quarta-feira, 14 de setembro de 2011 | Autor:

Mestrinho, achei muito interessante esse vídeo. Mostra como inúmeros danos causados a natureza está intimamente ligado ao uso da carne, principalmente o efeito estufa. Talvez situações que ninguém imagine, pelo menos aqueles que ainda fazem uso desse tipo de alimento. É tão fácil ajudar o meio ambiente, são apenas escolhas inteligentes. Compartilho!

httpv://youtu.be/5IpCZEh5eIA

 Assista também às partes 2, 3, 4 e 5.

quarta-feira, 28 de abril de 2010 | Autor:

Comemoramos a inauguração de três novas unidades na Europa: a de Barcelona, do Thiago Massi; a de Londres, do Gustavo Cardoso; e a de Roma, do Carlo Mea. A nova de Barcelona, ainda não conheço. Mas as outras duas, pude constatar que estão situadas em bairros nobres, ruas importantes e são bem bonitas. Segundo fui informado, a de Barcelona também segue o mesmo padrão.

O Gustavo Cardoso e o Carlo Mea estão ambos de parabéns, pois com suas escolas recém-fundadas já contam com diversos instrutores na formação, além dos vários que formaram enquanto não tinham sequer escola e apenas davam aulas em ginásios e empresas.

Também merecem um eloquente louvor porque, sendo novas escolas (cada uma com poucos meses), inscreveram um número expressivo de alunos para os meus cursos, o que demonstra engajamento de instrutores e alunos: cada um, cerca de 60% do número de participantes do curso de Lisboa, sendo que em Lisboa temos várias escolas há 30 anos e dou cursos todos os anos há três décadas.

Lisboa é um doce de cidade, as pessoas são queridas, o hotel é incomparável (você o viu aqui no blog, no post “Minha casa em Lisboa“) e eu adoro meus amigos, instrutores e alunos. Sinto-me imensamente feliz cada vez que lá retorno e reencontro aqueles olhinhos brilhantes, sorrisos francos e abraços apertados. Mas Lisboa precisa reagir. Como lá o trabalho é antigo e está consolidado, sinto que paira uma atmosfera de “zona de conforto” na qual as pessoas não precisam, ou pensam que não precisam, batalhar tanto. Há vinte anos, tínhamos dez por cento do número de escolas que temos hoje em Portugal e apenas 1,2% do número de instrutores. No entanto, os cursos contavam com pelo menos o dobro de participantes. Por outro lado, hoje que temos dez vezes mais escolas e oitenta vezes mais instrutores, a qualidade dos alunos e instrutores em Portugal, reconheçamos, é bem melhor.

Ao Gustavo quero cumprimentar pela excelente organização do curso de Londres e pelo magnífico hotel. Não chega aos pés do hotel de Lisboa, mas Portugal tem uma outra estrutura, muito mais poderosa pela antiguidade. Na minha chegada à escola de Londres, fui brindado com um quinteto de jovens alunos da unidade, interpretando peças clássicas com violinos, violoncelo e clarineta. E tudo fluiu leve e fácil. Para quem não é do país, está em Londres há tão pouco tempo e acabou de inaugurar sua escola, foi uma proeza.

Ao Carlo preciso elogiar veementemente pelo seu empenho em fazer tudo impecavelmente correto. Inauguração bem divulgada, casa cheia. Curso bem divulgado, lotado. Enquanto escrevo, Carlo está dando uma entrevista sobre o Método DeRose na RAI, a mais importante rede de TV da Itália, e a Vivi demonstrando ao vivo. Quanto a nós, estamos sendo tratados como reis. Ou melhor, deveria dizer como condes, pois o Carlo mandou fazer uma pesquisa dos meus antepassados e me presenteou com o brasão da família juntamente com um documento de título de Conde De Rose de um ancestral.

À inauguração e cursos de Londres compareceram colegas nossos de seis países; e aos de Roma compareceram companheiros de sete países.

Leia mais »

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 | Autor:

Olá Mestre,

Uma aluna (Daniela) enviou este link, muito interessante sobre a produção e consumo de carne.

http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2010/02/23/terra+e+incapaz+de+acompanhar+ritmo+atual+de+consumo+de+carnes+e+pescado+9406165.html

Abraços,

Sergio Ferreira

_____________________

Mestre, veja que matéria interessante. O que será preciso para que as pessoas percebam que uma mudança é necessária? Beijos!

Terra é incapaz de acompanhar ritmo atual de consumo de carnes e pescado
23/02 – 11:29 – AFP

No topo absoluto da cadeia alimentar, os seres humanos se dão ao luxo de comer de tudo, mas a um preço elevado: a pesca massiva está levando as espécies marinhas à extinção, e a piscicultura polui a água, o solo e a atmosfera – o que precisa fazer com que mudemos de hábitos.
Alimentar a humanidade – nove bilhões de indivíduos até 2050, segundo as previsões da ONU – exigirá uma adaptação de nosso comportamento, sobretudo nos países mais ricos, que precisarão ajudar os países em desenvolvimento.

Segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), publicado nesta quinta-feira, a produção mundial de carne deverá dobrar para atender à demanda mundial, chegando a 463 milhões de toneladas por ano.

Um chinês que consumia 13,7 kg de carne em 1980, por exemplo, hoje come em média 59,5 kg por ano. Nos países desenvolvidos, o consumo chega a 80 kg per capita.

“O problema é como impedir que isso aconteça. Quando a renda aumenta, o consumo de produtos lácteos e bovinos segue o mesmo caminho: não há exemplo em contrário no mundo”, destacou Hervé Guyomard, diretor científico em Agricultura do Instituto Nacional de Pesquisa Agrônima da França (INRA), responsável pelo relatório Agrimonde sobre “os sistemas agrícolas e alimentares mundiais no horizonte de 2050″.

Atualmente, a agricultura produz 4.600 quilocalorias por dia e por habitante, o suficiente para alimentar seis bilhões de indivíduos.

Deste total, no entanto, 800 se perdem no campo (pragas, insetos, armazenamento), 1.500 são dedicadas à alimentação dos animais – que só restituem em média 500 calorias na mesa – e 800 são desperdiçadas nos países desenvolvidos.

Por outro lado, o gado custa caro ao meio ambiente: 8% do consumo de água, 18% das emissões de gases causadores do efeito estufa (mais que os transportes) e 37% do metano (que colabora para o aquecimento do clima 21% mais que o CO2) emitido pelas atividades humanas.

E, mesmo que seja fonte essencial de proteínas, a carne bovina não é “rentável” do ponto de vista alimentar: “são necessárias três calorias vegetais para produzir uma caloria de carne de ave, sete para uma caloria de porco e nove para uma caloria bovina”, explicou Guyomard.

Desta maneira, mais de um terço (37%) da produção mundial de cereais serve para alimentar o gado – 56% nos países ricos – segundo o World Ressources Institute.

Seria o caso, então, de reduzir o consumo de carne e substitui-lo pelo peixe?

Os oceanos não podem ser considerados uma despensa inesgotável, estimou Philippe Cury, diretor de pesquisas do Instituto de Pesquisas para o Desenvolvimento (IRD).

O número de pescadores é duas a três vezes superior à capacidade de reconstituição das espécies.

No atual ritmo, a totalidade das espécies comerciais haverá desaparecido em 2050.

Bruno Sousa, Unidade Leblon, Rio de Janeiro

___________________

Mestre

Neste link do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que cita uma matéria da Época
http://www.inpe.br/noticias/clipping/img/clip10122009_15.pdf

O link acima trata de um estudo de pesquisadores de várias instituições tais como o INPE e a UnB. O sumário executivo feito por esses cientistas está no link abaixo. Nele consta que 3/4 do desmatamento da amazônia se devem especificamente à atividade da pecuária bovina. (O que o estudo não relaciona é o quanto que foi desmatado para a produção de soja [ração para o gado] que é de 25% segundo o Ministério do Meio Ambiente. Faça as contas e verá que dá 100%!)
Esse é o link para aquele estudo. Veja essas informações na página 1, último parágrafo.
http://www.amazonia.org.br/arquivos/337617.pdf

Um abraço
César – Unidade Saquarema – RJ

Leia mais »

domingo, 10 de janeiro de 2010 | Autor:
  Rogério Chimionato – Método DeRose Centro Cívico

Carro movido a ar. Incrível!

http://d.yimg.com/kq/groups/4281941/1326174772/name/Carro.wmv

Abraços!

Rogério Chimionato
yogacentrocivico.org/blog

[Como o link às vezes não entra, experimente copiar o endereço e dar comando de abri-lo. Vai valer a pena.]

O que vemos, Rogério, é que há muitas soluções: carro a álcool, elétrico, híbrido, a hidrogênio, a energia solar, a biodiesel com gorduras reutilizáveis dos restaurantes, a lixo orgânico convertido em energia, a água e agora a ar. Soluções são o que não falta. É tudo uma questão de paradigma e de interesses comerciais das gigantes da indústria que pouco ligam se estão poluindo a atmosfera e expondo o planeta a guerras pelo petróleo. DR

Leia mais »

domingo, 7 de junho de 2009 | Autor:

Segundo o estudo abaixo, publicado pela revista Época de 16 de Outubro de 2006, todos os veículos juntos – automóveis, motocicletas, ônibus, caminhões, tratores e outros – produzem 4% da poluição do ar.

No entanto, a poluição produzida pela criação de ruminantes (28%) mais seu esterco (4%), juntos produzem 32% da contaminação da atmosfera. A desproporção é colossal!

Conclusão: os maiores responsáveis pela poluição e pelo comprometimento do ar que respiramos, pelo aquecimento global e pela destruição da camada de ozônio são os comedores de carnes que sustentam uma indústria pecuária sem precedentes na história da humanidade.

Confira no gráfico abaixo (clique no gráfico para ampliá-lo):

Eimara Lima

Mestre, por este link aqui dá para ver melhor e navegar no site Animals Save the Planet. Tem até informações sobre os personagens. Um primor!
http://www.animalssavetheplanet.com/

sábado, 14 de março de 2009 | Autor:

Não brinque com o fogo

Tome muito cuidado com os lugares onde acende um incenso ou uma vela. Mais de uma escola de Yôga já sofreu incêndio por causa de velas que foram esquecidas acesas e sem ter uma superfície refratária por baixo. A Unidade Higienópolis (antiga) e a Unidade Sérgio Santos foram algumas das vitimadas. A Sede Central só não queimou (e com ela o DeRose), porque ao chegar em casa tarde da noite, por pura intuição fui olhar a sala de aula, coisa que nunca faço. Lá estava uma vela acesa em cima de uma mesinha de madeira! Se eu não a visse, de madrugada a casa toda teria ardido debaixo do meu quarto e eu não estaria aqui para contar a história!

Não queime lixo e muito menos acenda fogueiras. Se estiver caminhando em uma floresta, não fume de jeito nenhum, nem acenda incenso – a bituca ou a cinza no chão podem provocar um incêndio que se alastra rapidamente. Quando uma árvore é queimada, ela emite todo o carbono que tinha armazenado dentro de si na atmosfera. Imagine o estrago quando um incêndio destrói uma floresta inteira.

Leia mais »

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009 | Autor:

Plante uma árvore

Você pode plantar mudinhas mesmo dentro de casa. Depois que elas crescerem o suficiente, você pode transplantá-las para outros locais. Os vizinhos e a prefeitura vão achar simpático. As plantas consomem (respiram) dióxido de carbono e produzem (expiram) oxigênio. Isso ajuda a purificar a atmosfera do planeta.

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose