sábado, 1 de setembro de 2012 | Autor:

Hoje, com tantos alunos, amigos, companheiros e irmãos na Polícia Civil, na Polícia Militar, no Exército, no Poder Judiciário, na Assembleia Legislativa, na Câmara Municipal, na Prefeitura, na OAB, na Receita Federal e Estadual, no CONSEG – Conselho de Segurança e em tantas outras esferas, sentimo-nos imensamente prestigiados e protegidos. Ficamos consolados em saber que aqueles que tentaram prejudicar-nos provaram o sabor amargo da espada da Justiça, tudo dentro da Lei como prevê a nossa digna Constituição.

Temos um sadio orgulho em constatar que dezenas de deputados, delegados, advogados e magistrados olham por nós para que a Justiça seja feita de forma honesta, sem privilégios, mas também sem prevaricação de nenhuma das partes.

Contamos com alunos e amigos em muitos círculos influentes da sociedade: Rotary, Maçonaria, Governo, todos eles Pessoas do Bem, que querem ajudar-nos a realizar nossos ideais edificantes de orientação para uma juventude sem drogas e para as obras sociais e filantrópicas. Todos querem nos ajudar.

Nós, coletivamente, temos dezenas de milhares de alunos, ex-alunos, leitores dos nossos livros (já mais de um milhão de exemplares vendidos) e alguns milhões de alunos à distância que estudam gratuitamente pela internet, pelos nossos CDs, DVDs e livros dos nossos instrutores. Contamos hoje com mais de 100 websites do Método DeRose coligados, em vários estados. É uma responsabilidade muito grande gerenciar o poder que isso nos traz. Mesmo que não seja o nosso objetivo, acabamos tendo muito poder.

Não é de se admirar que tenhamos tantos alunos à distância, já que o nosso site não vende nada e proporciona uma miríade de informações, free downloads dos nossos livros, MP3 de CDs com material didático e aulas práticas, endereços de centenas de instrutores da nossa linha e de outras correntes não ligadas a nós, bem como inúmeros outros serviços de utilidade, tudo gratuito. Poderíamos estar ganhando um dinheirão, mas fazemos questão de que a nossa proposta não seja comercial. Claro que é importante ganhar dinheiro, mas essa não é a nossa prioridade.

Com uma legião tão expressiva de estudantes, colaboradores e simpatizantes, seria um pecado não mobilizar todo esse exército para ações sociais, humanitárias e ambientais, colaborando com a Defesa Civil, com o Rotary e com as demais entidades assistenciais e culturais à quais estamos vinculados.

Estou escrevendo este texto para lhe relembrar: juntos, nós temos muito poder. Separados seríamos fracos! Portanto, vamos usar essa força sempre construtivamente. Vamos usá-la para melhor servir à Humanidade, ensinando à juventude um ideal de estilo de vida sem drogas, sem álcool e sem fumo e oferecendo-lhes a possibilidade de uma formação profissional na nossa área. Com isso, certamente, vamos reduzir a criminalidade por causa das drogas, vamos diminuir os acidentes por causa do álcool e vamos minimizar as enfermidades causadas pelo tabaco. Se só conseguíssemos isso com nossos alunos imediatos, já seria um belo trabalho social. Mas se os formarmos empreendedores do Método DeRose, torná-los-emos replicadores da nossa filosofia de vida e poderemos multiplicar por cem ou por mil o número de pessoas que serão beneficiadas com o nosso trabalho.

Una-se a nós! Vamos trabalhar juntos pelo Bem.

segunda-feira, 2 de abril de 2012 | Autor:

O que é a kundaliní

Kundaliní é uma energia física, de natureza neurológica e manifestação sexual. O termo é feminino, deve ser sempre acentuado e pronunciado com o í final longo. Os leigos aplicam o termo no masculino e pronunciam “o kundalíni”, mas está errado. Repetimos: o termo é feminino, deve ser pronunciado com a tônica na primeira sílaba e a longa na última.

Pronuncie em voz alta para fixar a correção: kundaliní[1]. Significa serpentina, aquela que tem a forma de uma serpente. De fato, sua aparência é a de uma energia ígnea, enroscada três vezes e meia dentro do múládhára chakra, o centro de força situado próximo à base da coluna e aos órgãos genitais. Enquanto está adormecida, é como se fosse uma chama congelada. É tão poderosa que o Hinduísmo a considera uma deusa, a Mãe Divina, a Shaktí Universal. Todo o sistema do Yôga, de qualquer ramo, apoia-se no conceito da kundaliní.

De fato, tudo depende dela conforme o seu grau de atividade – a tendência do homem à verticalidade, a saúde do corpo, os poderes paranormais, a iluminação interior que o arrebata da sua condição de mamífero humano e o catapulta em uma só vida à meta da evolução sem esperar pelo fatalismo de outras eventuais existências. Leia mais »

quarta-feira, 6 de julho de 2011 | Autor:

Temos dezenas de deputados, delegados,  advogados e magistrados. Temos amigos em muitas esferas influentes da sociedade: Rotary, Maçonaria, Governo, Exército, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, médicos, psicólogos, todos pessoas do bem e que querem ajudar-nos a realizar nossos ideais edificantes de orientação para uma juventude sem drogas e para as obras sociais e filantrópicas. Todos querem nos ajudar.

Nós temos muito poder. Nós, coletivamente, temos dezenas de milhares de alunos, ex-alunos, leitores dos nossos livros (já mais de um milhão de exemplares vendidos), e alguns milhões de alunos à distância que estudam gratuitamente pela internet, pelos nossos CDs, DVDs e livros dos nossos instrutores. Contamos hoje com mais de 100 websites do Método DeRose coligados, em vários países.

Não é de se admirar que tenhamos tantos alunos à distância, já que o nosso site não vende nada e proporciona uma miríade de informações, free downloads dos nossos livros  MP3 de CDs com material didático e aulas práticas, endereços de milhares de instrutores da nossa linha e de outras correntes não ligadas a nós e muitos outros serviços de utilidade, tudo gratuito. Poderíamos estar ganhando um dinheirão, mas fazemos questão de que a nossa proposta não seja comercial.

Com uma legião tão expressiva de estudantes, colaboradores e simpatizantes, seria um pecado não mobilizar todo esse exército para ações sociais, humanitárias e ambientais, colaborando com a Defesa Civil, com o Rotary e com as demais entidades assistenciais e culturais.

Juntos, nós temos muito poder. Portanto, vamos usá-lo sempre construtivamente. Vamos usá-lo para melhor servir à Humanidade, ensinando à juventude um ideal de estilo de vida sem drogas, sem álcool e sem fumo e oferecendo-lhes uma formação profissional na nossa área. Com isso, certamente, vamos reduzir a criminalidade por causa das drogas, vamos diminuir os acidentes por causa do álcool e e vamos minimizar as enfermidades causadas pelo tabaco. Se só conseguíssemos isso com nossos alunos imediatos, já seria um belo trabalho social. Mas se os formarmos instrutores do Método, torná-los-emos replicadores da nossa filosofia de vida e poderemos multiplicar por cem ou por mil o número de pessoas que serão beneficiadas com o nosso trabalho.

Una-se a nós! Vamos trabalhar juntos pelo Bem.

segunda-feira, 27 de junho de 2011 | Autor:

Quero acrescentar uma experiência que vivi recentemente com relação ao que descreve o post “Uma genuína e destemida felicidade”, na qual um amigo samsarin (outsider) registrou com tanta propriedade a sensação agradável que vivenciou durante cinco horas que passou com gente nossa, jogando conversa fora e dando risada. Por sincronicidade, minha experiência de “destemida felicidade” ocorreu na mesma cidade que foi palco daquela descrita pelo Paulo Polzonoff Jr.

Costumo dizer que fui o instrumento da deflagração de uma Cultura libertária, cujos frutos todos usufruem, menos eu. Por respeito, talvez excessivo, talvez fora de lugar, na minha presença todos se comportam de forma menos descontraída do que aquilo que eu prego, diferentemente da maneira como agem entre si, justamente por porem em prática o que ensino. Assim sendo, quase me sinto excluído da minha própria biosfera. Mas uma noite em Curitiba, depois do meu curso na Unidade Centro Cívico, os instrutores espontaneamente se reuniram na sala ao lado e começaram a conversar, brincar, propor jogos. Convidaram-me a participar. Naquele momento senti que a minha presença não intimidava o grupo e, até pelo contrário, parecia deixá-los contentes pela minha participação. Estavam soltinhos como eu sempre sonhei e poucas vezes testemunhei. No ar, a pureza de uma legião de anjos a reinventar folguedos shaktistas e a reforçar os vínculos de amizade. Imerso em estado de graça, perguntava-me a mim mesmo:

Será que isto ocorre noutras escolas, noutras cidades, noutros países? Será que as pessoas compreenderam a mensagem de “destemida felicidade” com que espero contagiá-las? Isso eu não sei, mas certamente ganhei alguns anos de vida naqueles momentos inocentes, sem álcool, sem fumo, sem drogas, nos quais uma confraria de profissionais amigos e amorosos compartilhou entre si e comigo sua alegria sincera, seu cândido afeto.

Saí dali com a alma lavada e o coração leve. Dormi sorrindo e acordei mais jovem, com mais disposição para produzir, escrever, viajar e ensinar. Havia esperança! Se hoje escrevo coisas boas neste blog, devemos muito àquela noite depois do meu curso na Unidade Centro Cívico, em Curitiba. Leia mais »

sexta-feira, 24 de junho de 2011 | Autor:

Mestre, ainda falando sobre exemplo, gostaria de compartilhar um trecho de um e-mail que recebi ontem de uma aluna muito querida, a yôginí Michele Thaysa. Ela não está mais morando em Londrina, pois devido ao trabalho precisou mudar-se temporariamente para Recife. Continua fazendo aulas comigo por skype e sempre que pode agendamos uma prática presencial. Ela permetiu que divulgasse seu texto.

Beijos, de mais pertinho agora.
Nádia Quinteiro

“Não tenho palavras para descrever o tanto que o Método é importante
para mim e o quanto estes pouco mais de três anos de práticas e
vivências foram transformadores na minha vida. Eu me identifico
totalmente com a nossa egrégora, com o código de ética, com os
conceitos e técnicas. A cada dia mais busco trazer estes conceitos
para o meu estilo de vida, e isso sem dúvidas me tornou uma pessoa
muito melhor, mais segura e feliz.
Toda essa minha mudança é descrita perfeitamente quando o Mestre diz
que passamos por uma reeducação comportamental progressiva e
espontânea, através do bom exemplo. Ao conviver um pouquinho com vocês
percebi que não há melhor forma de levar a vida, pois todos os
conceitos já eram alinhados com os valores familiares e religiosos os
quais eu fui criada – na verdade, muitas coisas para mim só mudaram de
nome ou ficaram mais claras da forma como o método nos faz enxergar.
Você, Bruno, Hudson, Ana, Priscila, Anica, sem contar os outros alunos
os quais eu sou mais próxima se tornaram grandes amigos e pessoas que
sempre vou levar no meu coração, por ter uma relação alegre,
descontraída e de extrema confiança, mesmo que distante.
Acredito que o fato de toda essa minha mudança de comportamento ter
acontecido durante a faculdade tornou a minha atitude muito mais
desafiadora. Eu nunca tinha me posicionado tão convictamente sobre
alguma coisa, e realmente impus a minha decisão sem ouvir todas as
pessoas que palpitavam e não compreendiam.
Como eu fazia parte da turma mais festeira e boa de copo da faculdade,
no começo muita gente não levou isso a sério, ainda mais quando eu
falava: “ah, parei há 2, 3 meses”. Mas parece que quanto mais não
levavam a sério, mais eu fazia questão de acompanhar o ritmo da
galera, fazendo micagens com minhas amigas bêbadas, indo a todas as
festas e bares, e muitas vezes sendo mais animada do que todo mundo.
Eu não queria que ninguém falasse ou até que eu mesmo sentisse que não
aproveitei os últimos anos de faculdade por ter escolhido uma maneira
diferente de viver. A verdade é que me diverti muito mais assim, sem
álcool e sem drogas.
E fiquei muito orgulhosa (sim, massageou meu ego) e feliz (por ser um
bom exemplo) pois várias vezes, no meio de uma festa ou em um lugar
qualquer, vieram pessoas inesperadas conversar comigo, perguntando
como eu conseguia estar ali, dizendo o tanto que admiravam minha
atitude de não beber e estar aproveitando tanto quanto eles. Admiravam
eu conseguir aproveitar tudo sem beber nada, pois eles simplesmente
não conseguiam, dependiam do álcool pra se divertir. Além disso,
achavam muito legal eu não julgá-los pelo que eu agora discordava.
Enfim, hoje, mesmo que esteja passando por uma fase diferente da minha
vida, tenho plena convicção de que este é o caminho certo, e que devo
continuar me aprimorando para seguir assim.”

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010 | Autor:

Quem não nos conhece e lê os posts assistenciais, de filantropia e responsabilidade social pode pensar que esse é o nosso foco: apagar incêndios. Correr atrás do prejuízo. Na verdade, não. Nosso foco não é dar um peixe para saciar a fome do momento e deixar as pessoas eternamente na dependência da caridade alheia. Não.

Nosso foco é ensinar a pescar proporcionando assim a auto-suficiência (SwáSthya). Nosso foco é mudar o mundo. Nosso foco é prevenir para evitar que as pessoas precisem o tempo todo da filantropia. Como fazemos isso? Com educação e cultura. Com a reeducação dos jovens e de toda gente para que adotem uma nova atitude, um estilo de vida sem fumo, sem álcool e sem drogas. Conseguimos isso com a profissionalização dos jovens para proporcionar a eles mais dignidade e lucidez, afastando-os das ruas e da criminalidade – incluídos aí os filhos da classe média e média alta que tantas vezes se envolvem com o crime por causa das drogas.

Isso não nos impede de prestar assistência a quem necessitar, dentro das nossas possibilidades. Uma vez que dispomos de um veículo com tanto alcance como este blog, não utilizá-lo para ajudar a quem precisa seria um desperdício e uma desumanidade.

Nós ainda somos pequenos em comparação com os nossos ideais. Mas já temos muitos livros publicados em várias nações, já estamos em tantas cidades do Brasil e em tantos países da Europa e das Américas! Estamos crescendo, mesmo tendo que lutar contra a correnteza. Mesmo tendo que lutar contra aqueles obscurantistas que tentam o tempo todo nos impedir e nos excluir.

E, no entanto, estamos vencendo porque a Luz não deve temer a Treva, pois quando as duas se confrontam é sempre a claridade que faz a escuridão recuar e nunca o contrário.

Há anos, estamos recebendo repetidamente o reconhecimento do Governo do Estado, da Defesa Civil, do Exército, da Polícia Militar, da Ordem dos Parlamentares do Brasil, da Câmara Municipal, da Associação Paulista de Imprensa, do Rotary, da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História, da Ordem do Mérito Cívico e Cultural, além de várias faculdades e universidades.

Com a sua ajuda, conseguiremos que a grande Imprensa tome conhecimento de tudo isso e nos auxilie na criação de uma consciência maior da opinião pública a respeito de quem somos nós realmente e sobre o que nos propomos. Com isso, conseguiremos atuar de forma muito mais abrangente pela juventude, pelo país e pela humanidade.

É importante divulgar o arquivo com a entrevista de Portugal, cujo vídeo se encontra neste blog (Entrevista sobre a Nossa Cultura, gravada na Europa), copiá-la em DVD e ofertá-la de presente a todos os formadores de opinião, jornalistas, políticos, autoridades, reitores, parentes, amigos, colegas de trabalho, de faculdade e de esporte. É preciso que nos conheçam. Quem nos conhece gosta imediatamente do que preconizamos.

Conto com a sua ação efetiva.

Leia mais »

terça-feira, 19 de janeiro de 2010 | Autor:
 

 

Meireles

Olá Mestre!

Deixo este post de um grande vegetariano. Joe Rollino é uma das grandes provas que o vegetarianismo proporciona muito mais energia e saúde, além de denotar que o estilo SwáStha de viver é extremamente poderoso (sem drogas, álcool e etc.).

Lá vai o link.
http://www.anda.jor.br/?p=41326

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose