sábado, 1 de setembro de 2012 | Autor:

Hoje, com tantos alunos, amigos, companheiros e irmãos na Polícia Civil, na Polícia Militar, no Exército, no Poder Judiciário, na Assembleia Legislativa, na Câmara Municipal, na Prefeitura, na OAB, na Receita Federal e Estadual, no CONSEG – Conselho de Segurança e em tantas outras esferas, sentimo-nos imensamente prestigiados e protegidos. Ficamos consolados em saber que aqueles que tentaram prejudicar-nos provaram o sabor amargo da espada da Justiça, tudo dentro da Lei como prevê a nossa digna Constituição.

Temos um sadio orgulho em constatar que dezenas de deputados, delegados, advogados e magistrados olham por nós para que a Justiça seja feita de forma honesta, sem privilégios, mas também sem prevaricação de nenhuma das partes.

Contamos com alunos e amigos em muitos círculos influentes da sociedade: Rotary, Maçonaria, Governo, todos eles Pessoas do Bem, que querem ajudar-nos a realizar nossos ideais edificantes de orientação para uma juventude sem drogas e para as obras sociais e filantrópicas. Todos querem nos ajudar.

Nós, coletivamente, temos dezenas de milhares de alunos, ex-alunos, leitores dos nossos livros (já mais de um milhão de exemplares vendidos) e alguns milhões de alunos à distância que estudam gratuitamente pela internet, pelos nossos CDs, DVDs e livros dos nossos instrutores. Contamos hoje com mais de 100 websites do Método DeRose coligados, em vários estados. É uma responsabilidade muito grande gerenciar o poder que isso nos traz. Mesmo que não seja o nosso objetivo, acabamos tendo muito poder.

Não é de se admirar que tenhamos tantos alunos à distância, já que o nosso site não vende nada e proporciona uma miríade de informações, free downloads dos nossos livros, MP3 de CDs com material didático e aulas práticas, endereços de centenas de instrutores da nossa linha e de outras correntes não ligadas a nós, bem como inúmeros outros serviços de utilidade, tudo gratuito. Poderíamos estar ganhando um dinheirão, mas fazemos questão de que a nossa proposta não seja comercial. Claro que é importante ganhar dinheiro, mas essa não é a nossa prioridade.

Com uma legião tão expressiva de estudantes, colaboradores e simpatizantes, seria um pecado não mobilizar todo esse exército para ações sociais, humanitárias e ambientais, colaborando com a Defesa Civil, com o Rotary e com as demais entidades assistenciais e culturais à quais estamos vinculados.

Estou escrevendo este texto para lhe relembrar: juntos, nós temos muito poder. Separados seríamos fracos! Portanto, vamos usar essa força sempre construtivamente. Vamos usá-la para melhor servir à Humanidade, ensinando à juventude um ideal de estilo de vida sem drogas, sem álcool e sem fumo e oferecendo-lhes a possibilidade de uma formação profissional na nossa área. Com isso, certamente, vamos reduzir a criminalidade por causa das drogas, vamos diminuir os acidentes por causa do álcool e vamos minimizar as enfermidades causadas pelo tabaco. Se só conseguíssemos isso com nossos alunos imediatos, já seria um belo trabalho social. Mas se os formarmos empreendedores do Método DeRose, torná-los-emos replicadores da nossa filosofia de vida e poderemos multiplicar por cem ou por mil o número de pessoas que serão beneficiadas com o nosso trabalho.

Una-se a nós! Vamos trabalhar juntos pelo Bem.

sábado, 19 de maio de 2012 | Autor:

Enviado por Lucas Delalibera:

 

Bom dia, Meste.

Mensalmente, os corretores de seguros do estado de São Paulo recebem o JCS – Jornal dos Corretores de Seguros, publicado pelo SincorSP (Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo). Na edição de março de 2012 há um artigo muito útil a todos nós, escrito pela advogada Ana Paula Oriola De Raeffray.
Permita-me compartilhá-lo:

A união homoafetiva e os planos de previdência complementar.


A união entre pessoas do mesmo sexo é uma realidade em todo o mundo. O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a união estável homoafetiva, em 2011, quando julgou a ADI nº 427. Já o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em fevereiro de 2010, julgou o Recurso Especial nº 1.026.981, com relatoria da Ministra Nancy Andrighi, no qual foi tratada a questão da união estável entre pessoas do mesmo sexo e o direito ao benefício da pensão por morte nos planos de previdência complementar. No primeiro parágrafo da ementa do acórdão proferido neste recurso está assim consignado: “Despida de normatividade, a união afetiva constituída entre pessoas do mesmo sexo tem batido às portas do Poder Judiciário ante a necessidade de tutela, circunstância que não pode ser ignorada, seja pelo legislador, seja pelo julgador, que devem estar preparados para atender às demandas seguidas de uma sociedade com estruturas de convívio cada vez mais complexas, a fim de albergar, na esfera da entidade familiar, os mais diversos arranjos vivenciais”.
O plano de previdência complementar, como qualquer contrato, não é alheio à realidade e às modificações observadas na sociedade. Tanto é que pode ser notada a sua nítida adaptação quando houve o reconhecimento da própria união estável entre homem e mulher. Em muitos planos de benefícios, anteriores à Constituição Federal de 1988, os beneficiários da pensão por morte porderiam ser, além dos filhos, apenas o cônjuge, ou seja, exigia-se o casamento. A evolução das relações sociais determinou que passasse a figurar como beneficiário o companheiro ou a companheira, reconhecendo-se, assim, a união estável entre homem e mulher.
Da mesma forma, o contrato de previdência privada vem absorvendo a realidade social no que se refere à união estável entre pessoas do mesmo sexo, sendo que muitos planos, seguindo as diretivas do STF e do STJ, já vem adaptando as regras para pagamento da pensão por morte de forma a que figure dentre os beneficiários o companheiro do mesmo sexo.
É evidente, todavia, que as formalidades previstas no contrato de previdência privada para a concessão do benefício terão que ser observadas. A primeira delas é a de que haja a indicação pelo participante de seu companheiro do mesmo sexo como beneficiário, seguindo-se da comprovação de que ambos conviviam em união estável, o que pode se dar mediante a apresentação de pacto de união estável particular ou público.
Estas formalidades do contrato de previdência privada visam trazer a segurança para a relação jurídica, respeitando-se a vontade do participante e não inibir a concessão do benefício, haja vista que, nesta espécie contratual, a pessoa pode decidir sobre a forma de pagamento do seu benefício em caso de morte dentro das hipóteses regulamentares e legais.
O próprio STJ na decisão acima citada reconhece que a união entre pessoas do mesmo sexo precisa ser comprovada para que haja o correto pagamento do benefício da pensão por morte.

Espero ter contribuído! Um abraço.

quarta-feira, 6 de julho de 2011 | Autor:

Temos dezenas de deputados, delegados,  advogados e magistrados. Temos amigos em muitas esferas influentes da sociedade: Rotary, Maçonaria, Governo, Exército, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, médicos, psicólogos, todos pessoas do bem e que querem ajudar-nos a realizar nossos ideais edificantes de orientação para uma juventude sem drogas e para as obras sociais e filantrópicas. Todos querem nos ajudar.

Nós temos muito poder. Nós, coletivamente, temos dezenas de milhares de alunos, ex-alunos, leitores dos nossos livros (já mais de um milhão de exemplares vendidos), e alguns milhões de alunos à distância que estudam gratuitamente pela internet, pelos nossos CDs, DVDs e livros dos nossos instrutores. Contamos hoje com mais de 100 websites do Método DeRose coligados, em vários países.

Não é de se admirar que tenhamos tantos alunos à distância, já que o nosso site não vende nada e proporciona uma miríade de informações, free downloads dos nossos livros  MP3 de CDs com material didático e aulas práticas, endereços de milhares de instrutores da nossa linha e de outras correntes não ligadas a nós e muitos outros serviços de utilidade, tudo gratuito. Poderíamos estar ganhando um dinheirão, mas fazemos questão de que a nossa proposta não seja comercial.

Com uma legião tão expressiva de estudantes, colaboradores e simpatizantes, seria um pecado não mobilizar todo esse exército para ações sociais, humanitárias e ambientais, colaborando com a Defesa Civil, com o Rotary e com as demais entidades assistenciais e culturais.

Juntos, nós temos muito poder. Portanto, vamos usá-lo sempre construtivamente. Vamos usá-lo para melhor servir à Humanidade, ensinando à juventude um ideal de estilo de vida sem drogas, sem álcool e sem fumo e oferecendo-lhes uma formação profissional na nossa área. Com isso, certamente, vamos reduzir a criminalidade por causa das drogas, vamos diminuir os acidentes por causa do álcool e e vamos minimizar as enfermidades causadas pelo tabaco. Se só conseguíssemos isso com nossos alunos imediatos, já seria um belo trabalho social. Mas se os formarmos instrutores do Método, torná-los-emos replicadores da nossa filosofia de vida e poderemos multiplicar por cem ou por mil o número de pessoas que serão beneficiadas com o nosso trabalho.

Una-se a nós! Vamos trabalhar juntos pelo Bem.

segunda-feira, 17 de maio de 2010 | Autor:


Rotary – Uma reunião de profissionais dignos que atuam na sociedade, doando de si para realizar boas ações em prol de um mundo melhor.

Você sabe que o Rotary é muito bom, que é muito importante, que as pessoas que o frequentam são altruístas e beneficentes. Mas o que é o Rotary Clube? O que ele faz? Quem pode pertencer a ele?

Em uma palestra que assisti no RC SP Jardim América, proferida por uma companheira do Rotaract, soube que a USP foi fundada em uma reunião de Rotary. Que a UniCamp foi fundada em uma reunião de Rotary. E que a ONU foi fundada em uma reunião de Rotary. Isto nos dá uma dimensão dessa entidade mundial sem fins lucrativos. Há alguns anos os rotarianos decidiram erradicar a poliomielite da face da Terra. Conseguimos cumprir nossas metas em praticamente todo o planeta. Só não conseguimos ainda erradicar a pólio em alguns países africanos porque seus governantes não querem aceitar ajuda de uma instituição que foi fundada nos Estados Unidos e estão impondo barreiras políticas e diplomáticas à entrada gratuita das vacinas.

O Rotary apoia um sem-número de ações sociais, humanitárias, filantrópicas e beneficentes em todo o mundo. Você pode se unir a essas pessoas bem-intencionadas para unir seus esforços aos nossos.

Embora haja um número expressivo de empresários no Rotary, você pode se associar tendo a profissão que tiver e sendo homem ou mulher, jovem ou não. Só recomendamos que visite um clube algumas vezes, participando das reuniões e jantares, ou almoços, a fim de conhecer o ambiente, as pessoas e as propostas. Se não gostar de um clube, visite outro, pois são um pouco diferentes entre si. Se você for jovem e o clube que visitou só tinha pessoas mais velhas, procure outro que tenha gente mais jovem. Se você for bem jovem, há o Rotaract que só é frequentado pela moçada.

Depois, informe-se sobre a taxa de manutenção para saber se vai poder honrar o compromisso. Se tudo estiver nos conformes, alguém do próprio clube poderá indicar a sua filiação como associado.

Para saber quais são os endereços e dias das reuniões, coloquei um link na coluna da direita, lá embaixo.

Caso você tenha alguma dúvida, poste um comentário. Se você for companheiro rotariano e tiver alguma informação a acrescentar ou a corrigir, por favor, coloque um comentário. Obrigado pela ajuda.

_____________________

Em todas as grandes cidades existem vários clubes, às vezes, um por bairro! Alguns clubes realizam reuniões bem alegres e descontraídas, com pessoas extremamente simpáticas e com as quais dá prazer simplesmente estar junto. E ainda há os clubes que realizam mais e que nos proporcionam a satisfação de poder contribuir melhor com o bem-estar da humanidade. É preciso visitar vários clubes antes de decidir com qual você tem mais afinidade.

segunda-feira, 15 de junho de 2009 | Autor:

Tempos atrás tive uma ideia. Nossa Cultura conta com mais de cinquenta mil alunos matriculados nas escolas ou associações credenciadas; e mais de um milhão de alunos informais à distância, que estudam pela internet, pelos meus livros, vídeos e CDs sem pagar nada, pois podem baixar esse material didático gratuitamente do nosso website. Isso representa um exército que se for bem orientado pode prestar inestimáveis serviços à comunidade.

Considerando apenas os alunos formalmente matriculados, se cada um doasse um real por mês poderíamos construir várias casas populares todos os meses para as populações carentes. Poderíamos construir um hospital ou uma escola todos os anos! Mas logo percebi que, embora lindo, esse ideal poderia me vulnerabilizar perante os opositores por envolver dinheiro. Então optei por outra forma de ajudar os desvalidos. Passei a encorajar nossos voluntários a que se engajassem em todas as campanhas nacionais, estaduais e municipais, tais como a Campanha do Agasalho, Natal sem Fome e a ajuda voluntária a entidades de assistência do seu bairro e da sua cidade. Assim, não mexemos com dinheiro, mas conseguimos uma participação relevante nas ações sociais que já existem. Cultivando o instinto de ajudar, nossos alunos começam a tomar iniciativa própria de efetuar donativos, bem como visitar orfanatos, asilos e outras instituições para auxiliar no que for possível. Vários se tornaram membros do Rotary e de outras entidades humanitárias.

Em Portugal, nossas escolas destinam uma parte da mensalidade de cada aluno para a Unicef da União Européia, o que nos valeu uma medalha dessa entidade.

Parabéns a todos os instrutores, alunos, leitores, simpatizantes e colaboradores que de forma direta ou indireta tomam parte e estimulam os demais a se juntar a nós nessas iniciativas. E agradecemos ao Rotary, bem como à Defesa Civil, por nos darem a oportunidade de ajudar. Gostamos muito do lema desta última: “Defesa Civil somos todos nós.” É verdade. E é bonito!

 

Regina Wiese Zarling

Ontem enquanto jantávamos na Piola, comentávamos exatamente sobre esse assunto. Na Uni-Yôga Batel, já iniciamos a campanha do agasalho e já começamos a pensar em outras campanhas que possam ser feitas.

Eu particularmente também acho que além das doações materiais deveríamos visitar orfanatos e entreter as crianças, tocando violão para elas; ir aos azilos e conversar com as pessoas que vivem lá, muitos completamente abandonados por seus famíliares. E tantas outras ações que pudemos fazer para trazer alguns momentos de alegria para as pessoas. Um exemplo que acho muito bonito é o Dr da Alegria.
Bjs
Regina-Curitiba

Leia mais »

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose