sábado, 8 de outubro de 2016 | Autor:

Certas posturas perante a vida estabelecem sintonia com o sucesso. Um bom exemplo é a proposta comportamental do DeROSE Method, na área de conceitos, a ação efetiva para transformar o mundo através da civilidade. A isto, podemos chamar de boas maneiras ou, até, de boas ações. Todos os dias vamos computar quantas ações louváveis protagonizamos. Acredite: tudo isto vai mover energias gregárias da espécie humana e contribuirá para o seu sucesso. Mas é claro que você não vai proceder assim por interesse.

youtu.be/dPGQF5AHqVM

sexta-feira, 26 de agosto de 2016 | Autor:

Que época rica em almas inspiradas! Alexandre Dumas, Victor Hugo, George Sand, Honoré de Balzac, Voltaire, Diderot, Lizst… Esses e tantos outros, todos juntos numa só época e num só lugar!
Balzac já havia escrito uma carrada de livros, era o mais lido em Paris e suas obras um sucesso pelo mundo afora. A essa altura sua mãe lhe disse: “Honoré, você não nasceu para escrever. Maldita hora em que enfiou essa ideia na cabeça. Você deveria ter um emprego regular e receber um salário, em vez de viver cheio de dívidas e ser insultado nos jornais pelos críticos que o ridicularizam com suas caricaturas!” Até a Igreja colocou o nome de Balzac na lista negra, considerando seus livros perniciosos. Balzac, o herege, o maldito.
Ah! Se Balzac tivesse ouvido sua mãe… Ah! Se eu tivesse ouvido o meu pai… Hoje a literatura não teria La Comédie Humaine e eu seria um empregado numa empresa qualquer. Não teria escrito mais de trinta livros, não teria viajado o mundo todo tantas vezes, não teria mudado para melhor a vida de tanta gente; não teria dado uma profissão incrível a tantos jovens! Teria me limitado a trabalhar para viver e viver para trabalhar como as legiões de empregados infelizes, sem motivação, que viveram e morreram sem nunca saber a que vieram ao mundo. Nesta idade, provavelmente, eu estaria velho, pobre e doente, como em geral estão os empregados nessa fase da vida, ansiando por uma aposentadoria que, longe de ser libertadora, constituiria o prenúncio do fim.
Mas, se a instituição do emprego é nociva, por que nossos pais nos aconselham a sermos empregados? Pior: eles nos doutrinam, pressionam e, muitas vezes, obrigam a esse destino desafortunado e sem perspectivas.
Conscientize-se desta realidade humilhante. Um amigo pergunta: “O que o seu filho faz?” E o pai tem que responder: “Ele é um empregado.” Numa situação assim embaraçosa, é normal que esse genitor justifique: “Mas ele está muito bem. É uma carreira de futuro. Uma grande empresa.” (Com sorte e se trabalhar direito, dentro de vinte anos ele poderá estar ganhando bem, se não for despedido antes.)
Quando escuto isso sinto como se o pai de um escravo no Império Romano estivesse respondendo: “Meu filho é escravo. Mas ele está muito bem. Trabalha para um rico senhor, muito conceituado.”
E se o filho ou filha encontra um caminho melhor, instala-se em casa um clima de tragédia e tortura psicológica. Mas os pais não querem justamente o bem dos seus filhos?
Querem. Contudo, são condicionados pelo Sistema e acham honestamente que o melhor é ser empregado.

youtu.be/6InekDLMHFU

quinta-feira, 22 de novembro de 2012 | Autor:

Já vi muita gente declarando: “Fulano não serve para ser meu amigo. Vou lhe dizer umas poucas e boas.”

A sabedoria popular diz que mexer no que não cheira bem só faz piorar o odor. Se o Fulano em questão realmente não serve como amigo, o melhor é tomar uma medida amenizadora do mal-estar ou do mal-entendido surgido e, depois, promover um afastamento cordial.

A vida me ensinou que uma pessoa que não sirva para se conviver, alguém em quem não se possa confiar, é também uma pessoa com quem devemos evitar confusão.

O que é que você ganha discutindo com alguém? Algumas pessoas fazem isso porque andaram assistindo novela e aprenderam a “não levar desaforo para casa”. Algumas dessas pessoas nem mesmo sabem conduzir um relacionamento de amizade ou conjugal sem estar todo o tempo a contender, como se a existência devesse consistir em um incessante defender-se dos outros e proteger seu território. Isso caracteriza nível educacional muito baixo. Pessoas educadas e elegantes não utilizam esse paradigma.

Quem se melindra e briga por tudo e por nada, é portador de complexo de inferioridade. Se você não é um complexado, não precisa responder a uma agressão com outra agressão.

Agora considere: quem parte para um bate-boca não pode ser uma pessoa fina. Geralmente, tem pouco a perder. Não é o seu caso. Tornar-se inimigo de uma pessoa ralé pode lhe custar dissabores futuros, ao longo de toda a sua vida. O que fazer então? Deixar o inconveniente azucrinar a sua existência? Jamais! Quem não serve para ser seu amigo deve ser afastado com arte. Dependendo do tipo de relacionamento que vocês mantiveram, promova um distanciamento progressivo e, volta e meia, você tempera com uma cortesia. Por outro lado, recuse gentilmente os convites para o estreitamento da convivência, mediante justificativas aceitáveis.

O que você não deve fazer é partir para a briga, ou insultar, ou prejudicar a quem quer que seja. A maior parte das pessoas que trabalharam comigo e que eu precisei exonerar continua minha amiga. A maior parte das minhas ex-esposas continua mantendo boas relações comigo. As pessoas com quem não consegui preservar o distanciamento cordial e que hoje não gostam de mim, considero que, com essas, fracassei. Falha minha. Felizmente, foram poucas.

Isso de “ter que conversar” só funciona quando as pessoas são de fato amigas ou muito inteligentes, o que não constitui a média da humanidade! Nem com marido e mulher essa coisa de sentar para conversar funciona muito bem. Cada qual fica na defensiva e sai briga. Isso só funciona para os terapeutas, cuja profissão é o diálogo. É muito melhor adotar a tática da gentileza e do carinho quando não for o caso da necessidade de afastamento.

Leia mais »

quarta-feira, 31 de outubro de 2012 | Autor:


 

Em termos de conteúdo técnico, é praticamente a mesma coisa. Se você optar por ministrar o Método DeRose, o SwáSthya estará embutido nas práticas regulares.

A diferença é que, dos que trabalhavam antes com o SwáSthya, a maioria não lograva incentivar os alunos a participar das atividades culturais. Quem entra pelo canal Método DeRose, gosta e valoriza o fato de oferecermos tantas atividades culturais.

 

Academia de “ióga”

Quem entrava nas escolas pelo canal “ióga” não queria participar de nada, tanto que muitos sat chakras contavam com apenas quatro ou seis alunos de uma escola que possuía 80 ou 100 inscritos. O mesmo ocorria com o Yôgacine, com o círculo de leitura, com o gourmet vegetariano e todas as demais atividades culturais. Ninguém queria fazer nada que extrapolasse aquilo que o usuário entendia que o produto deveria ser: exercícios dentro de uma sala de práticas.

Quem entrava nas escolas pelo canal “ióga” não aceitava os testes de admissão, o processo seletivo, os testes mensais, nem admitia que se lhe cobrasse a leitura de livros. Não admitia sequer a existência de normas e de disciplina!

Na verdade, quem entrava pelo canal “ióga” nem sequer assumia que estava em uma escola. “Ióga” tem que ser academia. Assim, acabei abrindo mão da Universidade de Yôga, com muita dor no coração, pois, nem mesmo os instrutores e Diretores assumiam que o que tínhamos era um estabelecimento de ensino. Como podia ser uma universidade se não aplicavam o processo seletivo, os testes de admissão, os testes mensais, o estudo da bibliografia?

 

Para nós, o Yôga é mais abrangente – é praticamente o Método

Nós sempre entendemos que o Yôga, de verdade, deveria ser aplicado na vida real. Que o aluno deveria sair por aquela porta respirando como havia aprendido na sala de aula. Que deveria aplicar o SwáSthya na condução do seu automóvel, no seu escritório, no seu esporte, na sua relação afetiva.

Nós sempre dissemos isso e todos os instrutores mais antigos hão de se lembrar.

Porém, os alunos em geral não compreendiam assim. Para eles, “a ióga” era um relaxamento ou terapia (por mais que insistíssemos que não era) e que deveria ser restrito à sala de aula.

No momento em que passamos a comunicar-lhes outro paradigma, eles, simplesmente, passaram a aceitar que somos escola, que tenhamos teste de admissão, testes mensais, que tenham que estudar nossos livros e que devam usufruir das atividades culturais.

 


sábado, 22 de setembro de 2012 | Autor:

Uma mulher, que acabou de comprar uma xícara de café e cinco biscoitos de chocolate, sentou-se em uma mesa em frente à loja de biscoitos, defronte a um homem desconhecido que estava sentado na mesma mesa. Depois de provar o café, ela tirou um biscoito do pacote.
Assim que ela começou a comer, o homem pegou o pacote e tirou um biscoito. Paralisada de raiva, silêncio e descrença, ela comeu o primeiro biscoito e pensou no que fazer depois.
Será que imaginou o que ela tem certeza que viu? Ele teria coragem de fazer isso novamente?

Finalmente quando a curiosidade passou, ela pegou um segundo biscoito no pacote.
Confiante, o homem também foi e pegou outro biscoito, estampando um enorme sorriso no rosto enquanto comia. Somente a sua certeza de um autocontrole impecável a impediu de protestar contra esse ladrão de biscoitos. Afinal, a arrogância deste homem era extraordinária, e ele não parecia um mendigo, vestido de terno e gravata.
Já que havia apenas um biscoito sobrando, ela engoliu o seu segundo biscoito e novamente foi ao pacote. Mas ele foi mais rápido. Com um sorriso radiante, e ainda nenhuma palavra, ele quebrou ao meio o biscoito que sobrava e ofereceu-lhe a metade. Em total descontentamento, um olhar de indignação começou a se formar, ela então se levantou, pegou sua grande bolsa e foi rapidamente em direção ao carro. No carro ela até deixou escapar uma pequena ofensa de seus lábios, enquanto procurava as chaves na bolsa.
Seus dedos acharam, ao lado das chaves, seu pacote de biscoitos fechado!

Essa mulher sofreu uma mudança abrupta na visão de seu próprio comportamento, como uma extensão ao seu equívoco na situação dos biscoitos. Seu paradígma, neste caso, a levou a uma série de julgamentos errôneos.

Instr. Fretta

Diretor proprietário do Espaço Cultural Fretta

sexta-feira, 3 de agosto de 2012 | Autor:

Enviado pelo Juan Mestre:

 

Querido Mestre,

Um amigo compartilhou este video comigo “Você está fazendo o que ama neste momento?” . Ele mostra como as pessoas e a sua relação com a profissão, carreira, emprego e trabalho tem mudado geração apos geração. Hoje, segundo o vídeo, ha mais de 2 Bilhões de pessoas que ja tem os seus proprios emprendimentos, o estão a caminho de crialos, seguindo os seus sonhos, e priorizando o prazer e satisfação pessoal antes que a segurança de um emprego. Sem duvida uma questão de mudança de paradigmas!

http://www.youtube.com/watch?v=F12DAS-ZNDY

sexta-feira, 21 de outubro de 2011 | Autor:

Querido Dê! Ya estoy con saudade de ustedes!

Te quería dejar un video interesante, que acabo de ver y me hizo pensar en varias cosas:  primero, que siempre me gustaron los espacios pequeños porque siento que estimulan la imaginación, y el dueño de este AP usó la suya al máximo. Segundo, que es una cuestión de paradigmas: creemos que las cosas no entran en un lugar determinado hasta que vemos que alguien lo consiguió… y sólo entonces pensamos ¡ah! ¡Se podía! Y por último me acordé de tu casita deliciosa, pequeña y acogedora, y renové mis ganas de visitarte.

http://youtu.be/juWaO5TJS00

Queda aquí el video y un beso enorme, apretado y lleno de amor, que se extiende a Fèe y a Jaya.

Natalia – Buenos Aires

______________________

Eu também sempre fui adepto de morar em locais pequenos e bem instalados. Moro em um espaço de 3m por 3m, fora o banheiro. E estou muito satisfeito. Depois de tantos livros publicados e de tantos anos de trabalho, hoje tenho condições de morar em uma casa enorme com piscina, mas estou adiando isso e vou continuar adiando enquanto puder. Manter um nível de gastos alguns patamares abaixo do que poderia, ainda é a melhor fórmula da tranquilidade e qualidade de vida. DeRose.

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose