sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013 | Autor:

Qual a melhor forma de tratamento?

O tratamento de Mestre nós vamos deixar para o Mestre de Xadrez, Mestre Maçom, Mestre de Capoeira, Mestre de Tai-Chi, Mestre de Karatê, Mestre de Reiki, Mestre de Obras, Mestre-Escola, Mestre-Sala, Mestre de Cerimônias, Mestre de Jangada, Mestre Cuca, Mestre Marceneiro e, além destes, outros que tenham mestrado universitário, contra os quais ninguém lhes atira na cara frases do tipo “Mestre? Como assim, Mestre?” ou  “Mestre só Jesus”.

Eu gostaria que este tratamento carinhoso só fosse usado entre nós, alunos e instrutores do Método DeRose, e apenas internamente. É que nossa utilização desse tratamento tem uma conotação descontraída e amorosa, mas lá fora as pessoas o interpretam como Messias, gurú, líder espiritual e mais uma batelada de disparates.

O CBO – Catálogo Brasileiro de Ocupações, do Ministério do Trabalho, relaciona mais de trinta profissões com o título de Mestre, entre elas, Mestre de Corte e Costura, Mestre de Charque, Mestre de Águas e Esgotos etc. No entanto, quando se trata de Yôga, é muito frequente que surjam contestações.

Nunca entendi por que cometem esse tipo de questionamento aos do Yôga e não a fazem a todas as demais profissões ou posições hierárquicas.

Continuo não compreendendo e prefiro que não me expliquem. No entanto, para evitar confrontos com pessoas de educação mais rasteira, recomendo que o título de Mestre só seja utilizado entre nós quando não houver presente pessoa alguma de fora.

Mestre só deve ser utilizado pelos alunos e instrutores quando estiverem dentro das nossas escolas ou em eventos nossos. Fora do nosso círculo, falando com seus familiares e amigos, tanto os alunos quanto os instrutores, devem evitar o tratamento Mestre. Recomendamos escolher um dos que constam abaixo:

Sistematizador é um tratamento para assuntos referentes ao nosso Método ou à nossa modalidade filosófica.

Exemplo de utilização: “Joris Marengo supervisionado pelo Sistematizador DeRose desde 1976.”

Supervisor para referências sobre a supervisão profissional.

Exemplo de utilização: “O Supervisor DeRose solicita aos supervisionados que apliquem os testes mensais aos seus alunos.”

Escritor, quando se tratar de assunto editorial, livreiro ou que diga respeito de alguma forma à literatura e a textos extraídos de algum livro de nossa autoria.

Exemplo de utilização: “A mais contundente obra do escritor DeRose é seu livro ‘Quando é Preciso Ser Forte’.”

Professor Doutor (Honoris Causa) pode ser usado em contexto acadêmico.

Exemplo de utilização: “Curso ministrado na Universidade Federal pelo Prof. Dr. DeRose.”

Comendador, quando se tratar de ambiente oficial, protocolar, governamental, militar, empresarial, solenidade, outorga, entidade cultural, heráldica, filosófica, humanitária etc.

Exemplo de utilização: “Contamos com a presença do Comendador DeRose.”

Companheiro, no Rotary.

Exemplo de utilização: “O Companheiro DeRose convida os rotarianos para o lançamento do seu livro.”

Educador deve ser evitado sempre que possível. Só abrimos exceção para textos que já tenham utilizado outros tratamentos e em que seja conveniente não repeti-los.

 

quinta-feira, 25 de outubro de 2012 | Autor:

Comunico aos nossos estimados amigos e desamigos que fui obrigado a processar criminalmente um instrutor de Yóga que foi responsável pela divulgação de difamação contra mim pela imprensa. A ação resultou numa sanção penal decorrente de um mecanismo conhecido como “transação penal”, por meio do qual o agressor em questão concordou em pagar uma multa para evitar que o processo fosse adiante.

Fico profundamente entristecido que coisas como essa ocorram no seio de uma filosofia que se diz elevada, espiritual, na qual se repetem estribilhos de piedade, de tolerância e de amor. Esse senhor já vinha me atacando pela imprensa e fora dela há mais de dez anos. Acho que ele interpretava como fraqueza a minha postura fidalga de não responder no mesmo tom. Isso, certamente, o encorajou a dizer o que bem entendeu.

Tenho um exército de advogados de várias especialidades e o meu criminalista disse um basta.

Sinto muito pesar porque eu nunca ataquei aquele cidadão, nunca tive nada contra ele e ainda guardo boas recordações de quando nos conhecíamos. Nunca entendi o motivo pelo qual, de uma hora para outra, ele se voltou tão virulentamente contra mim e nem consigo compreender como esse ódio pode durar tantos anos.

Também é muito difícil compreender que alguém que se intitula instrutor de Yóga sinta ódio. Ainda que em algum momento eu o tenha desagradado involuntariamente, onde está a capacidade de perdoar e esquecer que a Yóga tanto ensina?

Quando uma coisa dessas acontece, todos nós praticantes, alunos e instrutores ficamos constrangidos. Isso macula o nome da Yóga e o do Yôga. Quando um profissional de qualquer área atira lama em outro, salpica sujeira em todos os demais, inclusive em si próprio, perante a imprensa e a opinião pública.

Já anteriormente, vários outros agressores foram instados a prestar depoimentos em delegacias policiais por haver dito o que não deviam, pensando que poderiam se escudar na imaginária impunidade baseada no suposto anonimato da internet. Mas não é bem assim. Com a ajuda de alguns especialistas conseguimos rastrear e localizar vários divulgadores de calúnias e difamações perante o Departamento de Crimes pela Internet. O que me deixa mais perplexo é que a maior parte declarou que nunca falou comigo, não me conhecia e nunca havia lido nada que eu houvesse escrito! Eram pessoas ingênuas, manipuladas por gente mal-intencionada. Odiavam-me gratuitamente, só porque praticavam outra modalidade e, lá onde praticavam uma suposta Yóga, haviam escutado maledicências. É mesmo uma vergonha para todos os adeptos de qualquer vertente, tanto da Yóga, quanto do Yôga.

Nenhum praticante, aluno ou instrutor pode furtar-se a uma profunda decepção com seus mentores ao ser obrigado a defrontar-se com uma indignidade dessas.

_______________________

Optei por não mencionar o nome da pessoa acima citada a fim de não lhe causar constrangimento nem lhe conceder divulgação. Devemos lembrar-nos de que fiquei bem mais conhecido, cresci muito e vendi muito mais livros graças à publicidade que meus opositores me proporcionaram. Em uma obra sobre sucesso profissional há uma frase que ilustra o fenômeno. Disse o autor: “Para ficar forte e vencer, se você não tem inimigos arranje alguns.” Embora eu não queira cultivar inimigos, sei o quanto essa máxima é verdadeira. Os que se consideram como tal me ajudaram muito em minha carreira já com mais de 50 anos de ensino da filosofia hindu.

Eu gostaria que todos os colegas (eu inclusive), fizéssemos um exercício de humildade e nos reconciliássemos. Todos os alunos de todas as modalidades, unanimemente, se sentiriam mais confortáveis e felizes se nós o conseguíssemos. Todos considerariam que, aí sim, nós seríamos dignos de ensinar algo que tem o nome de Yôga (que, traduzido, significa “união”).

quinta-feira, 23 de agosto de 2012 | Autor:

(Para Alessandro e Thiago)

Um jovem escritor brasileiro que vive no exterior veio ao Brasil e passou algumas horas descontraídas com o nosso pessoal de Curitiba. Ele não sabia que se tratava de gente do SwáSthya, alunos e instrutores. Melhor assim, pois dessa forma estava receptivo à experiência de conviver com a nossa egrégora, sem idéias pré-concebidas. O que se segue é o texto que ele escreveu sob o título acima:

“É bom estar no meio de pessoas que não se importam com política. Nem com os rumos da literatura contemporânea. É bom estar no meio de pessoas que riem de si e dos outros sem perversidade. Que não julgam. É bom estar no meio de pessoas.

Passei em Curitiba uma agradabilíssima noite com amigos. Tudo bem que eu sabia o nome de apenas dois ou três. Mas eram, vá lá, amigos. Porque me senti completamente à vontade, como há anos não me sentia, para ser eu mesmo. E quem sou eu? Esta é uma pergunta que me faço com espantosa e deprimente freqüência. Eu sou aquele que estava ali, em pé na bancada, comendo um pedaço de pão com muita manteiga. Prazer.

Foram cinco horas de nenhuma conversa séria. Nenhuma teoria da conspiração, nenhuma reclamação, nenhum medo. Éramos, novamente, crianças num jardim de infância – e isso era bom! Voltando para casa percebi que passamos cinco horas – cinco horas! – fazendo trocadilhos imbecis dignos da Praça É Nossa. Ríamos, ríamos muito. Éramos cretina e deliciosamente felizes.

Você pode pensar que estávamos bêbados. Mas… não! Não havia uma só gota de álcool na festa. Estávamos mesmo embriagados pela sensação inequívoca de estarmos juntos. Éramos todos da mesma geração, tínhamos vivido mais ou menos a mesma coisa. Buscávamos coisas bem diversas, é verdade.  Mas o tempo nos unia. Sempre vi o Zeitgeist como um monstro. Descobri, nesta noite, que ele pode ser também um fantasminha camarada.

Sinto confessar, mas me falta a convivência com pessoas cujo único objetivo na vida é esta felicidade pequena e adorável. Uma felicidade que não busca se explicar com referências poéticas ou filosóficas. Uma felicidade que simplesmente é. Não éramos pessoas idiotas naquela casa. Cada qual, eu podia perceber, sabia-se dono de uma existência única, marcada por opiniões também únicas. Eram todas admiráveis por sua individualidade. Eram todas louváveis porque não procuravam o prazer pelo massacre do diverso.

Naquela noite, fui feliz. Falei o que pensava sem medo do julgamento. Melhor: muitas vezes falei o que nem pensava. Ninguém levantou a voz. Ninguém fez cara feia. Ninguém engoliu uma opinião por medo. Ninguém emitiu sua opinião para se provar inteligente.

Saí para a noite no meu passo mais alegre. Dou uns pulinhos quando estou assim. A noite estava fria, mesmo sendo novembro. O caminho para casa pareceu seguro demais e aconchegante demais. Deitei na cama. Era aniversário do meu amigo Alessandro. Desnecessário dizer, porém, que o melhor presente quem ganhou fui eu.”

Paulo Polzonoff Jr.

Polzonoff.com.br

Pois é, meu caro Polzonoff. Vocês estavam inebriados, sim, mas não de álcool ou drogas. Estavam inebriados da nossa felicidade intrínseca, da nossa intoxicação de oxigênio que hiperventila nossas almas a cada minuto de vida que vivemos e bendizemos. Somos felizes e é só isso.

Essa sensação benfazeja que desopilou sua mente é o cerne da Nossa Cultura. Espero que os que estão dentro dela, vivenciando-a no seu dia-a-dia e sendo felizes o tempo todo, continuem valorizando esse estado de ser que nos proporcionou a mesma sensação de descoberta, alegria e liberdade quando a encontramos pela primeira vez.

DeRose

DeRose.org.br

sexta-feira, 1 de junho de 2012 | Autor:

Peço a todos os nossos amigos, alunos, instrutores e leitores que nos enviem o máximo possível de endereços de instrutores de Yôga, Yóga, Yoga e ioga. Nome, endereço, código postal, cidade, estado ou país, telefone, código de área (DDD), e-mail e site se houver.

Nós divulgamos há anos no nosso site www.Uni-Yoga.org centenas de endereços de instrutores de outras modalidades. Acontece que eles se mudam com muita frequência, outros saem do mercado, outros falecem. Assim, nossa listagem foi minguando. Tínhamos mais de 1000; temos agora menos de 800. Queremos manter a maior listagem possível de instrutores de todas as vertentes no nosso que é o site mais relevante do país. Peço que você nos ajude, enviando o maior número de dados que conseguir.

Vamos continuar mostrando que não temos nada contra os colegas de outras linhas e vamos prosseguir divulgando-os gratuitamente, como venho fazendo desde a década de 1960, quando afixava os cartões deles no mural da minha própria escola (hoje não é mais permitido esse procedimento) e desde as décadas de 1960 e 1970, quando imprimia nas páginas finais dos meus livros os endereços dos que ensinavam todas as modalidades de Yôga. Quer demonstração de tolerância e civilidade maior que essa?

Hoje só os divulgamos no nosso site, numa divisão específica, para evitar confusão.

Espero que essa nossa demonstração de boa vontade possa algum dia contribuir para a conciliação entre todos os ramos, linhas e orientações.

quarta-feira, 9 de maio de 2012 | Autor:

Gostaria de contar com a colaboração de todos os nossos amigos, para a atualização do nosso cadastro de instrutores de Yôga, Yóga, Yoga e ioga.

Tínhamos uma listagem de mais de mil ensinantes. Acontece que alguns são muito instáveis e mudam de endereço repetidamente. Outros, infelizmente, morrem. Assim, precisamos, de tempos em tempos, contar com a ajuda de todo o mundo para substituir os que eventualmente não estejam mais atuando, os cujos endereços mudaram e os novos que estão entrando agora nessa área.

Na medida do possível, peço que informe o nome, endereço (se for com cep é ótimo), cidade, estado, DDD, telefone e e-mail se houver.

Prefiro que esses endereços sejam postados no Blog do DeRose e não no Facebook, nem por e-mail.

A todos os que puderem colaborar, ainda que seja com um só endereço, muito obrigado pelo auxílio.

segunda-feira, 2 de abril de 2012 | Autor:

O que é a kundaliní

Kundaliní é uma energia física, de natureza neurológica e manifestação sexual. O termo é feminino, deve ser sempre acentuado e pronunciado com o í final longo. Os leigos aplicam o termo no masculino e pronunciam “o kundalíni”, mas está errado. Repetimos: o termo é feminino, deve ser pronunciado com a tônica na primeira sílaba e a longa na última.

Pronuncie em voz alta para fixar a correção: kundaliní[1]. Significa serpentina, aquela que tem a forma de uma serpente. De fato, sua aparência é a de uma energia ígnea, enroscada três vezes e meia dentro do múládhára chakra, o centro de força situado próximo à base da coluna e aos órgãos genitais. Enquanto está adormecida, é como se fosse uma chama congelada. É tão poderosa que o Hinduísmo a considera uma deusa, a Mãe Divina, a Shaktí Universal. Todo o sistema do Yôga, de qualquer ramo, apoia-se no conceito da kundaliní.

De fato, tudo depende dela conforme o seu grau de atividade – a tendência do homem à verticalidade, a saúde do corpo, os poderes paranormais, a iluminação interior que o arrebata da sua condição de mamífero humano e o catapulta em uma só vida à meta da evolução sem esperar pelo fatalismo de outras eventuais existências. Leia mais »

domingo, 18 de março de 2012 | Autor:

Primeiro Projeto de Lei proposto pelo Prof. DeRose em 1978.
Novo Projeto de lei proposto por nós em 1999.

Em 1999 elaborei um novo anteprojeto que fosse suficientemente simples para que todos pudessem compreender, e pequeno o bastante para que não houvesse a possibilidade de os interessados se engalfinharem numa disputa infértil. O texto que propus tinha apenas dois artigos:

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose