sábado, 20 de junho de 2009 | Autor:

Em 1974, antes de fundar a Uni-Yôga, eu andava muito entristecido com minha equipe de trabalho. Tenho uma política de não descartar pessoas. Gosto de equipes antigas, amigos antigos, roupas velhas e sapatos que já façam parte da história da minha vida. Não gosto de mudar de casa, nem de mudar os móveis de lugar. Nesse aspecto sou conservador. Acontece que, às vezes, quando os comandados percebem isso, abusam. É como se pensassem: “faça eu o que fizer, ele não vai me afastar, então, farei o que bem entender e não o que ele determinar.” O fato é que naquela época eu tinha uma equipe de sete jovens instrutores e quando viajava para dar cursos, ao retornar a casa estava de pernas para o ar. Alunos me telefonavam para reclamar que vieram praticar e a Unidade Copacabana estava fechada. Outros queixavam-se que o instrutor sistematicamente atrasava-se e, quando aparecia, estava em trajes de praia e cheio de areia, o que demonstrava sua irresponsabilidade. Com isso, perdíamos alunos aos borbotões e a minha equipe cultivava uma péssima imagem para o meu nome.

Uma certa quantidade de livros era deixada para que fossem fornecidos a quem os procurasse. Quando eu voltava de viagem e perguntava por eles, ninguém sabia. E o dinheiro da venda? Sumira! Ninguém assumia a responsabilidade. E sob tal panorama desolador, ainda ocorria um clima de insatisfação e insubordinação!

Pelos padrões atuais, você já deve estar se perguntando como é que alguém podia admitir um comportamento daqueles. Pois leve em consideração que eu era quase quarenta anos mais jovem, menos experiente e ainda passávamos pela fase lisérgica em que a humanidade estava protestando paz e amor, a anarquia era modismo no mundo ocidental e a autoridade execrada. Ainda mais no Brasil, pois vivíamos a nefanda ditadura militar. Eu achava que não tinha o direito de mandar em ninguém, nem o de afastar um instrutor e muito menos selecionar os candidatos à prática do Yôga.

Um dia em que eu estava muito acabrunhado com o comportamento de instrutores e alunos, precisei ir ao banco fazer um depósito (na época era o Diretor quem o fazia). Ao entrar, tive um insight. Vi todos os funcionários trabalhando felizes e competentes. Sorriam e gracejavam uns com os outros, eram cordiais com os clientes, pontuais na chegada, jamais sumia dinheiro, raramente faltavam e, se precisavam faltar, eram descontados nos honorários. Se cometiam algum erro, eram humilhantemente repreendidos e, se reincidissem, eram demitidos com a justificativa desabonadora na carteira de trabalho. E estavam todos lá, lutando pelo empreguinho, ganhando um salário de fome, com patrão intolerante, relógio de ponto, responsabilidade exasperante e liberdade zero.

Por outro lado, na minha instituição ninguém era empregado, todos eram membros da diretoria, todos eram tratados com carinho e com respeito, tinham liberdade máxima, flexibilidade de horários, ganhavam bem e retribuíam agindo mal… e ainda estavam descontentes!

Fiquei tão triste que não prossegui no objetivo da minha visita ao banco. Sentei-me numa poltrona e fiquei observando o trabalho dos funcionários. Pouco a pouco fui me concentrando tanto no objeto da minha observação que entrei em meditação. No processo da meditação podem ocorrer percepções de diferentes manifestações. Naquele dia, tive a percepção de um Jardineiro cuidando do seu jardim e arrancando as ervas daninhas, deixando que ficassem somente as flores que plantara.

Ao presenciar aquilo, questionei a cena. Com que direito ele estava decidindo qual podia e qual não podia viver? Algumas daquelas ervas daninhas podiam ser muito úteis na cura de enfermidades! Nisso o Jardineiro, sem se virar para mim, continuou o seu trabalho e disse:

– Eu não estou impedindo que vivam. Só não permito que vivam no meu jardim. Aqui elas impedem as flores de se desenvolver.

Quando escutei aquilo, compreendi imediatamente onde estava o meu erro. Levantei-me, deixei o depósito para lá, voltei para a sede de Copacabana e reuni a equipe para colocar as novas diretrizes. Na minha frente, todos concordaram. No entanto, quando fui para a sala da diretoria, escutei lá fora uns sussurros em clima de insurreição:

– O que é que nós vamos fazer?

– Nada. Vamos continuar como sempre fizemos.

– É. O De é legal.

– Verdade, ele não vai cumprir a ameaça de nos afastar.

– Claro. E além do mais ele precisa da gente.

Foi a gota d’água. Sai da minha sala e lhes disse:

– Para mostrar que estou falando sério e que não preciso de ninguém, vocês estão todos dispensados.

– Mas De, quem é que vai dar aula para os nossos alunos? E quem vai cuidar do Instituto quando você estiver viajando para dar cursos?

– Não preciso de vocês, nem quero na minha casa os alunos que vocês deseducaram. Aluno de instrutor indisciplinado é indisciplinado e meio. Chega de insubordinação.

E assim coloquei ordem no galinheiro, eliminando todos os focos de indisciplina. Dispensei todos os instrutores e alunos, fechei a sede, fiz uma reforma para ajudar na mudança de egrégora e reabri sem comunicar aos antigos.

Ao longo da minha vida tive que repetir algumas vezes atitudes dramáticas como essa e sofri bastante com isso, pois tive que violentar minha natureza conciliatória e mostrar pulso firme. Mas os resultados compensaram.

  1. Autor: Everton Vieira

    É maravilhoso estar lendo o blog e um novo post surge dá a sensação de contato direto!

    Bjos
    MestreDê

  2. Autor: Fe Meixedo

    Esta parábola é genial.
    Obrigada, Mestre, por nos ensinar tanto!
    Beijos com carinho.

  3. Autor: Andrés Cano

    Hola Maestro!

    Lamentablemente algunas personas no saben aprovechar los beneficios de la libertad en el trabajo.
    De acuerdo a mi experiencia laboral llegue a la conclusión de que en muchos casos ser flexible con tus empleados se traduce en mayor ausentismo, llegadas tarde y hasta falta de compromiso!! Cuando , en realidad, debería ocurrir todo lo contrario.
    Igualmente, el problema no está en ser flexible sino en hacer una adecuada selección del personal.

    Comenze a practicar hace unos meses y la verdad que me siento muy identificado con la Cultura del SwáSthya!

    Saludos!!!

  4. Autor: Regina Wiese Zarling

    Ainda bem que tivestes este insight… Acho que se não houvesse essa mudança talvez hoje todos nós não estaríamos juntos compartilhando de uma egrégora tão gostosa e tão harmoniosa. Com certeza foi doloroso, ter de tomar aquela atitude, mas precisamos afastar as ervas daninhas e arrancar os espinhos para não nos ferir com a indisciplina alheia.

    Bjs
    Regina-Curitiba

  5. Autor: Marisol Espinosa

    Oi De, o jardineiro também passou pela minha Unidade. O bom é ter a tua experiência para ver que apesar do sofrimento, o resultado compensa.
    Te amo muito, obrigada por ser minha eterna fonte de inspiração.
    Beijos
    Marisol Espinosa – Porto Alegre – RS – Brasil

  6. En un momento de mi vida, fue necesario utilizar también “los servicios del jardinero” y en una reunión le comuniqué al equipo que ya estaban todos relevados de sus tareas.
    Eran otros tiempos, hoy observo que los instructores ya tienen más incorporado desde el inicio que en nuestra profesión se trabaja con seriedad y responsabilidad. Desde hace ya muchos años mi unidad mantiene un equipo estable, que fue creciendo en madurez y responsabilidad. Para los que se van insertando en un sólido equipo de trabajo, esa egrégora les transmite estos valores y produce mucho crecimiento. Me recuerdo de un
    Sútra de Charles Maciel: los instructores trabajan para los alumnos, los Directores trabajan para los instructores. Je,je!
    Abrazo

  7. Autor: Pri Ramos

    Há males que vem para o bem, né? Realmente é preciso ser forte nesses momentos para enxergar além das circunstâncias atuais.
    Beijinhos mil

    ps- confira as fotos do viparíta ashtánga sádhana no link:

    http://picasaweb.google.com/unidade.alphaville/ViparitaAshtangaSadhana?feat=directlink

  8. Autor: Bruno Vilela

    Obrigado mais uma vez Mestre assentou que nem uma luva. Na verdade neste ultimos tempos ando a agir um bocado como erva daninha e vendo-me ao espelho nas suas palavras, faz-me pensar que não é esse o futuro que quero para mim e muito menos para os que estão à minha volta. Agradeço-lhe do fundo do coração todos os momentos de sabedoria, lucidez e evolução que até hoje me proporcionou. É o ser humano mais lindo que até hoje tive o prazer de conhecer.

  9. Autor: romulojusta

    Que complicada é a vida nos grupos humanos, nunca se agrada todo mundo…

    Pulso firme (pero sin perder la ternura jamás…) é inevitável, ainda mais nos momentos iniciais de formação de egrégoras, pois se a receita desanda no começo, haja o que houver, a comida será intragável… Depois, egrégora consolidada, é como o Edgardo apontou, vai por osmose.

    Ainda bem que você é você Mestre, não fosse, o SwáSthya teria se perdido no meio do caminho, em alguma sala de aula coberta de areia de praia :)

    Rômulo Justa
    Fortaleza – Brasil

  10. Autor: mcordoni

    Olá Mestre
    Já estou contigo há 23 anos e participei de várias guinadas que foram necessarias para manter a nosa Cultura íntegra e bela como sempre foi. Que bom que temos você para ver mais longe do que nós e preparar o caminho para os que vêm depois. Temos muito que aprender com isso.
    Beijos
    Márcia

  11. Autor: Sara Garcia

    “Aluno de instrutor indisciplinado é indisciplinado e meio.” FANTÁSTICO. É mesmo. Muitos beijos, Mestre.

    Sara Garcia
    Chiado – Portugal

Deixe uma resposta

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral http://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel http://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) http://www.facebook.com/alex.brasileiro http://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End http://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose