absolvida-conselho-regional-de-nutricionistas-publica-parecer-sobre-dietas-vegetarianas.html

Outras considerações neste outro blog: http://cantinhovegetariano.blogspot.com/2012/01/parecer-do-crn-3-sobre-dietas.html#more

____________________

Para quem tiver interesse em ler o parecer completo publicado no CRN-3 aí está o link:
http://www.crn3.org.br/legislacao/doc_pareceres/parecer_vegetarianismo_final.pdf

Fiquei feliz ao ler este parecer. Quem sabe assim muitos nutricionistas passem a respeitar mais a opção de cada um e procurem orientar da maneira correta os seus clientes. Eu como futura profissional da área fico envergonhada quando escuto que algum nutricionista tentou desencorajar o seu próprio cliente. Isso acontece por pura falta de conhecimento sobre assunto, o que é mais vergonhoso ainda, já que diversos estudos mostram a viabilidade desse tipo de dieta, além dos seus benefícios!

Beijos,

Patrícia Duque Estrada
Yôginí da Unidade Downtown
Rio de Janeiro — RJ

sexta-feira, 4 de novembro de 2011 | Autor:

Enviado por Claus Haas:

quarta-feira, 5 de outubro de 2011 | Autor:

CIRCUITO ANIMAL MATILHA CULTURAL apresenta:

09/10/11 – EM COMEMORAÇÃO AO DIA MUNDIAL DOS ANIMAIS

– Caminhada “PráCachorro” 10-12:00 h. Cãominhada pelos pontos históricos e turísticos do Centro de São Paulo. Concentração as 10 h. na frente da Matilha Cultural . Traga seu cão em segurança com guia e coleira.

– Cocktail “PráCachorro” 12-13:00 h. Recepção para os cães: comida e água a vontade em espaço reservado só pra eles.

– Loja Centro de Adoção 10-20:00 h. Campanha especial de consultas, vacinação e identificação animal a preço popular. Placas com Gravação, RGA e Microchipagem.

– Restaurante Massa Amiga Vegana 12-20:00 h. Pratos com massas e molhos saborosos a serem servidos em sistema de restaurante ao som agradável da musicoterapia.

– Adoção de Cães e Gatos 12-20:00 h. Tradicional feira de adoção da ONG Natureza em Forma. Cães soltos para adoção interagem com o publico. Todos castrados, vacinados e identificados.

– Cine Matilha 12-20:00 h. Sessões infantil e adulto com o tema animal.

– Bingo Beneficente Pra Cachorro 14-17:00 h. Oferecendo brindes sociais e atrativos, com musica ambiente, apresentações e diversão nos do inervá-los. Participe, divirta-se e ajude os animais.

– Oficina: Seu Reflexo, Seu Cão 17:30-18:30 h. Comunique –se melhor com seu cão.

Stands das ONG`s : Nina Rosa, PEA, Quintal de São Francisco, Tribuna Animal,

Musica ao Vivo, Recreação Infantil, Doces e Salgados Vegetarianos/ Veganos.

Todo trabalho é voluntário.

# ENTRADA COLABORATIVA: R$ 3,00 com direito a um adesivo ou bóton.

# CONVITES BINGO (VENDA ANTECIPADA) R$ 20,00 (entrada colaborativa inclusa+3 cartelas premio máster)

Toda renda será revertida para obras em apoio a causa animal.

Acesso a deficientes físicos, elevador, wi-fi, cartão debito/credito.

Onde?

Rua Rego Freitas, 542 – Centro – Em frente a Pça Roosevel / Igreja da Consolação –SP/SP.

Saiba +: Tel.: 11-2917-0257 / 11-7766-1560 / 11-3256-2636 http://www.naturezaemforma.org.br/centrodeadocao.

Não poderá ir? Ajude-nos. Divulgue. Doe qualquer quantia:

BRADESCO-AG.:3349 C/C: 5800-9 ASSOCIAÇÃO NATUREZA EM FORMA.

Siga o evento no facebook: http://www.facebook.com/event.php?eid=206032539463359.

Realização: Matilha Cultural e Natureza em Forma

domingo, 6 de Março de 2011 | Autor:

Human Physiology

Although many humans choose to eat a wide variety of plant and animal foods, earning us the dubious title of “omnivore,” we are anatomically herbivorous.

 

Teeth, Jaws, and Nails

Humans have short, soft fingernails and pathetically small “canine” teeth. In contrast, carnivores all have sharp claws and large canine teeth capable of tearing flesh.

Carnivores’ jaws move only up and down, requiring them to tear chunks of flesh from their prey and swallow them whole. Humans and other herbivores can move their jaws up and down and from side to side, allowing them to grind up fruit and vegetables with their back teeth. Like other herbivores’ teeth, human back molars are flat for grinding fibrous plant foods. Carnivores lack these flat molars.

Dr. Richard Leakey, a renowned anthropologist, summarizes, “You can’t tear flesh by hand, you can’t tear hide by hand. Our anterior teeth are not suited for tearing flesh or hide. We don’t have large canine teeth, and we wouldn’t have been able to deal with food sources that require those large canines.”

 

Stomach Acidity

Carnivores swallow their food whole, relying on their extremely acidic stomach juices to break down flesh and kill the dangerous bacteria in meat that would otherwise sicken or kill them. Our stomach acids are much weaker in comparison because strong acids aren’t needed to digest pre-chewed fruits and vegetables.

 

Intestinal Length

Carnivores have short intestinal tracts and colons that allow meat to pass through the animal relatively quickly, before it can rot and cause illness. Humans’ intestinal tracts are much longer than those of carnivores of comparable size. Longer intestines allow the body more time to break down fiber and absorb the nutrients from plant-based foods, but they make it dangerous for humans to eat meat. The bacteria in meat have extra time to multiply during the long trip through the digestive system, increasing the risk of food poisoning. Meat actually begins to rot while it makes its way through human intestines, which increases the risk of colon cancer.

Read author John Robbins’ discussion of the anatomical differences between humans and carnivores or review Dr. Milton Mills’ entire article on the topic to learn more.

 

Human Psychology

Humans also lack the instinct that drives carnivores to kill animals and devour their raw carcasses. While carnivores take pleasure in killing animals and eating their raw flesh, any human who killed an animal with his or her bare hands and ate the raw corpse would be considered deranged. Carnivorous animals are excited by the scent of blood and the thrill of the chase. Most humans, on the other hand, are revolted by the sight of blood, intestines and raw flesh, and cannot tolerate hearing the screams of animals being ripped apart and killed. The bloody reality of eating animals is innately repulsive to us, another indication that we were not designed to eat meat.

 

 

domingo, 6 de Março de 2011 | Autor:

“Não é novidade que doenças descritas na literatura científica seguindo alimentação de cães e gatos baseados nos alimentos comerciais a base de carne incluem doenças de rim, fígado, coração, neurológicas, olhos, sistema locomotor e pele, desordens de sangramento, deformações de nascença, compromisso da imunodefesa e doenças infecciosas. Como um veterinário atuante, eu concordo que tais doenças degenerativas tão comuns como o câncer, falência de rim, fígado e coração e muitas outras são exacerbadas ou diretamente causadas pelos numerosos ingredientes perigosos das dietas comerciais a base de carne para cães e gatos.”

Knight defende esta perspectiva ao citar os estudos em:

http://www.vegepets.info/pages/meat_based_commercial_diets.htm#Appendix Studies

Veja o PETA (1994 em http://www.helpinganimals.com/pdfs/Dog_Health_Survey.pdf) para maiores informações nas questões de saúde entre uma dieta vegana contra a dieta não-vegana para cães.

____________________

Preciso acrescentar que não sou adepto da alimentação vegana e sim da ovo-lacto-vegetariana para mim e para minha weimaraner Jaya. Tem dado muito certo para nós dois, para dezenas de cães da Nossa Cultura, bem como para milhares de instrutores e alunos nossos. Todos são fortes, musculados, pessoas bonitas, profissionais de relevo e desportistas de alta performance. DeRose.

 

 

segunda-feira, 15 de novembro de 2010 | Autor:

natcerqueira

Olá Mestre, no blog do Seth Godin ele mencionou o mesmo fenômeno com a palavra mágica “vegan”.

A ausência do termo acidentalmente evitou a activação de todos os esteriótipos associados, transformando o produto num sucesso tanto para os vegetarianos quanto para o público em geral, aqui vai o post :

http://sethgodin.typepad.com/seths_blog/2010/06/lulas-logic.html

beijinhos de lisboa!

Natália

____________________

Martin V

Hola querido De!

Sobre el uso de palabras mágicas… leí un artículo sobre una heladería en New York:

Se especializan en helados veganos, sin nada de lácteos. Pero cuando abrieron no tenían mucho dinero, ni siquiera les alcanzó para poner un cartel de “vegan” en la puerta!

Años después se convirtieron en una de las mejores heladerías de la zona, pero nunca pusieron un cartel “vegan”. Se dieron cuenta de que convenía evitar esa palabrita mágica: al escuchar vegano, muchas personas se imaginan soja, tofu, cosas marrones y sin mucho sabor! Al no decir nada al respecto, la gente toma el helado sin preconceptos! Y les encanta!

Un abrazo!

Martín
Sede San Isidro
Buenos Aires

____________________

Alexandre Montagna

Vim responder teu apelo, Mestre: “Por que não mencionar no mesmo lugar o Método e a palavra mágica?”

Venho com a atitude de mea culpa, mea maxima culpa, pois há tempos escrevi um texto que publiquei ultrarrecentemente em meu blog.

Está bem. “Quando muda um paradigma, volta tudo a zero.” Mas está na hora de eu compreender bem as regras, as exceções e as regras das exceções (se houver) para esclarecer o nosso trabalho ao mundo. Certamente, escrevi na melhor das boas intenções (aquelas das quais o inferno está cheio), achando que o texto receberia a condescendência da exceção devido ao seu posicionamento de esclarecer que a palavra mágica está contida no Método DeRose, mas que é apenas uma fração da filosofia que propomos.

Minha contribuição para a pergunta do primeiro parágrafo: “Porque mudar o rótulo de nosso trabalho para Método DeRose é o que nos permitirá mostrar ao mundo, ao governo, às organizações e instituições sociais e filantrópicas, aos pais e aos amigos, a verdadeira essência do que fazemos e da cultura que preconizamos. Num texto rico de um milhão de palavras, basta que seja uma a mágica para que deixemos de ser profissionais de qualidade de vida de altíssimo nível e passemos a ser ensinantes de saltimbancos para mulheres, idosos e gestantes.”

____________________

HeduanRespondendo a pergunta: Por que não mencionar no mesmo lugar o Método e a palavra mágica?

Para entender a fundo esta questão precisamos voltar um pouco no tempo…

Durante dezenas de anos toda a nossa egrégora batalhou intensivamente para que o público e imprensa entendessem nossa proposta. Mas não teve jeito. Nossa luta foi em vão.
Nenhum de nós aguentava mais a falta de compreensão. Alguns de nós já estávamos desesperados. Falávamos de autoconhecimento, filosofia, cultura e aprimoramento das relações humanas e todos entendiam terapia, zen, relaxamento e religião. (Opa, isto é mágica! Transforma o significado!)
Então, nos conscientizamos que a palavra mágica era na verdade uma caixa preta intocável e imutável.
Solução?
Não vamos mais usar tal palavra. Pronto. Vamos usar outra palavra, outro nome. Qual? Método DeRose parecia mais apropriado, pois era assim que o público, que verdadeiramente nos compreendia, nos chamava.
Quando usamos este nome, todos entendem. Todos se abrem para compreender. Todos associam-no a um trabalho íntegro e responsável. Não existem AINDA conceitos pré-estabelecidos. O nome é quase virgem. Basta que nós façamos a boa fama! (que continuemos a edificar a boa reputação que já tem).
E mais: Método DeRose é mais que Yôga. É maior! É outra coisa.
Dizer que o Método é Yôga é simplificá-lo. Então, não pode. Não podemos comprometer o satya. rsrsrs

____________________

Caros amigos.
Sou empresário, dedico minha vida a uma profissão, ensino um “life style” mais saudável com ênfase em qualidade de vida, nas horas vagas surfo ou faço vôo livre. Me visto discretamente e adoro o básico, calça jeans e camisa, procuro me atualizar no que se refere a alimentação, vestimenta, esporte, cultura, arte e lazer. Como será que sou visto pelos que me cercam? E se eu mencionar a “palavra mágica”, será que muda alguma coisa?
Não aguentamos mais, todas as vezes que mencionamos a “palavra mágica” para nossos amigos e familiares, eles interpretarem aquilo que não fazemos e o que não somos. Se amigos e familiares não compreendem, o problema é mais sério do que pensamos: como entendem aqueles que não nos conhecem? E nossos futuros clientes e alunos? E a opinião pública e a mídia?
Somos responsáveis por esta imagem, positiva para nós ou nem tanto. Temos duas escolhas:
A primeira é continuar sendo comparados com “alternativóides”, “bichos grilos”, “naturebas” e “eco-chatos”, simplesmente informando que fazemos a “palavra mágica”. Vale ressaltar que não tenho nada contra essas formas de levar a vida, apenas tenho um estilo diferente daqueles e que também não fui eu quem os batizei assim;
A segunda é assumir que temos um produto diferente, perceber que ele é destinado para poucos que optaram e querem um estilo de vida mais saudável. Pessoas que assumirão e acatarão, por livre escolha, nossos ensinamentos, que extrapolam posições estereotipadas, o modismo e o consumismo acidental.
Na segunda opção além de nos desvincular de uma imagem errônea, assumiremos nossa marca, defendendo-a e deixando-a livre de possíveis más interpretações oriundas principalmente de informantes externos. Além disso, empresarialmente falando, todas as vezes que valorizamos nossa marca através do profissionalismo, publicidade e de um trabalho sério, que é praxe nossa, estamos atrelados e valorizando a concorrência simplesmente se mantivermos a “palavra mágica”.
Assumamos uma atitude pacífica de não mais estarmos atrelados à “palavra mágica”, assim, por não fazermos mais parte desse meio, não teremos mais confrontos. Por outro lado, devemos adotar uma atitude combativa em assumir e defender nosso Método (e Mestre). A vida é feita de escolhas, optemos como queremos ser vistos e assumamos de que lado profissional queremos estar.
Abraços,
Marcus Amorim
Diretor da Unidade Granja Viana, São Paulo.

_____________________

Deixei de mencionar a palavra mágica, mas alguns amigos meus ainda continuam a usar o rótulo. Uma amiga contou à mãe que eu estava a tirar um curso de instrutora de Yôga, e a senhora perguntou-me como é que eu me vestia. Expliquei que para as aulas práticas precisava de roupa mais confortável.

– Sim, mas e fora das aulas? Quando andas lá…

Fiquei intrigada, sem perceber muito bem a pergunta. Disse-lhe que me vestia normalmente.

– Não usas “aquelas” roupas? Aquelas saias?

Respondi-lhe que me vestia da mesma forma de sempre, tentando esconder a tristeza que aquela conversa me estava a provocar. Isto partiu de uma pessoa que me conhece há alguns anos. Imagine se não me conhecesse!

Com a comida já desisti de me justificar, a não ser quando percebo que a pessoa pede um esclarecimento genuíno.

O que me faz feliz é sentir a reação das pessoas às mudanças positivas que notam em mim. Mas será que percebem que estas mudanças se devem ao Método?

Abração, com a força da paciência e da tolerância!

Susana Sousa
Espaço Lifestyle – Lisboa

_____________________

Por mais que tentemos explicar o verdadeiro conceito da palavra mágica, chegamos há muito tempo a conclusão de que gastamos salivas em vão, uma vez que a mídia já esteriotipou a mesma. Assim, somente excluindo para o povo leigo o uso de tal vocábulo é que poderão compreender a amplitude e a maravilha do Método DeRose. Mesmo porque se o que todos os outros sem experiência e formação alguma ensinam … [a palavra mágica], o que se vive no Método DeRose é completamente diferente, mais belo, mas completo, mais didático e mais contagiante.

Abços com saudades
Regina

Bombinhas-SC

_____________________

Após um “puxão de orelha” há algum tempo atrás por usar a palavra mágica para explicar o que eu fazia, tive plena consciência de como agia erroneamente e como “gastava saliva demais explicando algo que as pessoas não entenderiam por usar o termo incorreto”! Pois bem, no mesmo dia fiz o “teste” e constatei que o Mestre sempre tem razão!
Para obter uma maior desenvoltura, assisti a sua entrevista diversas vezes e passei a mentalizar diariamente formas mais sutis e simplificadas para explicar a proposta de lifestyle coaching; além de presentear as pessoas mais próximas com os livretos. Depois de algum tempo percebi que havia obtido progresso quando ouvi um familiar comentando com um amigo (da maneira como eu havia esclarecido) sobre o Método DeRose.
O objetivo era justamente este: ouvir alguém que não faz parte da egrégora, elucidar o Método sem receios, julgamentos e preconceitos.
Como não precisamos convencer ninguém, temos apenas que ter na ponta da língua a verdade e exatidão ao falarmos sobre o assunto, além da postura 100% lúcida que reflete o que levamos no coração!

Um beijo carinhoso!

Lu

Unidade Centro Cívico – Curitiba – PR
http://www.derosecentrocivico.org

Leia mais »

quarta-feira, 26 de Maio de 2010 | Autor:

Você já assistiu o DVD “A carne é fraca”? Procure assisti-lo. Ele foi publicado pelo Instituto Nina Rosa e a Uni-Yôga já realizou uma co-edição com ela.  Acredito que se você procurar no Google vai encontrar esse material.

Por enquanto, vá assistindo o vídeo do link abaixo, enviado pelo Rafael, que trata do mesmo tema:

Rafael
rafaelschoenfelder@gmail.com | 201.35.2.37

Olá Mestre ,

No sentido de contribuir, posto aqui o link de um documentário bem recente idealizado
pelo ” Partido dos Animais ” da Holanda.

É o complemento ao “An Inconvenient Truth” do Al Gore, que por motivos políticos, suprimiu os dados sobre a enorme influência da pecuária no aquecimento global.

http://video.google.com/videoplay?docid=2756277227675684050&hl=pt-BR

Com legendas em português.

Abraço

Cissa
cissavidal@gmail.com | 201.47.26.130

mais um pouco
http://www.vista-se.com.br/terraqueos/

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose