sexta-feira, 25 de novembro de 2011 | Autor:

Mestre, falando em alimentação, hoje encontrei o vídeo que envio sobre o mau uso de agrotóxicos no Brasil. O texto é da jornalista Lúcia Freitas:

“Já há algum tempo existe a Campanha Agrotóxico Mata. Organizada por diversas entidades, a ideia é chamar a atenção da população para o mau uso de agrotóxico no Brasil.
A história chamou a atenção do cineasta Sílvio Tendler depois de uma conversa com Eduardo Galeano. O resultado é um filme de 50 minutos (abaixo) em que ele conta a história destes produtos no Brasil – o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública.

Com narração de Amir Haddad, Dira Paes, Julia Lemmertz e Caco Ciocler, o documentário tem cerca de 50 minutos e denuncia as consequências negativas do uso dos venenos na produção de alimentos, tanto para a saúde dos trabalhadores que os aplicam quanto para os consumidores, e os malefícios econômicos, sociais e ambientais advindos desse modelo de agricultura. Como contraponto à ideia de que esses produtos são fundamentais para produzir, o filme também mostra exemplos de pequenos agricultores que produzem alimentos saudáveis e abundantes por meio da agroecologia.”

O veneno está na mesa:

Um abraço forte!

Lu

Unidade Centro Cívico — Curitiba — PR
http://www.derosecentrocivico.org

httpv://youtu.be/8RVAgD44AGg

terça-feira, 27 de setembro de 2011 | Autor:

“Burros! Burros!”, é o brado que me ecoa na mente cada vez que escuto um áudiolivro no meu carro. A ideia é muito boa. Poder ler os grandes clássicos e todas as obras que eu sempre quis conhecer e nunca tive tempo. No entanto – que irritância – os locutores só têm voz, falta-lhes estofo cultural. Imagine escutar “cêdro”, quando a pronúncia da madeira é cedro (“cédro“); “por consegüinte”, pronunciando a letra u; pronunciando “míster” (como se fosse inglês) o vocábulo mister (mistér) do português… e mais uma quantidade de analfabetismos da nossa própria língua. E quando surgem citações em inglês, francês, italiano, espanhol e latim? Em um livro de Machado de Assis, o locutor cometeu a leitura “ma-i-çon” para a palavra francesa maison que, qualquer criança sabe, pronuncia-se mesôn (ex.: Maison de France)!  C’est, ele pronunciou “sésti“…  sem comentários! Em uma citação do italiano, che foi lido como “tchê“. Em O Píncipe, de Maquiavel, o locutor pronuncia o nome da cidade de Piza como se fosse “pizza” (na segunda vez, acerta!). E tantas outras que nem vale a pena mencionar.

E os tradutores! No mesmo livro citado, o autor, dirigindo-se ao nobre (singular) a quem o livro fora ofertado, diz, em brasileirês: “A vocês…” quando no original era “A vós…” Como o animal entendeu que “vós” é a segunda pessoa do plural, lascou um “vocês” na tradução! Depois, passa a misturar o tratamento “tu” e “você” na mesma frase pelo livro todo.

Que o locutor não saiba pronunciar outras línguas, ou que o tradutor seja semianalfabeto, poder-se-ia solucionar desde que houvesse a responsabilidade da editora em providenciar uma revisão eficiente da gravação.

Eu gravei um audiobook do meu livro Eu me lembro… . Embora a locução tivesse sido minha, revisei a gravação um sem-número de vêzes, até que nada mais houvesse a corrigir. Considero uma falta de respeito com o leitor, com o consumidor, jogar o áudio no mercado de qualquer maneira, só para gastar o mínimo e faturar rapidamente.

É preciso que os leitores se insurjam e reclamem! Basta do silêncio dos inocentes.

domingo, 18 de setembro de 2011 | Autor:

Uma hora e meia no site e por telefone para conseguir comprar uma passagem de ponte aérea Rio/São Paulo é um desrespeito com o passageiro. No final, só conseguimos pagando um ágio de dez por cento sobre o preço da passagem para que aceitassem realizar venda por telefone. Se o site está com problemas (e já não é de hoje!) deviam, no mínimo, fazer a operação por telefone sem cobrar uma sobretaxa. Como essa consideração não foi praticada, o passageiro sente-se extorquido. Extorquido no seu dinheiro e no seu tempo, afinal, uma hora e meia é um desacato ao consumidor.

segunda-feira, 20 de junho de 2011 | Autor:

PROTESTO CONTRA OS ALTOS IMPOSTOS
Vamos acabar com as altas taxas de impostos:
NÃO VAMOS GASTAR DINHEIRO NOS PRIMEIROS 5 DIAS ÚTEIS DE CADA MÊS.
Não compre cervejas, roupas, sapatos, etc. nestes dias. Não vá a boates, happy hour ou jogos de futebol. Assim vamos mostrar aos governantes que nosso dinheiro é que impulsiona a economia brasileira. Não compre supérfluos nestes dias.
Veja no site http://www.impostometro.com.br quanto o povo brasileiro já pagou de tributos.
Imagine as lojas, shopping e até um jogo de futebol sem nenhum consumidor….
AJUDE A DIVULGAR!

sábado, 14 de maio de 2011 | Autor:

A Brastemp deu uma demonstração de respeito pelo consumidor e ganhou muitos pontos positivos que nenhuma campanha de publicidade seria capaz de conseguir tantos admiradores e clientes fidelizados.

Atendendo às nossas reivindicações, a Brastemp solucionou o nosso problema com uma nobreza raríssima entre as empresas do nosso país. Não existindo mais a peça que precisava de substituição, a empresa mostrou que “é mesmo uma Brastemp“: enviou-nos um fogão novo de seis bocas, de primeira linha, inteiramente grátis.

Assim como pomos a boca no trombone para reclamar, é preciso pôr a boca no trombone para agradecer e para elogiar.

Peço aos nossos amigos que repliquem este post e o publiquem onde puderem.

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose