sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2013 | Autor:

Qual a melhor forma de tratamento?

O tratamento de Mestre nós vamos deixar para o Mestre de Xadrez, Mestre Maçom, Mestre de Capoeira, Mestre de Tai-Chi, Mestre de Karatê, Mestre de Reiki, Mestre de Obras, Mestre-Escola, Mestre-Sala, Mestre de Cerimônias, Mestre de Jangada, Mestre Cuca, Mestre Marceneiro e, além destes, outros que tenham mestrado universitário, contra os quais ninguém lhes atira na cara frases do tipo “Mestre? Como assim, Mestre?” ou  “Mestre só Jesus”.

Eu gostaria que este tratamento carinhoso só fosse usado entre nós, alunos e instrutores do Método DeRose, e apenas internamente. É que nossa utilização desse tratamento tem uma conotação descontraída e amorosa, mas lá fora as pessoas o interpretam como Messias, gurú, líder espiritual e mais uma batelada de disparates.

O CBO – Catálogo Brasileiro de Ocupações, do Ministério do Trabalho, relaciona mais de trinta profissões com o título de Mestre, entre elas, Mestre de Corte e Costura, Mestre de Charque, Mestre de Águas e Esgotos etc. No entanto, quando se trata de Yôga, é muito frequente que surjam contestações.

Nunca entendi por que cometem esse tipo de questionamento aos do Yôga e não a fazem a todas as demais profissões ou posições hierárquicas.

Continuo não compreendendo e prefiro que não me expliquem. No entanto, para evitar confrontos com pessoas de educação mais rasteira, recomendo que o título de Mestre só seja utilizado entre nós quando não houver presente pessoa alguma de fora.

Mestre só deve ser utilizado pelos alunos e instrutores quando estiverem dentro das nossas escolas ou em eventos nossos. Fora do nosso círculo, falando com seus familiares e amigos, tanto os alunos quanto os instrutores, devem evitar o tratamento Mestre. Recomendamos escolher um dos que constam abaixo:

Sistematizador é um tratamento para assuntos referentes ao nosso Método ou à nossa modalidade filosófica.

Exemplo de utilização: “Joris Marengo supervisionado pelo Sistematizador DeRose desde 1976.”

Supervisor para referências sobre a supervisão profissional.

Exemplo de utilização: “O Supervisor DeRose solicita aos supervisionados que apliquem os testes mensais aos seus alunos.”

Escritor, quando se tratar de assunto editorial, livreiro ou que diga respeito de alguma forma à literatura e a textos extraídos de algum livro de nossa autoria.

Exemplo de utilização: “A mais contundente obra do escritor DeRose é seu livro ‘Quando é Preciso Ser Forte’.”

Professor Doutor (Honoris Causa) pode ser usado em contexto acadêmico.

Exemplo de utilização: “Curso ministrado na Universidade Federal pelo Prof. Dr. DeRose.”

Comendador, quando se tratar de ambiente oficial, protocolar, governamental, militar, empresarial, solenidade, outorga, entidade cultural, heráldica, filosófica, humanitária etc.

Exemplo de utilização: “Contamos com a presença do Comendador DeRose.”

Companheiro, no Rotary.

Exemplo de utilização: “O Companheiro DeRose convida os rotarianos para o lançamento do seu livro.”

Educador deve ser evitado sempre que possível. Só abrimos exceção para textos que já tenham utilizado outros tratamentos e em que seja conveniente não repeti-los.

 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012 | Autor:
Olá Mestre! Olá pessoal!

Bruno, legal a imagem e o que você escreveu sobre ela =)

Vim compartilhar com todos um documentário chamado “A Educação Proibida”. Encontrei no http://luisalbertowarat.blogspot.com.br/que é um grupo formado por professores que buscam a sensibilidade, qualidade de vida e melhor convivência.

Aqui está o link http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=-1Y9OqSJKCc#!

Algumas falas chamaram atenção:

“Se você busca resultados diferentes, não faça sempre as mesmas coisas”.

“Para descobrir a lâmpada, o criador errou mil vezes. Perguntaram a ele como se sentia sobre isso e ele respondeu: – Eu não errei mil vezes, a lâmpada é que precisa de mil passos para ficar pronta”.

“Toda vivência humana acontece em conversas e é nesse espaço que se cria a realidade em que vivemos”.

“A pressão social, as extensas jornadas laborais, a necessidade de não nos sentirmos excluídos, nos obriga dia-a-dia a tomar decisões sem perguntar-nos realmente se são lógicas ou coerentes para nós, sem pensar como nos sentimos”.

Um abraço,
Fernanda Bizzotto.

quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012 | Autor:

Para quem está de fora, é muito fácil propor soluções. Diz-se que o Brasil é um país que conta com 190 milhões de técnicos de futebol. Eu diria mais: temos 190 milhões de economistas.

Não sou político (nem quero sê-lo), não sou Governador de Estado nem Presidente da República. Mas se eu o fosse, trataria de dar um jeito, faria umas acrobacias para tratar as polícias e as Forças Armadas a pão-de-ló. São profissionais que têm mais responsabilidades e encaram mais riscos. Portanto, precisamos remunerá-los de acordo. Além do mais, a Polícia Militar é a Guarda Pretoriana do Governador.

Faria mais: nesse malabarismo de verbas, reduziria o efetivo. Para que precisássemos de menos polícia e menos cárceres (um presidiário chega a custar, em alguns estados, 10 vezes mais que um aluno), daria um jeito de remunerar melhor os professores e educadores. Investiria na educação. Com isso, não só teríamos menos criminalidade como necessitaríamos de menos hospitais, pois a cultura contribui para a preservação da saúde, com menos fumo, menos álcool e menos drogas.

Todos sabemos que isso é muito difícil de se colocar em prática em um ambiente que, ao mesmo tempo, queira ser democrático. Mas é o que eu faria.

Portanto, meus amigos, NÃO VOTEM EM MIM!

domingo, 6 de novembro de 2011 | Autor:

Texto escrito por Bruno Mazetto:

Como identificar um Mestre?

Neste caminho que percorremos, travamos contato com todo tipo de gente.

Há os que nos fazem bem. Há os que nos fazem rir e os que nos fazem chorar. Alguns passam muito tempo a nosso lado, outros se vão como um cometa, deixando apenas alguns resquícios de poeira sinalizando sua passagem. Há pessoas que não escolhemos, e que mesmo assim amamos, sem o peso da obrigação. Certas pessoas sempre têm o dom de dar bons conselhos, e nos esclarecem dúvidas, nos dão novas ideias. Há também os que constroem junto conosco castelos de sonhos perfumados, que dividem horas de prazer e nos dão força nos momentos mais difíceis.

Mas há alguém que diz exatamente o que trazemos no coração. Que dá respaldo para aquilo que já sentíamos, já acreditávamos, para que possam brotar nossos sonhos. Este nos orienta para que não voltemos a encobrir aquilo que já sabíamos, às vezes lá no fundo, que é verdade… a nossa verdade.

É assim que se encontra um Mestre. Com o coração. Com uma alegria transbordante de ter achado um holofote para jogar luz naquele canto da casa de que tanto gostamos, e que as vezes fica esquecido.

É até possível explicar racionalmente o porquê dessa escolha, pois existe mesmo um respaldo lógico, um trilhar específico de idéias que também nos levaria a concordar e identificar-nos com as palavras deste educador. No entanto o que nos faz querer estar mais próximos e compartilhar momentos vem da simples e leve sensação de que aquela forma de olhar o mundo nos fará bem. Nenhuma explicação se faria necessária se déssemos mais atenção a isto.

Mas os pupilos não são assim tão fáceis de lidar. Por vezes relutamos em aceitar algo que já deveria ser tão nítido. E este educador, seguindo seus próprios dizeres, pacientemente se dispõe a dizer o óbvio e repetir três vezes… ou um pouco mais, se necessário.

Quando eu estava mais envolvido no estudo da psicanálise me deparei com um tal Dr. Freud, que classificou a atividade do ensino, ou educação, como uma das atividades impossíveis. Esta idéia me soou como uma bomba. Mas como então o aprendizado acontece? E sabemos que de alguma forma ele acontece.. Bem, naquele núcleo chamávamos esse processo de transmissão. É uma partilha, uma atividade conjunta, que só acontece na relação entre as pessoas, é quase uma contaminação que acontece quando se expõe com sinceridade aquilo que foi vivenciado.

DeRose faz isto. Contamina-nos com seu entusiasmo inesgotável. Com seu visão de ética em grande angular. O ensino… aquela atividade comumente repetitiva, cansativa e muitas vezes impossível, até ocorre, mas, para além disso, o Mestre provoca. Provoca o aprendizado, como o faz um bom professor. Provoca a sede por mais conhecimento, como fazem as crianças e aqueles que não deixaram de sê-las. Provoca o alinhamento ético, como é esperado de um supervisor. E provoca o aprimoramento pessoal, a eclosão de tudo que nos habitava antes em estado latente, e que agora aflora e não pode mais ser ignorado, nem por quem porta este poder, nem por quem estiver a volta.

Como se não bastasse isso tudo, há ainda o carinho, o sorriso, o abraço, o olhar firme e brilhante que parece atiçar mais a nossa vontade de sermos melhores, de nos lapidarmos e tornarmo-nos mais ainda uma cópia fiel de si mesmo, do “Si Mesmo” que fica encoberto pelos medos do ego.

E tem mais a gratidão pelo legado de conhecimento resgatado, pelas amizades que só foram possíveis pelo ideal deste homem compartilhado com tanta gente.

Por estas e outras coisas das quais não me lembro ou que talvez eu nem saiba:

Obrigado, Mestre DeRose.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011 | Autor:

Oi Mestre,

A revista Trip desse mês tem conteúdo especial sobre educação. Gosto muito da linha editorial deles e lembrei de você em diversas passagens dos textos. Segue um trecho:

“Para o Iluminismo, a própria ideia de inteligência consistia de certo tipo de pensamento dedutivo e um conhecimento dos clássicos – o que viemos a chamar de habilidade acadêmica. No código genético da educação pública, está entranhada a ideia de que existem dois tipos de pessoas: acadêmicas e não acadêmicas, inteligentes e burras. A consequência disso é que muitas pessoas brilhantes acham que elas não o são, porque foram julgadas à luz dessa visão particular da mente.” – a matéria é baseada numa entrevista do educador britânico sir Ken Robinson.

O link para a matéria completa é esse: http://revistatrip.uol.com.br/revista/203/reportagens/aprendendo-a-ensinar.html#6

Beijos,

Carol Mathias
Instrutora da Unidade Itu

terça-feira, 23 de agosto de 2011 | Autor:

Pois é… Acabei de chegar do DeRose Festival de São Paulo e estou plena de tudo de bom que o Método pode fazer por quem se dispõe a fazer parte dessa família. E então resolvi contar aqui esta história para tentar demonstrar, minimamente, o que essa obra significa para mim:

Sempre soube que as crianças são extremamente sensíveis e, outra vez, tive a comprovação deste fato.
Comecei a praticar o Método há 5 anos, porém, em alguns períodos, por motivos diversos, mesmo não tendo me desligado da egrégora, interrompi minhas aulas. A última vez que isso aconteceu foi mais ou menos 3 anos atrás.

Quando retomei, vivi uma cena que nunca, nunca vou esquecer. Uma cena que ilustra, sem margem para discussão, dada a pureza de quem a protagonizou, a grandeza da obra desse educador.

No primeiro dia do meu retorno, assim que cheguei em minha casa, meu filho, que naquela época tinha uns 8 anos, saiu em disparada para me abraçar, e antes que eu tivesse tempo de perguntar o porquê daquilo ele olhou nos meus olhos com a expressão mais feliz que possui e falou todo emocionado:

– “Que bom que você voltou a praticar, mamãe, assim você fica muito mais feliz!!!”

Hoje em dia, quando por alguma razão não vou à aula, eu levo uma bela bronca dessa criança querida e, há poucos meses, ele perguntou se demora muito ainda para poder ir comigo, porque quer ficar feliz como eu estou quando venho de lá!

Que orgulho de filho mais inteligente esse que eu tenho, viu? rsrsrs

Obrigada, Mestre DeRose!

Priscila Gonçalves (Unidade Al. Campinas, São Paulo, SP)

segunda-feira, 25 de julho de 2011 | Autor:

Mestre querido, obrigado pelos preciosos ensinamentos.
Segue texto que escrevi sob influência do seu livro Anjos Peludos.
Fala, entre outras coisas, sobre o poder do sorriso

Você já se sentiu poderoso?

Gosto muito de ensinar e nada me ensina mais do que educar. Aprimoro-me a cada dia com o intuito de lapidar gente.
É claro que pensando e repensando a melhor forma de educar estou constantemente me aprimorando, me reconstruindo.
Nem sempre é possível ensinar como gostaria. Às vezes do banquete que tenho a oferecer o aluno consegue degustar apenas a entrada. Tudo bem. Aprendi, nos meus 5 anos como instrutor, que paciência, muita paciência é pré-requisito para quem quer se tornar um grande educador.
Dedico-me a reeducar comportamento, reeducar respiração, implanto programa de qualidade de vida em empresas, lifestyle coaching para empresários, treino desportistas de alta performance. Todo o conjunto de técnicas e conceitos que me dedico a transmitir, e muito mais, vem de uma Cultura que se denomina Método DeRose.
Alguns alunos querem mais, tem fome de aprimoramento, se dedicam ao refinamento nas relações humanas e com o meio ambiente, aliam a prática diligente de técnicas respiratórias, corporais, de descontração, de concentração, de meditação ao aprimoramento comportamental. Esses são os que melhor entendem nossa proposta, esses facilitam o meu prazer de ensinar e são os que mais evoluem. É um deleite ensiná-los.
Há poucos dias tive uma experiência prática que me encheu de confiança quanto ao poder do que ensino, imagino que os mais identificados já tenham passado por experiência semelhante.
Gosto muito do contato com a natureza (isso também me deixa muito feliz) sou surfista desde os 13 anos de idade e este ano completo 36, amo muito esse esporte. Estou certo que como em qualquer meio desconhecido, as suas ilusões cairiam por terra, ou por água salgada, se convivesse com o padrão comportamental da tribo do surf. Os mais conscientes cultivam as boas relações humanas mas, em sua maioria tratam-se de pessoas mal educadas, são violentos, territorialistas. Ai dos desconhecidos! Qualquer semelhança com alguns ambientes de trabalho seria mera coincidência?
Em um dia com muitos desses bárbaros na água decidi testar as teorias que ensino em minhas aulas. O clima não era amistoso, gritos de intimidação surgiam aqui e ali. Resolvi assumir uma postura confiante, a linguagem corporal inevitavelmente definiria se o meu papel seria de presa ou não. Ergui a cabeça, estufei o peito e usei o mais infalível dos truques que tinha na manga do meu wetsuit, desenhei um constante e discreto sorriso no rosto. Os olhares inquisitores daqueles que me cercavam se transformaram como passe de mágica, surfei sem ser incomodado, e por incrível que pareça transformei alguns olhares intimidadores em um bate papo informal e descontraído.
Ali me senti poderoso, comprovei o poder do Método que ensino, e constatei que a forma mais eficiente de ensinar é através do exemplo. Senti-me na onda perfeita.

Instrutor Helton Santana

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose