Hoje, aula ao vivo com DeRose
terça-feira, 15 de janeiro de 2013 | Autor:

Temos a mania de manifestar a síndrome do “eu sou pobre, pobre, pobre de Marais je suis“. E, portanto, precisamos utilizar todos os espaços disponíveis. Não conseguimos deixar espaços em branco, respiros elegantes e margens generosas. Não conseguimos deixar de poluir nossos impressos, textos, seja lá o que for. Eu também padeço dessa síndrome. Mas estou me curando bem rápido. Na verdade, com meus quase setenta anos de idade, estou evoluindo mais rápido que a moçada de vinte, trinta e quarenta. Já expliquei várias vezes aos nossos Empreendedores do Método DeRose que quero uma arte com muitos espaços, respiros e margens, mas os executivos não conseguem compreender isso e continuam insistindo em empapuçar os espaços disponíveis com corpos de letra e imagens grandes demais.

Talvez, assistindo o vídeo abaixo consigamos compreender melhor a que me refiro. Assista, medite, assista de novo, medite outra vez. Assista pela nona vez e dê uma marretada na moleira para ver se entra!

Colagem feita pelo Gustavo Oliveira.

Apple / Microsoft

__________________

Enviado pelo Henrique Utsch: 

Só para lembrar o pessoal e mostrar para quem não sabe os principios do Design.
I. Proximidade e alinhamento – elementos que pertençam a um mesmo grupo devem estar próximos.
II. Equilíbrio, proporção e simetria – todos os componentes devem ser complementares.
III. Contraste, cores e brancos – layouts dinâmicos chamam a atenção e causam impacto.
IV. Ordem, consistência e repetição – você tem toda a liberdade para criar as regras, mas deve segui-las.
V. Simplificação – simplicidade é sinônimo de elegância, objetividade e, acima de tudo, clareza.
VI. Legibilidade – textos existem para serem lidos.
VII. Integração – o design não pode desafinar.

Mais em: http://www.luli.com.br/2008/03/20/3-principios-de-design/

sexta-feira, 27 de agosto de 2010 | Autor:

Quando utilizamos até os mínimos espaços para entupi-los de texto ou para ampliar o tamanho das letras até os limites do papel, estamos passando ao leitor uma mensagem de mau-gosto, de falta de profissionalismo e pobreza de espírito. Algo do tipo: “eu sou pobre, pobre, pobre, de Marais, Marais, Marais…, então, preciso aproveitar todo o papel, pois disponho de pouco papel, tenho que fazer o impresso menor por economia e assim a solução é apertar o texto e diminuir as entrelinhas”.

Se queremos transmitir uma mensagem de elegância, a primeira providência é proporcionar margens generosas e espaços estéticos entre os blocos de texto e de ilustração.

Uma das poucas exceções é a instituição do pocket book, pois sua existência já é uma confissão de proposta de economia de papel e no preço final do livro. Mesmo assim, se for possível, é conveniente levar em consideração os princípios acima mencionados.

Há vários manuais interessantes sobre diagramação de impressos. Um deles é Design para quem não é designer, de Robin Williams. Comprei pela Amazon.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral http://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel http://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) http://www.facebook.com/alex.brasileiro http://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End http://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose