quarta-feira, 29 de agosto de 2012 | Autor:

Conheço a PM de perto. Conheço os homens e mulheres que arriscam suas vidas todos os dias pela nossa segurança. São pessoas de boa índole e boa formação. São pessoas boas.

Se há alguém que poderia sentir ressentimentos pelos inconvenientes ocorridos na minha juventude, durante a ditadura, seria eu. No entanto, se algo de negativo ocorreu naquela época, aquilo acabou, passou. Os que estão aqui hoje estavam nascendo em 1964, 1970, 1980. Constituem uma nova geração, esforçada, honesta, que trabalha com boas intenções.

Quem está de fora, seja lá do que for, tende a julgar os outros depressa demais e a estereotipar. Creio que a população deveria conhecer melhor os seres humanos que fizeram opção pela carreira de policial militar, uma carreira de heróis, mal remunerada, com risco constante da própria vida. É impressionante a quantidade de ações que a PM promove em benefício da população, ações filantrópicas e de assistência social.

Lembremo-nos de que os Bombeiros de São Paulo, que nos salvam em acidentes e tragédias, são da Polícia Militar.

A PM Ambiental protege os animais silvestres e as nossas florestas. A Defesa Civil, que socorre a população em casos de inundações, desabamentos e outras calamidades, também é da PM.

Temos muito é que agradecer aos homens e mulheres que formam essa honrada corporação.

 

___________________

 

Olá Mestre, com relação a este tema, tenho um relato bem ilustrativo.

Em meados da década de oitenta, em uma das muitas vezes em que junto com minha família de sangue, cumpríamos o trajeto quinzenal de 500 km entre Campina da Lagoa e Curitiba. Como já era previsto, devido ao péssimo estado das rodovias, ficamos na estrada devido a um segundo pneu furado.

Com a Belina sempre cheia quase tocando no chão, devido a família enorme, estávamos sempre alertas para o evento fatídico, mas desta vez foi um pouco diferente, ao invés de um, foram dois pneus que se romperam.

Neste segundo, estávamos a pouco mais de 100 Km de Curitiba, mas mesmo assim, em lugar ermo, sem borracharia, nem rica alma para nos ajudar. Madrugada adentro, o mato e as estrelas como companhia, logo nos sentimos em posição bastante vulnerável ( irmãos menores, mãe cansada, carro, bagagens, lugar desconhecido ). O jeito era esperar alguém parar, mas nada acontecia e aquele momento em que o desespero começava a tomar conta.

Após alguns minutos eternos, finalmente parou um veículo, um opala antigo com 2 policiais militares. Ao invés de aplicar-nos alguma multa ou darem alguma informação ou apoio moral, compreenderam a problemática e tomaram a iniciativa de levar eu e meu pai até alguma borracharia aberta.

O carro de polícia andava a 160 Km por hora, e oque no início pra mim era apenas uma grande aventura, logo adquiria um status de heroísmo pois não imaginávamos que não havia posto nem borracharia por muitos quilômetros de distância.

O rádio do comando chamava sem parar, diversos casos para eles resolverem, uma tensão impressionante, mas de alguma forma nos sentíamos seguros e cada vez mais gratos.

Só encontramos uma borracharia aberta quase na região metropolitana de Curitiba, eles fizeram questão de permanecerem conosco durante o serviço e acredito que sem sua presença o mesmo não seria tão eficiente e talvez minha mãe e os outros irmãos amanheceriam na estrada.

Mesmo após o conserto e a insistência de meu pai para que chamassem um táxi que já estava tudo ótimo, optaram por nos retornar pessoalmente até o veículo na estrada.

Após quase duas horas de dedicação exclusiva, não pediram nada. Não havia palavra para agradecermos. Meu pai fez questão de anotar os seus nomes. Posteriormente mandou presentes e fez um boa recomendação de seu trabalho ao batalhão.

Fiquei com a lembrança daqueles profissionais durante dias, queria ser policial durante o resto da minha infância e ainda hoje 25 anos depois, fico comovido ao lembrar.

É claro que existem problemas pontuais, mas por estas e outras que desde cedo tenho plena convicção de que é a bravura, heroísmo e disposição que levam muitos brasileiros a esta profissão.

Vale lembrar que é muito importante dirigir a palavra chamando-os de policiais e não “guardas”.

Grato pela oportunidade e grande abraço,

Rafael Schoenfelder
Curitiba Pr

quarta-feira, 23 de maio de 2012 | Autor:
Olá Mestre,

Encaminho a foto que tiramos no DeRose Festival Florianópolis, na qual apoiamos a campanha “Veta Dilma”, para que possamos divulgar o máximo possível e fazermos pressão para que o Código Florestal não seja alterado. Assim, criaremos mais força para evitar o enorme impacto ambiental negativo que virá com as alterações aprovadas pelo Poder Legislativo.

Um grande beijo,

Camila Bloizi.

Clique na imagem para ampliá-la.

terça-feira, 22 de maio de 2012 | Autor:

Enviado por Assíria Mikosz:

 

Olá querido Mestre,

Acabei de assistir este video sobre Midway que é um dos lugares mais remotos do planeta, fica no norte do oceano Pacífico entre o Japão e a América do Norte, ele fica perto daquele mar de lixo que existe no Pacífico.

O fotógrafo Chris Jordan resolveu fazer um filme sobre Midway, segundo o site do projeto este é o trabalho de uma jornada visual poderosa no coração de uma espantosa tragédia ambiental muito simbólica. “Milhares de albratozes morrem nessa ilha por confundir com comida pedaços de plásticos que encontram no mar. As imagens são icônicas. O objetivo, no entanto, é olhar para além do sofrimento e da tragédia. No meio do Oceano Pacífico temos a oportunidade de ver o nosso mundo em contexto. No meio do caminho não podemos negar o impacto que temos sobre o planeta. Mas, ao mesmo tempo, ficamos impressionados com a beleza da terra e da paisagem sonora da vida selvagem que nos rodeia, e é aqui que podemos ver o milagre que é a vida nesta terra. Assim é com o conhecimento do nosso impacto aqui que devemos encontrar um caminho a seguir.”

Aqui cabe perfeitamente o clichezão: imagens valem mais do que mil palavras, né? Nem preciso gastar muito tempo escrevendo para se sentir sensibilizado por elas. E não pense que por você viver no Atlântico Sul você não tem nada a ver com isso, sabe as correntes marinhas? Sabe os navios que cruzam o planeta transportando de tudo? É, esse é o mundo globalizado, não existe nada que não esteja interligado! Pense nisso antes de jogar aquela tampinha, aquele plastinho da bala ou o lacre de uma etiqueta na rua.

http://www.midwayfilm.com/

Um beijinho,

Assíria Mikosz
Empreendedora do Método DeRose Metódo DeRose- Unidade Chiado.

Texto retirado do site: http://scienceblogs.com.br/ecodesenvolvimento/2012/05/midway/

terça-feira, 24 de janeiro de 2012 | Autor:

Toda a cultura judaico-cristã se apoia na dicotomia vício e virtude. Nesse sentido, vício é a antítese da virtude e tem o sentido de defeito, qualidade negativa, imperfeição, disposição para praticar o mal.

Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento são pródigos em exemplos e parábolas que procuram incutir nos seus leitores a noção de que o vício será punido e a virtude recompensada.

Contudo, no sentido corrente da linguagem coloquial, vício tem a acepção de dependência gerada pelo uso de drogas (cocaína, nicotina, cafeína, teína, teobromina, guaraína, adrenalina, álcool etc).

A maioria dessas drogas é considerada inocente e, dessa forma, é legal e socialmente aceitável. No entanto, nem por isso tais substâncias deixam de ser potencialmente prejudiciais a partir do momento em que criem dependência física e psíquica. Várias delas alteram os sentidos a ponto de pôr em risco a própria vida do usuário e as dos demais.

Quando nos referimos ao vício e às drogas, popularmente estamos aludindo às substâncias ilegais ou, pelo menos, ao álcool e ao fumo. Raramente ao café. Apesar disso, uma das primeiras coisas que o médico pergunta em uma consulta é quanto o paciente toma de café por dia!

Quer apliquemos aqui a primeira ou a segunda acepção do termo vício, a forma mais eficiente de combatê-lo é atuando na juventude. Uma pessoa que já carregue nas costas quarenta anos de idade, ou mais, dificilmente aceitará a orientação para que deixe de fumar, beber ou usar drogas, a menos que ocorra uma motivação muito forte como o diagnóstico de uma doença grave. Mesmo assim, um bom número ainda reincide.

Trabalho há cinquenta anos com reeducação comportamental e qualidade de vida. Pela minha experiência, o investimento de trabalho e energia necessários para tentar desintoxicar e curar um usuário de drogas é cerca de cem vezes maior do que o trabalho e energia investidos para evitar que um jovem comece a fumar, beber ou envolver-se com tóxicos. E as probabilidades de sucesso seguem a mesma proporção.

Assim sendo, poderemos auxiliar cem vezes mais gente se realizarmos um trabalho preventivo. É a mesma coisa com a criminalidade. Custaria muito menos ao estado educar do que sustentar toda uma máquina policial e outra judiciária para processar, prender e manter as tantas penitenciárias abarrotadas, as quais nunca darão conta da demanda se a política continuar sendo a de “punir depois” ao invés de “educar antes”. E todos sabemos que o uso de drogas aumenta a criminalidade.

Ocorre que o ser humano se vicia muito facilmente e não apenas em substâncias. Ele se vicia com muita facilidade e em qualquer coisa. Vicia-se no jogo, em esportes radicais, em pescaria, em colecionar coisas, em sexo, em religião, em chocolate, em Coca-Cola, em cafezinho, em novelas, em seriados, em ganhar dinheiro, em perder dinheiro… vicia-se em qualquer coisa.

Então, conhecendo essa característica do Homo sapiens, durante este meu meio século de profissão tenho trabalhado para “viciar” as pessoas em não contrair vícios. É uma questão de condicionamento, de educação, de costume implantado. Quando proporcionamos um ambiente sadio e preleções esclarecedoras (jamais doutrinadoras), a tendência da maioria é a de incorporar esse hábito de cultivar a saúde, o bem-estar, a qualidade de vida, as boas relações humanas, a produtividade como um esporte, a responsabilidade social e ambiental como uma questão de honra. Essas pessoas não terão foco – nem tempo – para o vício.

Mesmo afastando-se do ambiente saudável do nosso Método, muitas delas levam consigo o patrimônio de bons costumes que lhes ensino e geralmente conseguem irradiá-los para dentro do seu círculo familiar. Algumas vezes, transmitem os bons hábitos até para os colegas de profissão e círculo de amizades. Dessa forma, ao reeducarmos uma pessoa, estaremos criando ondas de choque que reverberarão na sociedade conseguindo, assim, transformar o mundo.

__________________

Querio Mestre,
Que belo post! Tão exato ao descrever a natureza “viciada” do ser humano. E tão perfeito ao falar sobre prevenção versus remediação. Eu fui uma adolescente complicada, sempre buscando algo que eu não sabia o que era, e nessa busca me deparei com diversos tipos de vícios. Hoje tenho orgulho de já ter me livrado de vários deles, que considero os piores, e estar trabalhando em relação aos outros (ah o chocolate, ah o café!). E devo muito, demais a essa comunidade linda e saudável, onde finalmente eu me encontrei, e onde o “legal” é não se violentar com álcool, cigarro, drogas, entre outras tantas. Minha avó sempre dizia que tinha mania de não ter manias. Achei graça de ver que o senhor escreveu sobre ser viciado em não ter vícios! Quanto à prevenção, é a única saída para tantos conflitos e problemas atuais. Remediar, na esmagadora maioria das vezes, é mais difícil, mais caro e menos eficaz! Também é impressionante como a maioria desses problemas, inclusive de como prevenir tantas situações indesejáveis, tem sua raiz em uma palavrinha tão importante: educação. O senhor, ao nos apresentar o Método e o estilo de vida proposto, nos educa sobre os efeitos dos vícios e hábitos menos aconselháveis. E é também a educação que fará com que o motorista não corra, com que a pessoa não compre animais provenientes de tráfico, que entenda a importância de ecossistemas saudáveis, que respeite animais, ou que não vote em políticos corruptos…
Um beijo imenso, com muito carinho, e muita alegria de ter encontrado o senhor no arraiá da Unidade Granja Viana!
Juliana (Unidade Granja Viana).

 


quarta-feira, 12 de outubro de 2011 | Autor:

Enviado por Felipe Martins:

 

Ontem assisti o documentário ”The Cove” e chorei muito ao ver as imagens finais.
Dá uma dor no peito, uma vontade de gritar!!! Não quero deixar ninguém triste mas todos deveriam assistir. Mostra o extermínio sangrento de golfinhos, usados para vários fins, entre eles comida para as crianças nas escolas.

 

”O aplaudido documentário THE COVE, que revela um grave crime ambiental cometido em solo japonês, é assinado pelo realizador Louie Psihoyos, fotógrafo da National Geographic durante 18 anos. Entre muitos outros, este filme conquistou o Prémio do Público no Festival de Sundance 2009 e arrecadou o Óscar na categoria de Melhor Documentário.

Este excelente documentário traz á luz um crime ambiental covarde, em solo japonês, que é encoberto pelo governo desse país. Com uma produção incrível e corajosa, o realizador e a sua equipa conseguem imagens impressionantes e chocantes sobre a matança dos golfinhos em Taiji, no Japão. São cenas inéditas do que acontece naquela cidade. Completo em todos os detalhes, este filme conta com Rick O´Barry, antigo treinador de golfinhos, no papel principal. O filme venceu o Óscar de Melhor Documentário na edição de 2010.’

Também podemos assinar a petição do Care2 acessando esse link: https://apps.facebook.com/petitions/3/help-save-japans-dolphins/

Se for muito forte não precisa publicar…

Um abraço

Felipe Martins

[ Reply ]

Eu já conhecia essa barbárie. Mas acho que vale a pena denunciá-la aqui mais uma vez. É terrível. O ser humano foi mesmo um grande erro de projeto.

segunda-feira, 4 de julho de 2011 | Autor:

Queridos Colegas,

Sou aluna do Metodo De Rose na cidade de Itu e gostaria de compartilhar com vocês a oportunidade maravilhosa e enriquecedora de partipar do Projeto Mucky.

O Projeto Mucky foi criado em 1985 para dar assistência aos primatas brasileiros provenientes do tráfico ou do abandono. Único do genero no Brasil, o Projeto Mucky socorre, recupera, mantém, pesquisa e busca procriação das espécies em extinção e tem o objetivo de reintegrar os primatas à natureza. Realiza ainda um trabalho de combate ao tráfico de animais silvestres por meio de palestras, eventos e programas de educação ambiental.

Dentre os primatas existentes no projeto, temos o sagui de tufo preto, bugios e ainda alguns cachorros e gatos que foram abandonados na porta do projeto. Apesar deste não ser o nosso foco, auxiliamos estes animais.

Atualmente, estamos em sérias dificuldades financeiras…

Os animais que chegam ao Projeto necessitam de cuidados especiais, pois como a grande maioria é proveniente de tráfico de animais silvestres, sofreu maus tratos.

Não temos ajuda do governo e com isso o nosso desespero aumenta….

O Projeto esta em pé pois conta com a ajuda dos padrinhos e madrinhas, que auxiliam com um valor mensal que é de no minimo R$30,00 (trinta reais) por mês.

Além disso, estamos necessitando de todo o tipo de ajuda:
– Alimentos (Cesta básica, frutas, legumes,etc)
– Material de Limpeza
– Medicamentos veterinários e materiais de enfermaria.
– Ração para os gatos e cachorros
– Roupinhas para os cachorros
– Ursinhos de pelúcia para os primatas
– Mantas e cobertores pequenos
– Roupas usadas para o bazar da pechincha.
– Material de escritório (canetas, sulfites, pastas, etc)
– Mão de obra voluntária para cuidar dos animais e para ajudar na cozinha e no escritório.

Os nossos animais são especiais, muitos tem uma alimentação regrada e tomam medicamentos de alto custo. Tudo isso, é para tentar manter a qualidade de vida deles.

Se você tiver interesse em nos ajudar entre em contato comigo por email: pri.amb@hotmail.com ou entre em contato diretamente com o Projeto Mucky.

Um abraço a todos e desde já, muito obrigada !

Priscila de C. Baptista Rugolo
Presidente do Projeto Mucky
(11) 4023-0143
GSM 3G (11) 7600-0813
GSM 3G (11) 7625-6693
http://www.projetomucky.com.br
Twitter: http://www.twitter.com/projetomucky
Flickr: http://www.flickr.com/photos/projetomucky
Facebook: http://www.facebook.com/projeto.mucky
YouTube: http://www.youtube.com/user/MuckyProjeto

sexta-feira, 20 de maio de 2011 | Autor:

Oie, tudo bem? Saudade de vc.
Estamos com um assunto super complicado sendo discutido nos últimos anos, e nas últimas semanas com muita força. Trata-se do “Novo Código Florestal”. A bancada ambiental na Câmara Federal conseguiu protelar a votação ainda que o lobby do agrobusiness seja muito forte. Domingo teremos uma manifestação pácífica no Lago do Ibirapuera com o WWF e dentro teremos um evento de discussão com a SOS Mata Atlântica. Peço gentilmente se vc pode nos disponibilizar seu espaço tão funcional e lido, para que possamos colocar nosso convitinho. Agradeço desde já atenção que me é sempre dispensada. Grande beijo da sua sempre amiga Lu Fandinho

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose