Hoje, aula ao vivo com DeRose
sábado, 11 de abril de 2009 | Autor:

São cinco da manhã. Acabo de chegar, vindo do hospital para onde havíamos levado uma amiga que tinha passado mal. Ao entrar no quarto, deparei-me com uma bagunça. Jaya, minha weimaraner, havia fuçado a lata de lixo e espalhado tudo pelo chão. Ela nunca havia feito isso. Veio me cumprimentar efusivamente, como os cães fazem habitualmente quando os donos chegam. Eu me mantive sério, apontei para aquela sujeira e perguntei baixinho: “Quem fez isto?” A Jaya teve uma reação inusitada que me tocou profundamente. O que ocorreu em seguida, não conseguirei pôr em palavras, nem o seu clima emocional.

Jaya me fitou com um olhar de culpada, baixou a cabeça e saiu do quarto com rabinho baixo. Deixei passar alguns segundos e fui ver onde ela estava. A pobre estava no corredor, encostada num canto de parede como se estivesse com medo, ou com vergonha, abanando o rabinho baixo e me olhando de baixo para cima, com cara de quem sabia perfeitamente que havia errado. Veio me tocar com o focinho uma vez, duas, três, e eu resistindo estoicamente para não estragar tudo me derretendo e abraçando a coitadinha. Mas aguentei firme. Não disse nada e não fiz carinho. Ela olhou para mim mais uma vez e foi saindo de mansinho, subindo a escada escura que dá para o outro andar, onde ficou encolhida até que a Fernanda chegasse.

Isso tudo era quase a reação de uma animal que tomasse surras. Mas ela é super mimada. Nunca apanhou nem é tratada com rispidez. E, apesar disso, ficou magoadinha só porque eu fiquei quieto, olhando para ela. Depois, enquanto vim escrever estas palavras, ela veio aqui para me pedir desculpas. Primeiro, chegou do meu lado e ficou em pé, quietinha, me olhando. Depois, encostou o focinho de leve no meu braço. Então, achei que a indiferença já havia sido suficiente e que estava na hora de lhe dar carinho. Enquanto acariciava seu rosto, eu lhe disse baixinho: “Eu sei… Você não vai fazer mais, né?” Ela recostou a cabeça na minha perna e quase pude sentir que ela interiormente chorou de arrependimento. Ou de gratidão, por termos feito as pazes. Então, para consolidar nossa reconciliação, ela me trouxe seu toy e o entregou na minha mão. Em troca, ganhou um biscoito.

Os treinadores dizem que o cão não deve receber bronca pelo que ele fez há algum tempo, porque ele não associa o que fez com a bronca. Se isso for verdade, a Jaya me mostrou que é diferente, pois ela sabia exatamente porque eu estava chateado.

Por essas e outras, eu sempre digo que a Jaya não é uma cadela. É um anjo que se fez peludinho para me derramar bênçãos de ternura.

 

Fernanda Neis

A cachorrinha

Mas que amor de cachorrinha!
Mas que amor de cachorrinha!

Pode haver coisa no mundo
Mais branca, mais bonitinha
Do que a tua barriguinha
Crivada de mamiquinha?

Pode haver coisa no mundo
Mais travessa, mais tontinha
Que esse amor de cachorrinha
Quando vem fazer festinha
Remexendo a traseirinha?

Vinicius de Moraes

  1. Autor: soninha.paris

    O la la
    J’ai hâte de la connaître :)
    shuac
    Sonia

  2. Autor: Martin Pereira

    Que lindos que son los animales. A veces uno piensa que ellos tiene que aprender de nosotros, pero somos nosotros los que terminamos aprendiendo de ellos.

    Saludos!!!!
    Martín

  3. Autor: Everton

    Realmente um anjo, uma anjinha canina no caso.

    Abraços Mestre
    Everton

  4. Autor: carolina capellani

    aaaahhh esses anjos!
    Que privilégio é poder tê-los em nossas vidas e aprendermos com eles.

    beijinhos

  5. Autor: Martin Pereira

    Buenos dias Maestro!

    Tengo algo para compartir: leyendo el libro Pújá del Maestro Sergio, en un capítulo donde se explica el bhavan pújá, se cita una carta que el cacique Seattle de la tribu Suquamish le escribió en 1855 al presidente de los Estados Unidos, Franklin Pierce, después que el gobierno le dio a entender que querían comprar el territorio ocupado por aquellos indios.

    Una gran manifestación sámkhya de la vida escrita con una sensibilidad notable.

    Buscando en internet encontré este video que extrae fragmentos de esa carta.

    La carta completa en español.

    “El gran jefe de Washington manda decir que desea comprar nuestras tierras. También nos envía palabras de amistad y buena voluntad. Apreciamos esa gentileza porque sabemos que nuestra amistad no le hace mucha falta. Vamos a considerar su oferta, porque sabemos que de no hacerlo el hombre blanco podrá venir con sus armas de fuego y tomar nuestras tierras.
    Pero el gran jefe de Washington podrá confiar en lo que dice el Jefe Seattle con la misma certeza con que nuestros hermanos blancos confían en el ciclo de las estaciones. Mis palabras son inmutables, igual que las estrellas.” “¿Cómo pueden comprar o vender la tierra?. ¿Cómo pueden comprar el cielo o el agua? Esta idea nos parece extraña. No somos dueños de la frescura del aire ni del contenido del agua que corre. Deberían saber que cada partícula de esta tierra es sagrada para mi pueblo. Cada hoja que reluce en la planta, cada playa arenosa, cada neblina en la penumbra del bosque, cada claro del follaje, y cada insecto con su zumbido y su vuelo, son sagrados en la memoria y la experiencia de mi pueblo. La savia que circula dentro de los árboles guarda la memoria del hombre piel roja.” “Los muertos del hombre blanco olvidan su tierra natal cuando se van a caminar entre las estrellas. Nuestros muertos , en cambio, jamás olvidan esta hermosa tierra porque ella es la madre del hombre piel roja. Somos parte inseparable de la tierra y ella es parte de nosotros. Las flores perfumadas son nuestras hermanas ; el venado, el caballo y el águila majestuosa son nuestros hermanos. Las crestas rocosas, el verde de las praderas, el calor corporal del potrillo y también el hombre, todos pertenecen a la misma familia.”

    “Por eso cuando el gran jefe de Washington manda decir que desea comprar nuestras tierras, es mucho lo que pide. Manda decir que nos reservará un lugar para que podamos vivir cómodamente entre nosotros : el será nuestro padre y nosotros seremos como sus
    hijos. Por eso consideramos su oferta de comprar nuestras tierras, aunque ello no será fácil porque estas tierras son sagradas para nosotros. El agua que corre por los ríos no es solamente agua sino la sangre de nuestros antepasados. Si les vendemos estas tierras, tendrán que recordar que son sagradas y deberán enseñar a sus hijos que cada reflejo fantasmal en la superficie de los lagos habla de acontecimientos y recuerdos de la vida de mi pueblo. El murmullo de la corriente de agua es la voz del padre de mi padre.” “Los ríos son nuestros hermanos y calman nuestra sed. Llevan nuestras canoas y alimentan a nuestra gente. Si vendemos estas tierras, deberán recordar y enseñar a sus hijos que los ríos no son solamente nuestros hermanos, sino que también son hermanos de ustedes. En adelante deberán dar a los ríos el trato bondadoso que darían a cualquier
    otro hermano.” “Sabemos que el hombre blanco no comprende nuestra manera de ser. Le da lo mismo un pedazo de tierra que otro, porque él es un extraño que llega en medio de la noche a llevarse lo que necesita. La tierra no es su hermana sino su enemiga. Luego de haberla conquistado, la abandona y sigue su camino. Deja detrás de él las sepulturas de sus padres sin que le importe. Despoja de la tierra a sus hijos sin que le importe. Olvida la sepultura de sus antepasados y los derechos de sus descendientes. Trata a su madre la tierra y a su hermano el cielo, como si fueran cosas que pueden comprarse, saquearse o venderse, como si se tratara de corderos o cuentas de vidrio. Su insaciable voracidad terminará por devorar la tierra y dejará tras sí sólo un desierto.”

    “No lo comprendo. Nuestra manera de ser es diferente a la de ustedes. La vista de vuestras ciudades hace doler los ojos al hombre piel roja. Pero tal vez sea así porque el hombre piel roja es un salvaje y no comprende las cosas. No hay ningún lugar tranquilo en las ciudades del hombre blanco. Ningún lugar en donde pueda escucharse el crecimiento de las hojas de un árbol en primavera o el rozar de las alas de un insecto durante el vuelo. Pero quizá yo piense así porque soy un salvaje y no puedo comprender ciertas cosas.” “El ruido de la ciudad parece insultar los oídos . Me pregunto que clase de vida puede llevarse cuando el hombre no es capaz de escuchar el grito de las garzas o el diálogo nocturno de las ranas alrededor de una laguna. Yo soy un piel roja y no lo comprendo. Los indios preferimos el suave sonido del viento que acaricia la cara del lago y el olor del mismo viento purificado por la lluvia del mediodía o perfumado por el aroma de los pinos. El aire es algo precioso para el hombre piel roja, porque todas las cosas comparten el mismo aliento : el animal, el árbol y el hombre. El hombre blanco parece no sentir el aire que respira : igual que alguien que pasara varios días agonizando, se ha vuelto insensible al hedor. Pero si le vendemos nuestras tierras, deberá dejarlas aparte y mantenerlas como algo sagrado, como un sitio al cual podrá llegar el hombre blanco a saborear el viento dulcificado por las flores de la pradera.” “Consideraremos la oferta de comprar nuestras tierras. Si decidimos aceptarla, pondré una condición : que el hombre blanco deberá tratar a los animales de esta tierra como hermanos. Soy un salvaje y no comprendo otro modo de comportarse con ellos. He visto miles de búfalos pudriéndose sobre la pradera, abandonados allí por el hombre blanco que les disparó desde un tren en marcha. Soy un salvaje y por lo tanto no comprendo como el humeante “caballo de vapor” puede ser más importante que el búfalo al que nosotros sólo matamos para poder vivir. ¿Qué es el hombre sin los animales? Si todos los animales desaparecieran, el hombre moriría de una gran soledad de espíritu. Porque todo lo que ocurre a los animales pronto habrá de ocurrirle también al hombre. Todas las cosas están relacionadas entre sí.”

    “Ustedes deberán enseñar a sus hijos que el suelo bajo sus pies es la ceniza de sus abuelos. Para que respeten la tierra, ustedes deberán decir a sus hijos que la tierra está llena de la vida de nuestros antepasados. Deberán enseñar a sus hijos lo que nosotros hemos enseñado a los nuestros : que la tierra es nuestra madre. Todo lo que afecta a la tierra, afecta a los hijos de la tierra. Cuando los hombres escupen en el suelo, se escupen
    a sí mismos.” “Esto lo sabemos : la tierra no pertenece al hombre, sino que el hombre pertenece a la tierra. El hombre no ha tejido la red de la vida, es apenas una hebra de ella. Todo lo que haga para dañar a esa red, se lo hará a sí mismo. Lo que ocurre a la tierra, sucederá también a los hijos de la tierra. Lo sabemos : todas las cosas están relacionadas entre sí, como la sangre une a los miembros de una familia.”
    “Aún el hombre blanco, cuyo Dios se pasea con él y conversa con él de amigo a amigo, no puede estar libre del destino común. Quizá seamos hermanos después de todo. Lo veremos. Sabemos algo que el hombre blanco sabrá algún día : que nuestro Dios es su mismo Dios. Ahora el hombre blanco piensa que es dueño de nuestras tierras, pero no podrá serlo. El Dios de todos es Dios de la Humanidad y Su compasión es igual para el piel roja y para el blanco. Esta tierra es preciosa para El y causarle daño significa mostrar desprecio hacia su Creador. Los hombres blancos desaparecerán tal vez antes que las demás tribus. Si contaminan sus camas, morirán alguna noche sofocados por sus propios desperdicios. Pero aún en su hora final, se sentirán iluminados por la idea de que Dios los trajo a esta tierra y les dio dominio sobre ella y sobre el hombre piel roja con algún propósito especial. Tal destino es un misterio para nosotros, porque no comprendemos lo que sucederá cuando los búfalos hayan sido exterminados, cuando los caballos salvajes hayan sido domados, cuando los rincones de todos los bosques despidan olor a muchos hombres y cuando la vista de las verdes colinas esté cerrada por un enjambre de cables parlantes. ¿Dónde está el espeso bosque? Desapareció. ¿Dónde está el águila? Desapareció. Así terminará la vida y comenzará el sobrevivir.”

    La carta completa en portugués.

    “Como podeis comprar ou vender o céu, a tepidez do chão? A idéia não tem sentido para nós.
    Se não possuímos o frescor do ar ou o brilho da água, como podeis querer comprá-los? Qualquer parte desta terra é sagrada para meu povo. Qualquer folha de pinheiro, qualquer praia, a neblina dos bosques sombrios, o brilhante e zumbidor inseto, tudo é sagrado na memória e na experiência de meu povo. A seiva que percorre o interior das árvores leva em si as memórias do homem vermelho.

    Os mortos do homem branco esquecem a terra de seu nascimento, quando vão pervagar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta terra maravilhosa, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra e ela é parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs, os gamos, os cavalos a majestosa águia, todos nossos irmãos. Os picos rochosos, a fragrância dos bosques, a energia vital do pônei e do homem, tudo pertence a uma só família.

    Assim, quando o grande chefe em Washington manda dizer que deseja comprar nossas terras, ele está pedindo muito de nós. O grande Chefe manda dizer que nos reservará um sítio onde possamos viver confortavelmente por nós mesmos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Se é assim, vamos considerar a sua proposta sobre a compra de nossa terra. Mas tal compra não será fácil, já que esta terra é sagrada para nós.

    A límpida água que percorre os regatos e rios não é apenas água, mas o sangue de nossos ancestrais. Se vos vendermos a terra, tereis de lembrar a nossos filhos que ela é sagrada, e que qualquer reflexo espectral sobre a superfície dos lagos evoca eventos e fases da vida do meu povo. O marulhar das águas é a voz dos nossos ancestrais.

    Os rios são nossos irmãos, eles nos saciam a sede. Levam as nossas canoas e alimentam nossas crianças. Se vendermos nossa terra a vós, deveis vos lembrar e ensinar a nossas crianças que os rios são nossos irmãos, vossos irmãos também, e deveis a partir de então dispensar aos rios a mesma espécie de afeição que dispensais a um irmão.

    Nós mesmos sabemos que o homem branco não entende nosso modo de ser. Para ele um pedaço de terra não se distingue de outro qualquer, pois é um estranho que vem de noite e rouba da terra tudo de que precisa. A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, depois que a submete a si, que a conquista, ele vai embora, à procura de outro lugar. Deixa atrás de si a sepultura de seus pais e não se importa. A cova de seus pais é a herança de seus filhos, ele os esquece. Trata a sua mãe, a terra, e seus irmãos, o céu como coisas a serrem comprados ou roubados, como se fossem peles de carneiro ou brilhantes contas sem valor. Seu apetite vai exaurir a terra, deixando atrás de si só desertos. Isso eu não compreendo. Nosso modo de ser é completamente diferente do vosso. A visão de vossas cidades faz doer aos olhos do homem vermelho.

    Talvez seja porque o homem vermelho é um selvagem e como tal, nada possa compreender.
    Nas cidades do homem branco não há um só lugar onde haja silêncio, paz. Um só lugar onde ouvir o farfalhar das folhas na primavera, o zunir das asas de um inseto. Talvez seja porque sou um selvagem e não possa compreender.

    O barulho serve apenas para insultar os ouvidos. E que vida é essa onde o homem não pode ouvir o pio solitário da coruja ou o coaxar das rãs à margem dos charcos à noite? O índio prefere o suave sussurrar do vento esfrolando a superfície das águas do lago, ou a fragrância da brisa, purificada pela chuva do meio-dia ou aromatizada pelo perfume dos pinhos.

    O ar é precioso para o homem vermelho, pois dele todos se alimentam. Os animais, as árvores, o homem, todos respiram o mesmo ar. O homem branco parece não se importar com o ar que respira. Como um cadáver em decomposição, ele é insensível ao mau cheiro. Mas se vos vendermos nossa terra, deveis vos lembrar que o ar é precioso para nós, que o ar insufla seu espírito em todas as coisas que dele vivem. O ar que vossos avós inspiraram ao primeiro vagido foi o mesmo que lhes recebeu o último suspiro.

    Se vendermos nossa terra a vós, deveis conservá-la à parte, como sagrada, como um lugar onde mesmo um homem branco possa ir sorver a brisa aromatizada pelas flores dos bosques.

    Assim consideraremos vossa proposta de comprar nossa terra. Se nos decidirmos a aceitá-la, farei uma condição: O homem branco terá que tratar os animais desta terra como se fossem seus irmãos.

    Sou um selvagem e não compreendo de outro modo. Tenho visto milhares de búfalos a apodrecerem nas pradarias, deixados pelo homem branco que neles atira de um trem em movimento.

    Sou um selvagem e não compreendo como o fumegante cavalo de ferro possa ser mais importante que o búfalo, que nós caçamos apenas para nos mantermos vivos.

    Que será dos homens sem os animais? Se todos os animais desaparecem, o homem morreria de solidão espiritual. Porque tudo isso pode cada vez mais afetar os homens. Tudo está encaminhado.

    Deveis ensinar a vossos filhos que o chão onde pisam simboliza a as cinzas de nossos ancestrais. Para que eles respeitem a terra, ensinai a eles que ela é rica pela vida dos seres de todas as espécies. Ensinai a eles o que ensinamos aos nossos: Que a terra é a nossa mãe. Quando o homem cospe sobre a terra, está cuspindo sobre si mesmo. De uma coisa nós temos certeza: A terra não pertence ao homem branco; O homem branco é que pertence à terra. Disso nós temos certeza. Todas as coisas estão relacionadas como o sangue que une uma família. Tudo está associado. O que fere a terra fere também aos filhos da terra.

    O homem não tece a teia da vida: É antes um dos seus fios. O que quer que faça a essa teia, faz a si próprio.

    Mesmo o homem branco, a quem Deus acompanha e com quem conversa como um amigo, não pode fugir a esse destino comum. Talvez, apesar de tudo, sejamos todos irmãos.

    Nós o veremos. De uma coisa sabemos, é que talvez o homem branco venha a descobrir um dia: Nosso Deus é o mesmo deus.

    Podeis pensar hoje que somente vós o possuis, como desejais possuir a terra, mas não podeis. Ele é o Deus do homem e sua compaixão é igual tanto para o homem branco, quanto para o homem vermelho.

    Esta terra é querida dele, e ofender a terra é insultar o seu criador. Os brancos também passarão talvez mais cedo do que todas as outras tribos. Contaminai a vossa cama, e vos sufocareis numa noite no meio de vossos próprios excrementos.

    Mas no nosso parecer, brilhareis alto, iluminado pela força do Deus que vos trouxe a esta terra e por algum favor especial vos outorgou domínio sobre ela e sobre o homem vermelho. Este destino é um mistério para nós, pois não compreendemos como será no dia em que o último búfalo for dizimado, os cavalos selvagens domesticados, os secretos recantos das florestas invadidos pelo odor do suor de muitos homens e a visão das brilhantes colinas bloqueada por fios falantes.

    Onde está o matagal? Desapareceu. Onde está a águia? Desapareceu. O fim do viver e o início do sobreviver.”

  6. Autor: Martin Pereira

    La foto del cacique:

    Saludos y espero lo disfrute.

    Un abrazo inmenso!
    Martín

  7. Autor: Regina Wiese Zarling

    E eu só de ler o texto, já me enchi de lágrimas, pensando na Jaya, tentando dizer com sua atitude: _ Desculpa, não faço mais essa bagunça!
    A Céline também, tinha mania de protestar, se eu saía por mais tempo do que de costume e a deixava sozinha, virava o lixo por tudo, dava um jeito de entrar no banheiro e quando eu chegava em casa, era papel higiênico espalhado pela casa inteira!
    Eu agia exatamente como o De, falava que não gostei e ela igual a Jaya, se auto-colocava de castigo e vinha chegando devagarinho, para me pedir desculpas.
    Depois que trouxe a Piaf para morar conosco, ela nunca mais protestou.
    Bjs

  8. Autor: Juliana Toro

    Aii Mestre, os animais realmente são pequenos anjos…eu não entendo como alguém pode maltratar alguns deles.

    Quando eu brigo com a Lua, é questão de só mudar o tom de voz, ela se joga aos meus pés me lambendo com aquela carinha de : Desculpa mamãe!! Não faço mais!

    Amor puro e incondicional!

    Beijo para tí e para a Jaya!! =D

  9. Autor: dwayne

    Q linda Jaya.

    Me emocioné :-P

  10. Autor: Renata Marini

    Me sinto muito privilegiada por conviver com esses anjinhos. Aqui em casa são quatro, uma canina e três felinos, os amores de nossas vidas!

    Um abraço bem apertado na Jaya e uma beijão para você

    da aluna da escola do Alto da Lapa

  11. Autor: Juliana Toro

    Mestre, não tem a ver com o assunto…mas,já assistiu o “Pequena Miss Sunshine”?? não tinha visto ainda.Achei muito interessante e que tras muitas mensagens ,principalmente de persistência e foco.Fora vencer os obstáculos.

    Se não conhecer deixo o link do site: http://www.pequenamisssunshine.com.br/

    beijo grande!!

  12. Autor: Chrystine Omori

    Konnichiwa, Mestre & Fée!^-^
    Olha só, a Jaya também faz ‘artes’… quem diria! hehehe ;)

    E aproveitando, feliz páscoa!!! :)

  13. Autor: maribeluco

    Que fofa!
    Fiquei emocionada imaginando a cena e pensando em como são puros….
    beijos com carinho

  14. Autor: Ale Roldan

    Ah, a Jaya é uma fofa fofa fofa!!!

    Ela parece que sabe mesmo o que acontece é impressionante!

    Tava aqui lembrando de que, qd eu chegava e ela se sentava na cadeira que eu ia ocupar para a nossa reunião.
    Depois que vc explicou que eu ia ficar só por algumas horas, nunca mais ela sentou qd eu chego…

    A Jaya é mesmo um bichinho muito especial : )

  15. Autor: Fernanda Almeida

    Mestre,
    Realmente esses “anjos” conversam com a gente e nos ensinam muito.
    Tenho 03 em casa e sei bem como é essa “cena”.
    Bjossssss

  16. Autor: Cherrine Cardoso

    Enquanto lia seu post pude ver a cena passando como um flash..

    E ainda a os que matam animaisinhos como estes para comer e dizem que eles não sentem nada, que não são nem emocionais e nem racionais. Pena, talvez não tenham tido uma experiência como esta na vida!

    A Jaya é mesmo um encanto.

  17. Autor: Rosangela Almeida

    Desde criança nunca tive muito aproximação com animais de estimação, até sentia medo dos cães.
    Depois, que conheci a Jaya aprendi a gostar mais dos cachorros e compreender melhor seu universo.

    Beijos.

    Ro

  18. Autor: Júlio Silva

    Querido Shrí DeRose,

    Nunca tive cães nem gatos. Os únicos “pets” que tive ao longo da vida foram pássaros, hamsters, e de há uns 5 anos para cá apenas peixes, embora de momento neste tanque o número de corais bate o número de peixes por Vários-a-Zero :-)

    Por outro lado nos últimos anos lidei com algumas pessoas que “defendem os animais” de forma algo fundamentalista que me deixou um pouco farto de certos movimentos e organizações. Por vezes perdem o sentido e a dimensão das coisas. Principalmente tratam-se de pessoas com as quais é pura e simplesmente impossível trocar qualquer ideia, nem aceitam qualquer outro ponto de vista, que ajude por vezes a relativizar o fanatismo.

    Mas Shrí DeRose tem sido a cada dia uma lufada de ar fresco na forma clarividente como vai referindo estas questões dos animais, através das suas vivências com a sua querida Jaya.

    Recentemente adoptámos um lindo coelhinho branco que batizámos de Ágni. E de facto tem alturas que eu olho para o que ele faz, e dá a impressão que ele pensa que é gente. Fico impressionado, eu que nunca fui virado para os animais.

    SwáSthya!
    Júlio Silva
    Discípulo de João Camacho, Yôgachárya

  19. Autor: Anahi Flores

    E com certeça ela até soube que vc, nesse instante, estava escrevendo sobre ela no blog ;)
    Beijos e bom domingo de pascuas,
    Anahí

  20. Autor: alexmoraess

    Olá,

    Uma fábula interessante que encontrei na internet :

    Uma velha senhora foi para um safari na África e levou seu velho vira-lata com ela.

    Um dia, caçando borboletas, o velho cão, de repente, deu-se conta de que estava perdido.

    Vagando a esmo, procurando o caminho de volta, o velho cão percebe que um jovem leopardo o viu e caminha em sua direção, com intenção de conseguir um bom almoço .

    O cachorro velho pensa:

    -Oh, oh! Estou mesmo enrascado ! Olhou à volta e viu ossos espalhados no chão por perto. Em vez de apavorar-se mais ainda, o velho cão ajeita-se junto ao osso mais próximo, e começa a roê-lo, dando as costas ao predador .

    Quando o leopardo estava a ponto de dar o bote, o velho cachorro exclama bem alto:
    - Cara, este leopardo estava delicioso ! Será que há outros por aí ?

    Ouvindo isso, o jovem leopardo, com um arrepio de terror, suspende seu ataque, já quase começado, e se esgueira na direção das árvores.

    - Caramba! pensa o leopardo, essa foi por pouco ! O velho vira-lata quase me pega!

    Um macaco, numa árvore ali perto, viu toda a cena e logo imaginou como fazer bom uso do que vira: em troca de proteção para si, informaria ao predador que o vira-lata não havia comido leopardo algum.

    E assim foi, rápido, em direção ao leopardo. Mas o velho cachorro o vê correndo na direção do predador em grande velocidade, e pensa:

    -Aí tem coisa!

    O macaco logo alcança o felino, cochicha-lhe o que interessa e faz um acordo com o leopardo.

    O jovem leopardo fica furioso por ter sido feito de bobo, e diz:
    -’Aí, macaco! Suba nas minhas costas para você ver o que acontece com aquele cachorro abusado!’

    Agora, o velho cachorro vê um leopardo furioso, vindo em sua direção, com um macaco nas costas, e pensa:

    -E agora, o que é que eu posso fazer ?

    Mas, em vez de correr ( sabe que suas pernas doídas não o levariam longe) o cachorro senta, mais uma vez dando costas aos agressores, e fazendo de conta que ainda não os viu, e quando estavam perto o bastante para ouvi-lo, o velho cão diz:

    -’Cadê o safado daquele macaco? Tô morrendo de fome! Ele disse que ia trazer outro leopardo para mim e não chega nunca! ‘

    Autor desconhecido

    Feliz páscoa !

    DeRose |

    Boa, Alex!

  21. Autor: patricio vinagreiro

    É verdade Mestre estes animais devem estar a dever algum favor. Que nós os humanos já nos devemos ter esquecido. Pois eles permanecem sempre perto de nos, e quando nós estamos um pouco mais em baixo lá estão eles dando festas e dando beijinhos para que possamos ficar bem rapidamente.
    Simplesmente são maravilhosos e queridos, e acredito que são o reflexo dos seus donos.

    DeRose |

    Se os cães forem o reflexo dos seus donos, Patricio, então obrigado pelo elogio implícito!

  22. Autor: Ana Fior

    Pois é… difícil entender como tantas pessoas maltratam esses seres. Abandonam, deixando-os sem comida e abrigo, mutilam, etc.
    Que pena o ser humano ignorar que eles tb são dotados de sentidos. Pensando por outro lado como irão perceber isso, se lhes falta essa característica tão comum em todos?

    Bjoo à todos.

  23. Autor: Ana Maria Marreiros

    Pois é Mestre, quantas histórias lindas eu tenho para contar
    dos meus queridos nove cães.

    Já pensei em escrever um livro, mas todos os dias há histórias novas, infindavéis .

    Os cães são pequenos mestres que foram certamente enviados para nos ensinar a ver a vida de outro ângulo.

    Pois,não foi por nada que eles se aproximaram tanto do ser
    humano, mas infelizmente alguns não são suficientemente
    sensíveis para compreender isso.

    Dá a um cãozinho uma casa e um pouco de amor,e ele dar-te-á o seu coração para sempre……
    Pam Brown 1928

    Um resto de um bom dia!

    Swásthya!

  24. Autor: Rosa

    Os cães são muito carinhosos, os meus tb ficam assim sempre que alguém em casa está chateado com eles. Mas os gatos tb são muito inteligentes e amorosos. Muitas pessoas dizem que os gatos não se importam, não amam os donos como os cachorros mas não é verdade.
    Quando eu era criança eu tinha uma gata e de vez em quando aparecia barata em casa e eu ficava morrendo de medo.
    Um dia minha gata começou a me chamar miando e se passando nas minhas pernas até que eu a seguisse até meu quarto. Chegando lá ela subiu na cama e me mostrou que matou uma barata e colocou lá para mostar que tinha sido ela e me agradar.
    Como eu era criança não levei em consideração a intenção e fiquei brava com ela. A coitadinha foi se esconder embaixo de um armário e por alguns dias ficou estranha comigo até que minha mãe me fizesse entender que ela tinha feito pra me agradar pq sabia que eu tinha medo de barata. Eu fui pedir desculpas para ela e ela ficou normal e carinhosa de novo.

  25. Autor: Cissa

    Ela ficou tão triste que resolveu cantar um blues…

    http://www.mrfeature.com/media.php?name=1965-dog-sings-the-blues.-he-is-pretty-good
    :)

    Fernanda Neis |

    Cissa que coisa mais fofaaaaaaa
    A Jaya chega lá hehe
    Será que é típico da raça eles serem “falantes” e “cantantes”?
    Beijocas e saudades

  26. Autor: Fernanda Varela

    Querido Mestre,

    É tão bom ter um Mestre que entende a ligação que se tem com os nossos amiguinhos de quatro patas!
    Na minha vida só tive uma cadelinha, de raça caniche, a Nucha, que viveu 15 anos, infelizmente vai fazer um ano que faleceu e ainda agora ao escrever sobre ela fico emocionada, são muitas e boas a recordações… Por isso aproveito esta oportunidade para lhe fazer esta pequena homenagem. No entanto, como não consigo ficar muito tempo sem o contacto com animais, eu e o meu shakta Bruno, adoptámos duas gatas, o que para mim está a ser uma feliz descoberta uma vez que não tinha tido muito contacto com estes felinos.
    Continue a partilhar esses pequenos/grandes momentos que tem com a Jaya, é um prazer poder lê-los e sentir como nos enchem o coração.

    Muitos beijinhos

  27. Autor: Michele Hayashi

    Ai que linda! Fiquei emocionada, com os olhos cheios de lágrimas…. Rsrsrs Beijosss

    DeRose |

    Você também? :)

  28. Autor: patimezzomo

    Que lindo Mestre.
    Sua descrição do ocorrido conseguiu deixar a história ainda mais emocionante!
    Beijinhos para você, para a Fe e para a Jaya.
    Pati

  29. Autor: Thiago Madruga

    Grosseria e violência não levam a nada, há mil maneiras de educar quem quer que seja, seja um animal ou uma pessoa

    Se um cão aprende ou qualquer outro animal, ainda mais uma pessoa, que está num nível acima de evolução e inteligência.

    Se bem que tem cão, bem mais inteligente que certas pessoas, rsss. A jaya, pelo que li, sem dúvida, dá de 10 a 0 em muita gente! rss

    Abraços

  30. Autor: Fernanda Neis

    A cachorrinha

    Mas que amor de cachorrinha!
    Mas que amor de cachorrinha!

    Pode haver coisa no mundo
    Mais branca, mais bonitinha
    Do que a tua barriguinha
    Crivada de mamiquinha?

    Pode haver coisa no mundo
    Mais travessa, mais tontinha
    Que esse amor de cachorrinha
    Quando vem fazer festinha
    Remexendo a traseirinha?

    Vinicius de Moraes

Deixe uma resposta

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral http://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel http://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) http://www.facebook.com/alex.brasileiro http://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End http://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose