segunda-feira, 23 de julho de 2012 | Autor:
 

 

Enviado por Fabio Azevedo:

Parece que a história se repete mesmo, em que os homens mais importantes são perseguidos e injuriados até pelos seus pares ou principalmente por eles. Aconteceu com Hans Kelsen que, por suas ideias, foi combatido e teve que sair da Alemanha nazista para os EUA e que hoje é reconhecido como um dos mais importantes juristas do séc. XX, com centenas de obras publicadas, e a disciplina, Teoria Geral do Direito, sendo ensinada nas universidades de Direito do mundo, inspirada em suas ideias.

Hans Kelsen (1881-1973), jurista austríaco, judeu, nascido em Praga, ao formular, em seu livro mais importante, Teoria pura do direito (1934), percebeu que estava contrariando muitos interesses de poderosos que usavam o Direito como forma de manipular as leis, a política e as pessoas, dando interpretações convenientes ao ordenamento jurídico, inclusive o nazismo. Na introdução dessa obra, Kelsen falou sobre as perseguições e reações violentas que vinha recebendo de pessoas que se opunham a uma forma mais neutra e científica de compreender e aplicar o direito, percebendo que o que ele propunha era muito mais “perigoso” que o que havia sido proposto por Galileu séculos antes: “a verdade prova o contrário e mostra com bastante clareza que até pela verdade sobre o curso das estrelas uma potência terrena se sentiu ameaçada” (p . XIV, Ed. Martins Fontes, 7° edição, 2006).

Explica ele ao motivo da oposição: “Esta (a minha doutrina), além de adesões e imitações, provocou também oposição – oposição feita com uma paixão quase sem exemplo na história jurídica e que de forma alguma se pode explicar pelos contrastes de posições que nessa altura vieram à luz. Com efeito, estes baseiam-se em parte em más interpretações que, para mais, frequentemente parecem não ser completamente desprovidas de uma intenção e que , mesmo quando sejam sinceros, a custo podem justificar o profundo azedume dos adversários (…) Não foi tanto a novidade, mas antes as consequências da minha doutrina, que provocaram este tumulto na literatura.” (op. cit. pp. XI e XII)

Mais adiante, escreve Kelsen: “é este o fundamento da oposição, já a raiar pelo ódio, à Teoria Pura do Direito, é este o motivo oculto do combate que lhe é movido por todos os meios. Com efeito, tal fundamento afeta os mais vitais interesses da sociedade e, consequentemente, não deixa de afetar os interesses pertinentes à oposição profissional do jurista” (op. cit. p. XII).

 

sexta-feira, 29 de junho de 2012 | Autor:

jafonso
Bom dia Mestre,

Ainda na sequência da série “como a humanidade trata seus luminares”, a noticia em baixo publicada pelo jornal português Público, mostra como a história se repete nos dias de hoje.

A notícia é relativa ao terramoto de ontem em Itália, cujo balanço mais recente já conta mais de cem mortos e 50 mil desalojados.

“Itália fez calar cientista que previu o terramoto há várias semanas”

“O Governo insistiu hoje em que o aviso, lançado pelo sismólogo Gioacchino Giuliani, não tinha fundamento científico, mas disse que tinha sido vingado e pediu que lhe fizessem um pedido de desculpas.”

Fica aqui o link:

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1372981

Vale a pena ler este comentário à notícia deixado por um dos leitores:

07.04.2009 – 06h44 – Camilo Ribeirinha, Macau – China
“Giuliani tinha razão, tal como Galileu Galilei. Tal como agora, as autoridades diziam não haver fundamento científico para a verdade de Galileu. Foi condenado à morte por dizer a verdade. Mas para Aldrabice, as autoridades já admitiam qualquer ciência. Por isso, Galileu, para não ser executado, aceitou aldrabar e salvou-se. Agora fez-se pior. Giuliani disse a verdade e as autoridades silenciaram-no e condenaram à morte uma cidade que podia e devia ter sido salva. As autoridades foram assassinas e deviam ser imediatamente demitidas, julgadas e encarceradas. O presidente do Instituto de Geofísica Enzo De Boshi e o Presidente do Município e da Agencia são claramente e com todas as evidências responsáveis pelo massacre. Qual era o mal, levar o cientista a sério e tomar medidas de protecção da população mesmo que o sismo não viesse a acontecer? Em dar-lhe razão, mesmo que a não tivesse, o mal não era nenhum. Tirar-lhe a razão, o mal foi enorme. Até um cego vê isso. É evidente que as autoridades mataram deliberadamente ou com negligência grave. O mundo deve exigir o seu castigo!”

Recomendo que entre no site, cujo link está no comentário acima, para ler a notícia inteira. DeRose.

quarta-feira, 27 de junho de 2012 | Autor:

Antigamente queimavam os hereges com lenha.
Agora, queimam-nos com jornais.

DeRose

Helena Petrovna Blavatsky, uma sensitiva com dons paranormais, foi quem fundou a Sociedade Teosófica. Sofreu tão pavorosas perseguições e difamações, que fez publicar o seguinte anúncio no jornal New York World, em 6 de maio de 1877:

“Desde o primeiro mês de minha chegada a New York comecei, por motivos misteriosos, mas, talvez inteligíveis, a provocar ódio entre aqueles que pretendiam ser dos meus melhores amigos e manter comigo boas relações. Informações aleivosas, insinuações vis e indiretas pouco elegantes choveram sobre mim. Mantive silêncio por mais de dois anos, embora a menor das ofensas que me lançaram fosse calculada para excitar a repugnância de alguém com o meu temperamento. Consegui livrar-me de um número regular desses varejistas de difamações, mas, achando que estava atualmente, sofrendo na estima de amigos cuja boa opinião me é valiosa, adotei uma política de auto-exclusão.

“Por dois anos, meu mundo esteve restrito ao apartamento que ocupo, e dezessete horas por dia, em média, estive sentada à secretária, tendo os livros e manuscritos por únicos companheiros.

“Sou uma velha e sinto necessidade de ar fresco como qualquer pessoa, mas minha aversão por esse mundo, caluniador e mentiroso, que se acha fora das fronteiras dos países incivilizados e pagãos foi tal que, em sete meses, creio ter saído de casa apenas três vezes. Contudo, nenhum retiro é seguro bastante contra os caluniadores anônimos que se valem do serviço postal. Cartas inúmeras foram recebidas por amigos leais, contendo as calúnias mais imundas contra a minha pessoa.

“Por várias vezes fui acusada de alcoólatra, embusteira, espiã russa, espiã anti-russa, de não ser russa, de aventureira francesa, de ter estado em cárceres destinados a ladrões, de ter assassinado sete maridos, de bigamia etc. Outras coisas poderiam ser mencionadas, mas a decência não permite. Desafio qualquer pessoa em toda a América a vir provar uma só das imputações contra minha honra. Convido qualquer pessoa de posse de tais provas a publicá-las nos jornais, sob sua assinatura.

Não é preciso dizer que ninguém assumiu a autoria das difamações. Blavatsky não foi a primeira nem a última a sofrer esse tipo de agressão. Foram incompreendidos, perseguidos, atacados, insultados, difamados seres de luz como Galileu Galilei, Charles Darwin, Giordano Bruno, Santos Dumont, Marcellino de Sautuola, Miguel Servet, Sigmund Freud, Carl Gustav Jung e tantos outros.

Blavatsky nem sonhava com o que conseguiriam fazer cem anos depois os inimigos da Luz para implantar as trevas.

 

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011 | Autor:
Joana Mao 18 de janeiro às 17:27
Olá Mestre, querido

Adorei esses videos da RSAnimate, especialmente o “21st century enlightenment”. As mensagens e a direção de arte são ótimas. Talvez você queira dividir com a egrégora.

Um beijão,

Joana
(chêla, Unid. Alphaville)

Sugestões:

1. Assista diretamente pelo YouTube, clicando no canto inferior direito da imagem.
2. Assista com o cursor no pause e vá parando para ler todos os textos.
3. Assista outra vez para assimilar melhor.
4. Assista os demais vídeos correlatos que aparecem na coluna da direita do YouTube. São todos sensacionais.
quarta-feira, 12 de janeiro de 2011 | Autor:

De fato, uma vez que a opinião tinha um bom número de vozes que a aceitavam, os que vieram depois supuseram que só podia ter tantos seguidores pelo peso concludente de seus argumentos. Os demais, para não passar por espíritos inquietos que se rebelam contra opiniões universalmente aceitas, são obrigados a admitir o que todo o mundo já aceitava. Daí para a frente, os poucos que forem capazes de julgar por si mesmos se calarão. Só poderão falar aqueles que sejam o eco das opiniões alheias, por serem totalmente incapazes de ter um juízo próprio. Estes, aliás, são os mais intransigentes defensores dessas opiniões. Estes odeiam aquele que pensa de modo diferente, não tanto por terem opinião diversa da dele, mas pela sua audácia de querer julgar por si mesmo, coisa que eles nunca conseguirão fazer e estão conscientes disso. Em suma, são muito poucos os que podem pensar, mas todos querem dar palpite. E que outra coisa lhes resta senão tomar as opiniões de outros em lugar de formá-las por conta própria? Como isto é o que sempre acontece, que valor pode ter a voz de centenas de milhões de pessoas? Valem tanto quanto um fato histórico que se encontre registrado por cem historiadores, quando, na verdade, todos se copiaram uns aos outros, e tudo se resume, em última análise, a um só testemunho.”

Schopenhauer,
citando Bayle em Pensées sus les Comètes (o negrito é nosso).

Certamente o autor do texto acima se referia às mentiras que passaram à História como verdades, porque um único historiador havia escrito (quem sabe, Homero ou Heródoto) e teria sido lido e repetido por cem outros.  A partir de então, se alguém afirmasse algo discrepante encontraria o argumento: “É óbvio que você está errado. Você é o único que afirma isso enquanto todos afirmam o contrário.” Mas, na verdade, havia sido apenas um que afirmara o contrário e fora repetido por cem.

Daí para a frente, “só poderão falar aqueles que sejam o eco das opiniões alheias.” Os poucos que forem capazes de julgar por si mesmos serão obrigados a calar-se como Galileu Galilei ou serão banidos, torturados e queimados vivos como Giordano Bruno.

Antigamente queimavam os hereges* com lenha.
Agora, queimam-nos com jornais.

[*do grego hairetikós – “aquele que escolhe”]

sábado, 24 de abril de 2010 | Autor:

Em dado momento, uma emoção mais forte invadiu meu peito. Eu estava no Arquivo Secreto do Vaticano, lendo textos antigos de Galileu Galilei e outros. Um dia antes, visitei a estátua de Giordano Bruno, erigida no local em que ele foi queimado por não se calar e insistir em dizer o que o mundo ainda não estava pronto para escutar.

quinta-feira, 30 de julho de 2009 | Autor:

“No passado, queimavam os hereges com lenha.
Hoje, queimam-nos com jornais.”
DeRose

Contribuição da Anahí:

“Eu, Galileu Galilei, filho do falecido Vincenzo Galilei, de Florença, com 70 anos de idade, tendo sido trazido pessoalmente ao julgamento e ajoelhando-me diante de vós. eminentíssimos e reverendíssimos Cardeais Inquisidores-gerais da Comunidade Cristã Universal contra a depravação herética, tendo frente a meus olhos os Santos Evangelhos, que toco com as minhas próprias mãos, juro que sempre acreditei e, com o auxílio de Deus, acreditarei de futuro, em cada artigo que a sagrada Igreja Católica de Roma sustenta, ensina e prega. Mas porque este Sagrado Ofício me ordenou que abandonasse completamente a falsa opinião, a qual sustenta que o Sol é o centro do mundo e imóvel, e proíbe abraçar, defender ou ensinar de qualquer modo a dita falsa doutrina. […] Eu desejo remover da mente de Vossas Eminências e da de cada cristão católico esta suspeita correctamente concebida contra mim; portanto, com sinceridade de coração e verdadeira fé, abjuro, maldigo e detesto os ditos erros e heresias, e em geral todos os outros erros e seitas contrários à dita Santa Igreja; e eu juro que nunca mais no futuro direi, ou afirmarei nada, verbalmente ou por escrito, que possa levantar semelhante suspeita contra mim, mas se eu vier a conhecer qualquer herege ou qualquer suspeito de heresia, eu o denunciarei a este Santo Ofício ou ao inquiridor Ordinário do lugar onde eu estiver. Juro, além disso, e prometo que cumprirei e observarei todas as penitências que me foram ou sejam impostas por este Santo Ofício. Mas se por acaso eu vier a violar qualquer uma de minhas ditas promessas, juramentos e protestos (o que Deus não permita), sujeitar-me-ei a todas as penas e punições que forem decretadas e promulgadas pelos sagrados cânones e outras constituições gerais e particulares contra delinquentes assim descritos. Portanto, com a ajuda de Deus e de seus Santos Evangelhos, que eu toco com as minhas mãos, eu, abaixo assinado, Galileu Galilei, abjurei, jurei, prometi e me obriguei moralmente ao que está acima escrito, e, em fé de que, com minha própria mão, assinei este manuscrito de minha abjuração, o qual eu recitei palavra por palavra.”

A capacidade de resistência à tortura tem limites. Eu aguentei por 50 anos, mas já estou quase confessando o que não fiz, para que me deixem em paz. Confira no prefácio do meu livro Quando é preciso ser forte.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose