terça-feira, 30 de agosto de 2016 | Autor:

“O Rei Lear, tarde à noite, nos rochedos perguntou ao cego Conde de Gloucester: “Como vês o mundo?”
E o cego respondeu-lhe: “Eu vejo-o, sentindo-o!”

Não deveríamos todos?

Os animais devem sair do cardápio, porque hoje eles gritam de terror nos matadouros e nas gaiolas. Vis e ignóbeis campos de concentração de desespero.

Eu ouvi os gritos do meu moribundo pai quando o seu corpo foi destruído pelo câncer que o matou. E percebi que tinha ouvido esses gritos antes:

Nos matadouros, onde os olhos são furados e tendões são cortados, nos navios de gado para o Médio Oriente, na mãe baleia moribunda, quando um arpão explode no seu cérebro e ela chama a sua cria! Os seus gritos eram os gritos do meu pai.

Descobri que quando sofremos, sofremos como iguais.

E na sua capacidade de sofrimento, um cão é um porco, é um urso, … é um rapaz!

A carne é hoje o novo amianto – mais letal do que o tabaco!

O dióxido de carbono, o metano, e o óxido nitroso da indústria de gado de corte estão matando os nossos oceanos com zonas mortas ácidas e hipóxicas! 90% do peixe pequeno é triturado para servir de alimento ao gado! As vacas vegetarianas são, atualmente, o maior predador dos oceanos!

Os oceanos estão morrendo neste momento! Em 2048, todas as zonas de pesca estarão mortas: os pulmões e o coração da Terra! Bilhões de pintinhos são triturados vivos, apenas por serem machos!

Até a atualidade, viveram apenas 100 bilhões de pessoas; hoje, vivem 7 bilhões. E nós torturamos e matamos 2 bilhões de animais todas as semanas.

10.000 espécies desaparecem do planeta a cada ano devido à ação de uma única espécie. Estamos agora perante a 6ª extinção em massa da história cosmológica. Se algum outro organismo fizesse isto, um biólogo diria tratar-se de um vírus. É um crime contra a humanidade de proporções inimagináveis.

Mas felizmente, o mundo está mudando:

Há 10 anos, o Twitter era a palavra para o canto de um pássaro, www era um teclado preso, a Nuvem estava no céu, 4g era um local de estacionamento, Google era um arroto de um bebê, Skype era um erro tipográfico e a Al-qaeda era o nome do meu encanador.

Vitor Hugo disse: “Não existe nada mais poderoso do que uma ideia no tempo certo”.

Os direitos dos animais são hoje o maior assunto de Justiça Social desde a abolição da escravatura.

Sabiam que existem no mundo mais de 600 milhões de vegetarianos? Isso é mais do que os E.U.A., a Inglaterra, a França, a Alemanha, a Espanha, a Itália, o Canadá, a Austrália e a Nova Zelândia, juntos! Se nós fôssemos uma nação, seríamos maiores do que os 27 países da União Européia!! Apesar desta enorme pegada demográfica, ainda nos tornam imperceptíveis pelas vozes estridentes dos cartéis de morte e caça que acreditam que a violência é a resposta, quando esta nem sequer deveria ser a pergunta!

A carne mata animais, mata-nos a nós e está matando as nossas economias:

A Medicare (Plano de saúde americano) já levou à falência os E.U.A.: eles necessitam de US$ 8 trilhões de investimento em títulos, só para pagarem os juros. E eles têm precisamente zero! Eles poderiam fechar todas as escolas, o exército, a marinha, a força aérea, a proteção civil, os Marines, o FBI, a CIA, e ainda assim não teriam dinheiro para pagar as suas contas no médico!

Cornell e Harvard dizem que a quantidade ótima de carne numa dieta saudável é precisamente ZERO!

Como sabem, a água é o novo petróleo. Em breve, as nações vão iniciar guerras por ela.

Aquedutos subterrâneos que demoraram milhões de anos enchendo estão agora secos.

São necessários 50.000 litros de água para produzir 1 quilo de carne.

Atualmente, 1 bilhão de pessoas estão famintas, 20 milhões irão morrer de ma nutrição. Ao diminuir o consumo de carne em 10%, é possível alimentar 100 milhões de pessoas. Eliminando a carne, eliminar-se-á para sempre a fome.

Se todos tivéssemos uma dieta ocidental, seria necessário 2 planetas para nos alimentar: Nós só temos 1 planeta, e ele está morrendo!

Emissões de gases de efeito estufa provenientes do gado de corte são 50% superiores dos que são emitidos pelos transportes: aviões, comboios, caminhões, carros e barcos.

Quando viajo pelo mundo vejo os países pobres vendendo os seus grãos ao Ocidente, enquanto que as suas crianças morrem de fome nos seus braços. E o Ocidente dá os grãos ao seu gado de corte para que nós possamos comer bife?! Sou eu o único que vê isto como um crime? Acreditem em mim: cada pedaço de carne que comemos é uma bofetada no rosto manchado de lágrimas de uma criança com fome! Quando eu olhar para os seus olhos, devo permanecer em silêncio?

A Terra pode produzir o suficiente para alimentar as necessidades de todos, mas não o suficiente para alimentar a ganância de todos!

Estamos enfrentando uma tempestade perfeita:

Se qualquer nação tivesse desenvolvido armas que pudessem causar tais estragos no planeta, seria lançada uma iniciativa militar e eles seriam bombardeados de volta para a Era de Bronze!

Mas não se trata de uma situação que ameaça a paz mundial, é uma indústria! E as boas notícias são que não precisamos bombardeá-los! Podemos apenas deixar de comprar!

George Bush estava errado: o eixo do mal não atravessa o Iraque, o Irã ou a Coreia do Norte. Ele atravessa as nossas mesas! As armas de destruição em massa são as nossas facas e garfos!

A nossa proposta é o canivete suíço do futuro: ele resolve os nossos problemas ambientais, de água, de saúde e acaba com a crueldade de vez!

A idade da Pedra não acabou por terem acabado as pedras! Esta horrível e cruel indústria terminará porque se acabaram as desculpas!

A carne é como as moedas de 1 e 2 centavos: custam mais para fazer, do que o que realmente valem. E eu venho do campo: os agricultores são os que têm mais a ganhar! A Agricultura não terminará, mas florescerá. Apenas a linha de produção é que sofrerá alterações. Os agricultores ganhariam tanto dinheiro que nem se incomodariam em contá-lo. E eu seria o primeiro a aplaudi-los!

Os governos gostariam de nós. Novas indústrias nasceriam e prosperariam. Os prêmios dos seguros de saúde seriam reduzidos. As listas de espera de hospitais desapareceriam.

Puxa „Seriamos tão saudáveis que teríamos que matar alguém para inaugurar um cemitério.” Assim, hoje à noite, eu tenho dois desafios para a oposição:

1. A carne causa um amplo leque de cânceres e doenças cardíacas. Será que eles podem nomear uma doença causada por uma dieta vegetariana?

2. Eu estou financiando a Trilogia dos Terráqueos. Se a oposição está tão segura dos seus argumentos, eu os desafio a enviarem um DVD dos Terráqueos a todos os seus colegas e clientes! EU OS DESAFIO!

Os animais não são apenas outra espécie: eles são outra nação! E nós os assassinamos à nossa vontade.

O mapa da paz está desenhado num cardápio. A paz não é apenas a ausência da guerra: é a presença da justiça.

A justiça tem que ser cega diante da raça, cor, religião ou espécie. Se ela não for cega, ela será uma arma de terror. E hoje à noite há terror inimaginável nesses horríveis Guantanamos que nós chamamos de fábricas de animais ou matadouros.

Acreditem em mim: se os matadouros tivessem paredes de vidro, nós não estaríamos tendo este debate agora!

Eu acredito que outro mundo é possível.

E numa noite tranqüila, eu posso ouvi-lo respirar.

Vamos retirar os animais do cardápio e destas câmaras de tortura.

Por favor, votem hoje por aqueles que não têm voz.

Obrigado.

– Philip Wollen”

youtu.be/Ge0rY0fhp8A

Acesse aqui o vídeo do discurso de Philip Wollen em inglês, no Festival de Melbourne de Alimentos e Vinho, do The Age, da cidade de Melbourne e da ABC, no Centro de Ética de St. James, do The Wheeler Center:
youtu.be/uQCe4qEexjc

quarta-feira, 8 de junho de 2016 | Autor:

Falar ou escrever com erros é uma das maiores demonstrações de que o indivíduo em questão não recebeu uma boa educação. Tenho acompanhado o fenômeno da evolução da nossa língua durante estas últimas décadas com perplexidade e apreensão. Muito em breve não estaremos mais falando português e sim algum dialeto esdrúxulo. Até quando poderemos declarar, com orgulho, que falamos uma língua vagamente aparentada com a de Camões, a melhor língua literária do mundo?

youtu.be/Nb_ZqK-evqU

Se gostou, curta e compartilhe com os seus amigos.

quinta-feira, 5 de Janeiro de 2012 | Autor:

Falar ou escrever com erros é uma das maiores demonstrações de que o indivíduo em questão não recebeu uma boa educação.

Tenho acompanhado o fenômeno da evolução da nossa língua durante estas últimas décadas com perplexidade e apreensão. Muito em breve não estaremos mais falando português e sim algum dialeto esdrúxulo. Até quando poderemos declarar, com orgulho, que falamos uma língua vagamente aparentada com a de Camões, a melhor língua literária do mundo?

Para quem fala bem o português, uma palavra errada, uma dicção viciosa, uma concordância mal feita por parte do interlocutor são coisas que causam má impressão. Se quem fala é um instrutor, mais grave ainda, pois precisa expressar-se de forma compreensível por tratar-se de pessoa que vai à frente do público para instruí-lo!

Ademais, somos especializados em público de nível superior. Já imaginou o desconforto que causaria a um cliente culto ter que aprender algo de um profissional que não sabe nem falar corretamente a própria língua?

Eu mesmo já abandonei cursos de informática, de anatomia e de outras disciplinas porque era insuportável receber em minha mente os sucessivos insultos à cultura perpetrados pelos semi-analfabetos que pretendiam receber o meu dinheiro para ensinar-me alguma daquelas matérias.

Os erros que se seguem denotam origens humildes e são sinalizadores de pouca cultura, mesmo se quem os aplicar for portador de diploma universitário, como vem ocorrendo cada vez com maior frequência.

Não diga:

Diga:

Um desse, um daquele.

Um desses, um daqueles.

Um óculos, meu óculos.

Uns óculos, meus óculos.

Quer que eu faço?

Quer que eu faça?

Quer que eu vou?

Quer que eu ?

Como é que você chama?

Como é que você se chama?

Que nem.

Como.

Eu vou vim.

Eu virei, eu venho.

Se você ver.

Se você vir.

Se você manter.

Se você mantiver.

Se você compor.

Se você compuser.

Antes de ontem.

Anteontem.

Duzentas gramas.

Duzentos gramas.

Dou aula de terças e quintas.

Dou aulas às terças e quintas.

Ele falou assim que não vai poder.

Ele falou que não vai poder.

Ele falou assim: “não vou poder”.

Se caso ele não puder.

Se ele não puder.

Caso ele não possa.

Provavelmente ele não possa.

Provavelmente ele não vai poder.

É provável que ele não possa.

Por causa que…

Porque

Estou meia cansada.

Estou meio cansada.

são uma hora.

é uma hora.

é meio dia e meio.

é meio dia e meia.

Faço assim, igual: quando sair eu aviso.

Faço assim: quando sair eu aviso.

Igual: sábado eu falei corretamente.

Por exemplo: sábado eu falei…

Igual ontem, igual eu.

Como ontem, como eu.

Subzídio. (Com som de z.)

Subsídio. (Com som de s.)

Môlho de chaves.

(Só se puser as chaves de molho).

Mólho de chaves (sem acento).

Deitar de costa.

Deitar de costas.

Eu truce.

Eu trouxe.

Entre 4 a 6 dias.

Entre 4 e 6 dias.

Trabalho tanto como ele.

Trabalho tanto quanto ele.

Muitas das vezes.

Muitas vezes.

Oras bolas.

Ora bolas.

Fulano é píssico.

(Alucinação idiomática).

Os guarani.

Os guaranis.

O filme ganhou oito oscar.

O filme ganhou oito oscars.

Comprei uma Mercedes.

(Só se você comprou uma mulher)

Comprei um Mercedes.

Metereológico.

Meteorológico.

Com nós.

Conosco.

Própio.

Próprio.

Poblema, pobrema.

Problema.

Adevogado.

Advogado.

Largatixa, largato, iorgute.

Lagartixa, lagarto, iogurte.

Foi uma situação onde

Foi uma situação na qual

(onde, só lugar físico.)

Você acha que só quem fala assim não foi alfabetizado? Então, preste atenção quando seus amigos falarem. Vai identificar muitas destas gralhas no falar da maior parte deles. A partir daí, por autocrítica, considere a possibilidade de você, que é amigo daquelas pessoas, estar cometendo escorregadelas similares. E passe a prestar atenção à sua locução.

________________

P.S. – Aos colegas de Portugal, peço que corrijam os seus monitorados e equipes quanto aos erros mais comuns em suas cidades. O mesmo com relação aos demais países.

Leia mais »

sexta-feira, 23 de setembro de 2011 | Autor:

Querido Mestre!
Faleceu um dos grandes pintores da actualidade portuguesa, o Mestre Júlio Resende, que o Mestre teve a oportunidade de conhecer em 2008. E que em 2009 recebe da nossa Ordem uma distinção pelas suas mãos. Hoje nas exéquias, estive representando o Mestre e nossa instituição.
Se o Mestre achar oportuno fazer uma referencia, em sua homenagem, sobre a sua obra vai um resumo em baixo com uma foto da visita do Mestre a um Mestre da pintura.
Envio-llhe no próximo comentário um link de uma das suas obras e noutro uma entrevista.
Abraço no coração,
Luís Lopes
————————————————————————————

O Mestre Jùlio Resende, por marcar o cenário cultural do nosso país e no estrangeiro e pela sua trajectória de vida, recebeu a distinção Voto de Louvor, em Novembro de 2009, outorgada pelo escritor DeRose, Grão-Mestre da Ordem do Mérito das Índias Orientais.
————–
Artista português, Júlio Resende, nasceu no Porto a 23 de outubro de 1917 e faleceu a 21 de setembro de 2011. Júlio Resende frequentou as Escolas de Belas-Artes do Porto e de Paris.
As primeiras pinturas estão inseridas na “temática alentejana”, que vai retomar com maior rigor plástico e maior densidade depois de 1949, ao voltar de uma viagem pela Europa que o levou a conhecer Francisco Goya e Pablo Picasso. Em Regresso ao trabalho (1950) e Mulheres de Pescadores (1951) ainda está presente uma temática neorrealista, que não prevalece, contudo, sobre o espaço pictural, multifacetado, ritmado, remetendo para uma maior abstração. Fez inúmeras exposições individuais em Portugal, Espanha, Bélgica, Noruega, Brasil. Representou o país em exposições coletivas nas Bienais de S. Paulo, Veneza, Ohio, Londres, Paris, etc. Nos anos 60, Resende interessou-se ainda por projetos de decoração e arquitetura, colaborando na decoração do Palácio da Justiça de Lisboa ou realizando o painel para a sede do Banco de Portugal. O painel Ribeira Negra, executado em 1968 por encomenda da Câmara Municipal do Porto, é tido como o melhor painel cerâmico contemporâneo. Na intervenção no Metropolitano de Lisboa, na estação de Sete-Rios, desenvolve a memória das paisagens luxuriantes trazida das viagens pelo Brasil. Enquanto ilustrador, colaborou com vários autores, designadamente com Eugénio de Andrade em Aquela Nuvem e outras, com Sophia de Mello Breyner Andresen em Noite de Natal, O Rapaz de Bronze e O Primeiro Livro de Poesia, e com Ilse Losa em O Rei Rique e Outras Histórias.

 

httpv://youtu.be/smC2OOf6zhw

 

httpv://youtu.be/2GlzgoJy8RM

 

 

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 | Autor:

Mestre
Vale a pena divulgar esse joguinho com erros de português que as pessoas costumam cometer.
Dá para aprender bastante com o exercício.
http://educarparacrescer.abril.com.br/100-erros/

quinta-feira, 19 de Maio de 2011 | Autor:

Se você tem como nos proporcionar esse sêvá, vai contribuir decisivamente para a difusão do Método em todo o mundo. Mas é preciso que o tradutor seja nativo da Inglaterra ou dos Estados Unidos e que compreenda a língua portuguesa bastante bem. Em hipótese alguma pode ser de outra nacionalidade, ainda que tenha sido educado naqueles países ou que traduza muito bem. É requisito, ainda, que o tradutor possua um vocabulário no inglês que corresponda ao patamar linguístico utilizado em português.

Eu me proponho a auxiliar em tudo o que puder, já que este autor ainda está vivo e conhece o idioma inglês – mas, obviamente, não o suficiente para realizar uma tradução com o nível de impecabilidade que se faz necessário.

Desde já, agradecemos, todos nós, instrutores e alunos do UK, USA e de todo o mundo.

segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011 | Autor:

Nosso colega Marco Santos oferece o importante serviço de revisão de português, incluindo, obviamente, a nova ortografia sobre a qual tanta gente ainda nutre dúvidas. A revisão de português é passo indispensável antes de levar a público um trabalho qualquer de redação, seja ele um livro, uma monografia ou um simples artigo no blog. Se você não domina a melhor língua literária do mundo, peça ajuda profissional. O que não é admissível é levar aos outros uma confissão da nossa incapacidade de escrever a própria língua. Um texto que contenha erros crassos destrói o conceito de quem o redigiu.

Mas e a Comissão de Revisão?

O que não podemos é quebrar a linha de revisões com a comissão que está sendo treinada por mim para revisar os livros escritos pelos nossos autores. Essa comissão é formada por instrutores que estão na mesma cidade que eu, para podermos nos reunir todos, com os originais do livro à nossa frente, a fim de discutir a respeito dele. Sendo respeitados os dez revisores (o monitor, os que já publicaram livros e os que fazem parte da comissão de revisão final) não há nenhum impedimento de que se faça mais uma revisão, prévia, de português.

Se você quiser entrar em contato com o colega, utilize o e-mail abaixo:

Marco Santos

marcosantos.eu
viveavida@gmail.com

___________________

Querido Mestre,

muito obrigado pela divulgação.

Deixo também ficar o meu email do Método: marco.santos@metododerose.org

Beijo no coração.


Método DeRose Campo Alegre | Porto | Portugal

 


Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose