quinta-feira, 13 de outubro de 2016 | Autor:

Minha área não é a educação de cães, e sim a reeducação de gente. Reeducação comportamental, reeducação respiratória, implantação de programas de qualidade de vida em empresas de grande porte, lifestyle coaching para empresários, treinamento de alta performance para desportistas e outras disciplinas. Tudo isto junto – e muito mais – constitui uma Cultura e denomina-se DeRose Method
Como educador com mais de cinquenta anos de profissão na área do magistério, acabei me interessando pela educação dos nossos melhores amigos, os de quatro patas. Mas apenas como hobby. No fundo, o que me fascinou nesta matéria foi descortinar o universo de similaridades que há no processo de reeducar os donos[12] dos cães. Quando estes aprendem a agir com coerência e liderança em relação aos seus cães, automaticamente passam a ser melhores educadores para os seus filhos e melhores líderes em suas carreiras profissionais.

quarta-feira, 13 de julho de 2016 | Autor:

É claro que estas instruções não são infalíveis e recomendamos que você, podendo evitar, não as ponha em prática. O melhor é desviar-se de casas que tenham cães perigosos. Mas, se o ataque já começou, talvez estas medidas possam salvar a sua vida. Os cães e os tigres preferem atacar pelas costas. Se o cão for pequeno é mais fácil. Fique de frente para o pequerrucho, olhe-o nos olhos e faça um movimento lento e corajoso na direção dele. Não faça movimentos bruscos, pois isso o assustaria. É importante que ele não se sinta ameaçado, mas perceba que você também não está intimidado. A tendência é a de que ele recue e não lhe aplique uma mordida. Talvez fique só latindo. Talvez até pare de latir. Porém, se o bicho for grande é melhor usar outra estratégia. Quando eu tinha dezesseis anos de idade, um pastor alemão, que morava na mesma rua, entrou na nossa casa. Minha cachorrinha foi defender o território e levou uma mordida feia, que atingiu uma artéria. Residíamos em uma rua sem saída. Eu era garotão e não possuía automóvel. A única maneira de levar a cachorrinha ao veterinário era passar em frente à casa do cão agressor. Quando passamos, o animal saiu para terminar o serviço. Naquele momento, por puro instinto, senti que não conseguiria correr mais do que o atacante, ainda por cima com a minha cadelinha se esvaindo em sangue. Embora se tratasse de um pastor alemão, a melhor estratégia seria enfrentá-lo. Assim que me virei de frente para o cão, ele estancou! Aproveitei a aparente vantagem e avancei. Ele retrocedeu. Depois de alguns minutos latindo para mim, ele concluiu que não me intimidava. Desistiu e entrou em sua casa. Naquele dia aprendi uma importante lição, que me serviu para o relacionamento com animais de todas as espécies, inclusive com os humanos: se você não se comportar como presa, os outros não se comportarão como predadores.

Se você gostou deste artigo, assista a um vídeo completo sobre este assunto!

youtu.be/Xv4NkOXikqM

segunda-feira, 4 de julho de 2016 | Autor:

Há uma experiência muito convincente que costumo fazer em sala de aula e você pode reproduzi-la na sua casa. Material necessário: um ser humano e uma vaca. Coloque o ser humano diante da vaca. Peça que o ser humano mate a vaca com os recursos que a natureza lhe dotou, ou seja, sua força, suas mãos, seus dentes etc. O ser humano vai tentar por todos os meios, vai querer estrangular a vaca, vai dar socos na vaca e não vai conseguir matá-la. Talvez consiga aborrecê-la e acabe levando uma chifrada. Fim da experiência científica. Conclusão: o ser humano não foi projetado para caçar. Além do mais, na natureza ele nem conseguiria se aproximar o suficiente para agarrar o bicho, pois também fomos privados da velocidade que o predador necessita.

Contestação da validade da experiência acima

O ser humano contrapõe que ele é um animal inteligente. Como tal, teve condições de fabricar ferramentas e, com elas, caçar. Já não é lá muito verdadeira essa afirmação, pois estamos tentando provar que por natureza não fomos dotados dessas ferramentas, mas vamos aceitar a contestação e refutá-la com outra demonstração.

Impugnação da contestação

Desta feita, entregamos uma ferramenta de abate – uma faca – e solicitamos que o sujet mate a vaca na nossa frente para provar que, com instrumentos, a experiência anterior ficaria invalidada. Mas, então, o que é que verificamos estupefatos? Noventa e nove por cento dos humanos não têm coragem de enfiar a faca na jugular do bovino! Seria prova suficiente de que não somos predadores naturais? Pelo sim, pelo não, vamos além. Tomo a faca da mão daquele espécimen covarde. “Se você não tem coragem, mato eu a vaca.” Introduzo a lâmina na garganta da desditada. O sangue jorra. E o ser humano… Onde está ele? Ah! Lá está, no canto, vomitando!
Se fosse carnívoro, o simples cheiro do sangue ou a sua visão já daria água na boca. Mas, se ele não é capaz de matar e ainda lhe embrulha o estômago quando outro mata, isso demonstra claramente que nossos instintos são bem diferentes. Aquele reflexo de “pôr para fora” é exatamente o oposto da reação de comer. Talvez não sejamos carnívoros. Quem sabe, somos carniceiros?

Veja esta história narrada com muito humor, em vídeo ou pelo podcast:

Experiência científica…

youtu.be/3kGfe5EIMMY

quarta-feira, 29 de junho de 2016 | Autor:

Quando eu era criança, tivemos um cachorrinho pequeno. Ele tinha um mês de idade. Um dia se escondeu debaixo do sofá e quando um empregado nosso foi retirá-lo ele rosnou como gente grande. O funcionário, com medo de levar uma mordida, agarrou um cabo de vassoura e ficou tentando puxá-lo com o objeto, mas cada vez que o cabo da vassoura tocava o cãozinho ele reagia como se fosse um leão adulto. Todos na casa começaram a fica assustados, supondo que o animalzinho estivesse com hidrofobia. Mas como as criança são menos paranóicas e amam os animais, eu me aproximei o quanto pude e lhe estendi um petisco, chamando com carinho. O pobre filhote veio se esgueirando por baixo do sofá, abanando o rabinho baixo e aceitou sair dali. Não havia nada de errado com o cão. O ser humano é que havia gerado nele o medo e a defensiva do jeito que ele sabia se defender. Talvez até o cabo da vassoura não gerasse nele tanta reação, se a atitude emocional do humanóide, seu tom de voz e a indelicadeza da movimentação do objeto não tivessem sido agressivos.

Assista a um vídeo sobre o assunto. Se preferir, acompanhe o podcast

youtu.be/k9SV_PGPORw

quinta-feira, 9 de junho de 2016 | Autor:

Seja qual for o caso do cão, o problema é o seu humano. Os cães são criaturas sensíveis que captam a atmosfera emocional das pessoas próximas. Se essas pessoas se comportam com nervosismo, medo, insegurança, agressividade, falta de liderança ou qualquer tipo de neurose, o animal reage incorporando a atitude correspondente em seu comportamento.
Se o seu cão late muito, destroi o que não lhe pertence, se é agressivo, se não obedece, pode ter certeza: o problema não é o cão. Leia livros de adestramento, contrate um treinador e, acima de tudo, seja receptivo e aceite as instruções do treinador. Você tem que mudar.

Assista o vídeo (ou ouça o áudio) complementar e aprenda mais sobre o comportamento humano.

youtube.com/watch?v=Rbms8xFdlKM&feature=youtu.be

segunda-feira, 18 de março de 2013 | Autor:

Maestro,

Una campaña que vale la pena divulgar. Te comparto este video con un dolorcito profundo en el corazón.

“Somos su peor amenaza y su única esperanza”

http://www.youtube.com/watch?v=SQqRJvS77EU

Un abrazo grande,

Matías
Alumno Sede Martínez

domingo, 17 de março de 2013 | Autor:

Oi Mestre.
Adorei passar o fim de semana com vocês. O evento foi incrível e estão todos de parabéns!
Recebi este link de um aluno. Um golfinho que pede ajuda aos mergulhadores para tirar um pedaço de rede que fica preso na barbatana dele.
Muito legal!
Beijos e até o Pró-Tático.
Juli.

Unidade Downtown – Rio.

http://www.youtube.com/watch?v=2gvgkHSyKFE

Equipe de Desenvolvimento:

Daniel Cambría   |   Coordenação Geral https://www.facebook.com/danielcambria

Tiago Pimentel   |   Layout & Identidade Visual https://www.facebook.com/tiagopimentel https://www.flickr.com/designinabox

Alex William   |   Programação Visual (Front End) https://www.facebook.com/alex.brasileiro https://www.artinblog.com

Douglas Gonzalez   |   Programação Back End https://www.facebook.com/douglas.s.gonzalez

Visite o Office em facebook.com/officemetododerose